Clube do Pai Rico
Participe agora mesmo!

As vantagens e desvantagens de usarmos um sistema automatizado de investimento

Pergunta:

Quais são os prós e contras de um robô investidor e quais os mais indicados ?

 

Resposta:

Bom dia Jean,

Sistemas automáticos de investimento … A última moda do mercado financeiro !!

Mentira !! 🙂

Acredite ou não: os robôs já estão presentes no mercado há muitos e muitos anos. Lógico … atualmente a coisa é muito mais simples … mais “pessoal” … mas prática. Com o poder computacional que temos em nossas mãos, qualquer pessoa pode ter um sistema automatizado de investimento na palma da mão. (literalmente !)

Mas como disse, isso não é bem uma novidade

Não sei precisar exatamente quando foi que se deu o início do uso destes sistemas automáticos, a memória não ajuda … hehehe

Mas me lembro de uma história bem interessante envolvendo o assunto:

Aconteceu, se não me engano, na década de 80, quando os computadores começam a ser usados com mais frequência dentro das corretoras. Sistemas que se propunham a determinar, automaticamente, os melhores pontos de compra e de venda de ações surgem e viram febre em Wall Street. Os investidores ficam maravilhados com o uso da nova tecnologia para esse propósito. Tudo automático, sem trabalho algum para eles. Que maravilha … Não ?

O sistema adota uma série de indicadores e uma enxurrada de dados (que se comparado ao que usamos hoje não seria absolutamente nada …), analisando-os, processando-os e nos entregando ordens claras de compra e venda. Compre isso! Venda aquilo ! Compra a tanto !! Venda a tanto !!! Simples e prático.

Era um milagre ! Envolvimento zero do investidor. O único envolvido eram os funcionários das corretoras, que tinham os programas sendo executados em seus terminais e viam na tela as ordens saltando. Não se esqueça que naquela época a tecnologia ainda era cara e praticamente inacessível … Praticamente ninguém tinha um computador em sua casa.

Os corretores viam a ordem surgindo na tela e executavam para os investidores que usavam a ferramenta. Era uma maravilha ! Muitos e muitos ganhavam dinheiro com aquilo. Uma festa só. 😀

Mas havia um problema … Os programas ainda eram simples, usavam regras ainda mais simples de análise e emitiam as ordens praticamente ao mesmo tempo. Ordens “massivas” de compra e outras tantas de venda. Todas ao mesmo tempo … Já consegue enxergar o que devia ocorrer. Não ?

Sim … Com tantas ordens ocorrendo ao mesmo tempo, a intensidade dos movimentos era ampliada pelas próprias ordens. Saltos para cima e para baixo eram vistos a “todo” o momento. Ou melhor, eram visto na hora em que os sistemas avisavam da oportunidade de trade.

Até que os reguladores do mercado acabaram com a festa. Os movimentos tornaram-se muito artificiais e para evitar que aquilo permanecesse acontecendo, uma regra simples foi instituída: os robôs não poderiam mais funcionar dentro das corretoras. Eles não foram proibidos … mas dentro da corretora não poderiam mais funcionar.

Continue lendo …

Vídeo ||| Cuidados na hora de investir em um CDB

Você sabia que alguns cuidados – básicos ou não – devem ser tomados na hora de investirmos em um CDB ?

Não, não me refiro ao risco de investirmos em um daqueles CDBs que nos oferecem mais de 100% do CDI. Me refiro a cuidados a serem tomados no bom e velho CDB de sempre, não importando a instituição onde ele esteja.

Pontos simples e que podem lhe poupar de uma GRANDE dor de cabeça. 😉

Confira !

 

 

Ah ! Não deixe de assinar o nosso canal para receber a notificação sempre que um novo vídeo for publicado ! 🙂

ps: se o assunto lhe interessa, convido-o a conferir o post que publicamos anteriormente aqui no Clube onde o assunto também foi abordado: Cuidados na hora de investir em um CDB

ps²: sim … eu estou MEGA gripado … 🙁

Vale a pena investir em bancos menores que pagam mais de 100% do CDI ?

Pergunta:

Primeiramente, muito obrigado pelo post, ajudou muito em minhas dúvidas.

Sobre o CDB-DI, gostaria de saber se é mais aconselhado fazer investimento em bancos menores que garantem mais de 100% do CDI do que em bancos maiores com taxas menores?

Resposta:

Bom dia Adriano,

Excelente pergunta !! Algo que eu já deveria ter abordado aqui no Clube de forma um pouco mais profunda e que (sabe-se lá o motivo …) deixei passar batido. 🙄

Até já falei sobre o tema em diversas ocasiões no twitter, quando algum seguidor fazia uma pergunta específica sobre o assunto. Mas aqui no site, de forma mais direta, clara e objetiva … Acho que não. Sorry guys !! 😳

Indo direto ao assunto: Vale a pena investir nas ofertas tentadoras, com retornos acima de 100% do CDI, dos bancos “menores” ? SIM ! Sim … mas com alguns cuidados. 😉

Rendimentos mais do que agradáveis !

Este é o principal motivo que nos leva a cogitar o investimento em bancos “menores“. Ofertas tentadoras, muitas vezes superiores aos tão desejados 100% do CDI. Ofertas que deixam as alternativas oferecidas pelos bancos “maiores” para trás … distantes …

Mas você sabe o motivo para que isso aconteça. Não é mesmo ?

Você está lembrado daquela boa e velha regra de investimento: “o retorno é proporcional ao risco” ? Pois então … Se um banco costuma oferecer um retorno acima da média, um valor mais alto do que o praticado pelos outros bancos (especialmente os maiores), é porque existe um nível de risco um pouco mais alto nos “pequenos”. Por mais que este risco possa ser apenas psicológico. 🙂

O mercado encara os grandes como sendo 100% sólidos, sem riscos, etc etc etc, e acaba aceitando os valores por eles praticados. Já para que os de menor porte possam concorrer, precisam recorrer ao retorno oferecido em suas aplicações.

E é assim que a coisa funciona desde sempre …

Continue lendo …

Os juros caíram para 12,25%, como fica o meu plano de aposentadoria ?

 

É … não será por falta de avisos que você será pego de surpresa. 🙂

O mercado já vem “adiantando” há meses que o nível de juros que vinha sendo praticado não seria justificável por muito mais tempo. 14,25% ao ano, os tão desejados 1% ao mês (depois do IR) ficaram no passado e cada vez mais distantes …

Na reunião do COPOM desta semana, foi decidido que a SELIC viria para 12,25% ao ano, um corte de 0,75pp em relação à taxa até então praticada. Alguns apostavam (literalmente) num corte de 1pp, mas o BC seguiu o que vinha falando e manteve o ritmo de 0,75pp. Um corte muito bem-vindo, obrigado. 😉

Adeus 1% ao mês …

Foi bom enquanto durou, diriam os saudosistas. A taxa de 1% ao mês é aquela facilita as contas, que agrada ao bolso, e que soa redondo para quem ouve. Mas … além disso: era uma taxa que facilitava atingirmos objetivos futuros de maneira mais “simples”.

Está pronto para rever seus cálculos e no lugar do 1% que estampa a sua projeção de valorização, colocar – por hora – 0,85% ao mês ? É … este é o rendimento (aproximado) que uma aplicação em renda fixa que gere 100% do CDI passa a entregar neste momento. Isso se ela já tiver 2 anos de vida. Se for mais nova, a coisa fica ainda mais complicada …

Mas como estamos de olho em nossa aposentadoria, assumiremos que é uma aplicação mais madura e que nos gera um IR de apenas 15% sobre o lucro. 😉

Acha que é pouco ? Use o nosso simulador de rendimentos e veja a diferença que este “desconto” faz em apenas 10 anos …

Em uma aplicação de R$100 mil, a perda de rendimento em 10 anos de uma aplicação que entrega 0,85% ao mês, quando comparada com uma que proporciona um rendimento de 1%, é de “apenas” R$50 mil … Pouco né ? Não faz diferença alguma … 🙄

Mas não fique triste, pois a tendência é que este retorno seja ainda menor …

Muitos já apontam SELIC e um dígito no final de 2017, uma diferença brutal para a valorização de suas reservas destinadas à aposentadoria. Se uma queda de 14,25% para 12,25% fez o que fez (1% para 0,85%), imagine se formos mesmo para os 9% … 8% ao ano. 😯

É, alguma coisa precisa ser feita. Definitivamente …

É hora de colocar “pimenta” !!

E por pimenta, leia-se risco. 😉

Sim: se você deseja obter um rendimento um pouco melhor, para acelerar o seu processo de acumulação visando a sua aposentadoria, ou então proporcionando a possibilidade de aportes um pouco menores, será necessário que você encontre aplicações que rendam um pouco mais. E como isso não será mais possível de ser encontrado na renda fixa, somente a inclusão de uma pitada de renda variável poderá fazer isso.

Sim: você precisará deixar a segurança e conforto da casa da sua mãe renda fixa e partir para o mundo real a renda variável.

Não, não estou dizendo para você mergulhar de cabeça na renda variável. Não, não estou dizendo para você acabar com a sua aplicação segura, na renda fixa, pegar todo o dinheiro e colocá-lo em ações. Mas … um pedaço deste bolo … talvez. 🙂

Continue lendo …

Como se iniciar um novo tipo de investimento e superar o medo do desconhecido ?

Se existe algo que nos impede de seguir adiante é o medo do desconhecido. Não importa em relação ao que este “desconhecido” seja … Ele é motivo de pânico, e na maioria dos casos de congelamento.

Natural. Instintivo. Básico. Foi justamente esta nossa característica de respeitar o que não entendemos, o que não conhecemos, que nos manteve vivos nas mais adversas situações.

Claro que este mesmo desconhecido despertou a nossa curiosidade, nos fez ir atrás de informações e de conhecimento que nos permitissem irmos em frente. Sempre respeitando nossos limites, mas ampliando-os ao mesmo tempo.

O medo nos paralisa. Mas o conhecimento nos leva adiante.

Dúbio, mas realista. Algo que está entre nós há alguns milhões de anos … Vai saber. E se é assim que vem sendo, e funcionando, é porque deve nos ser útil de alguma forma. 😉

Tudo muito bom … Tudo muito bem … Mas … e quando você está municiado das informações e conhecimento necessários para ir em frente … Já fez a lição de casa … Viu as vantagens e desvantagens de uma certa decisão … E mesmo tendo tudo planejado, ainda permanece congelado, sem conseguir agir, sem conseguir sair do lugar ?

Vida = Investimentos

Sim, tudo isso que nos trouxe até aqui serve também para os nossos investimentos.

Quantas foram as vezes em que você fez todas as análises necessárias para a entrada em um determinado tipo de investimento, mas sentiu-se desconfortável com isso ? Mesmo tendo as informações necessárias, conhecendo (e estabelecendo) os riscos, as vantagens, etc etc etc, permaneceu lá … imóvel … ?

Você já passou por isso ? Já sentiu isso na pele ?

Continue lendo …