Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

Tesouro Direto rendeu mais de 50% em 2016 ! Ações ? Tô fora !!

No ano passado tivemos uma ano atípico. Foi um ano onde visitamos o fundo do poço, e descobrimos que nele havia um porão que ia ainda mais fundo, e que vivenciamos uma das maiores recuperações (ao menos no mercado financeiro … a vida real ainda sofre) dos últimos tempos.

Bolsa apresentou inúmeros ativos com valorização de 100%, 200%, 500%; dólar veio dos R$4,20 para os R$3,00; e até mesmo o Tesouro Direto, aquele investimento de renda fixa e de “baixo rendimento“, mas garantido, surpreendeu.

Surpreendeu e deixou muitos com dor de cotovelo, pensando no motivo que os levou a não investir nele …

Imagine, uma aplicação em renda fixa que proporcionou retorno superior a 50% em apenas um ano !! Já pensou que maravilha ? Algo sem risco, e que oferece retorno superior ao apresentado pelo Ibovespa ? Que coisa maravilhosa, não é mesmo ? 😀

Que ótimo argumento de vendas: “Largue todo e qualquer tipo de investimento que você usa hoje e migre para o Tesouro Direto !!” Com um rendimento dessa proporção, nem uma estratégia com investimento de alto rendimento em opções, como é o meu Double PUT Double CALLby the way, você já o conhece ? – tem chances de competir …

50% ao ano com um investimento 100% seguro, em renda fixa … O sonho de todo e qualquer investidor.

Mas … é verdade ?

Sim, é. Alguns títulos do Tesouro Direto entregaram esse rendimento no ano passado. E a palavra mágica neste momento é entregaram.

Por que o destaque ? Simples … Qual é o rendimento, hoje, de um título do TD ? 10,25% para o Tesouro SELIC, ~11% para o Tesouro Prefixado e 5,75% para o Tesouro IPCA. Diferença radical para o resultado do ano passado …

Então, como pode ser possível ?

Pôde (se é que você aceita que eu use a forma antiga desta conjugação) por causa da situação que vivenciamos.

Em 2016 a coisa pegou. Inflação disparou, o medo tomou conta, estávamos perdidos e desorientados por causa do processo de impeachment. Graças a isso vimos acontecer o fundo do poço. E nele vimos alguns títulos oferecendo retornos bem interessantes … Alguns Prefixados chegaram perto dos 17% ao ano !!

E quanto eles estão valendo hoje ? 11% …

Quanta diferença, não é mesmo ? Sim, grande diferença. E se eu te disser que foi justamente por conta desta diferença que vimos os rendimentos astronômicos do Tesouro Direto ? É … 🙂

Entenda que o Tesouro SELIC oferecia 14,25% ao ano e hoje 10,25%. Quem escolheu esse título não viu variação alguma (positiva) no rendimento. Pelo contrário … viu sua renda encolher quase 30% … Mas tudo bem, pois ao escolher o Tesouro SELIC o investidor já sabia que ele acompanharia a taxa de juros.

Já os Prefixados e os IPCA … Foram eles que explodiram em rendimento !! 😀

Como o “valor de face” do título anda na direção contrária ao rendimento oferecido por ele, ele “valia pouco” ao atingir aqueles rendimentos mais altos do começo de 2016. Conforme a rentabilidade por eles oferecida diminuía, por conta da melhora da situação interna do país, o “valor de face” ia aumentando.

BINGO !

Isso, enquanto o título “perdia” rendimento, o seu valor aumentava. E como a queda no rendimento foi grande … o “valor de face” também subiu bastante. Em alguns casos … os 50% que eu disse. 😯

Pronto ! Máquina de fazer dinheiro !! Compro um título que paga um alto retorno, espero a taxa de juros cair e … pode acordar. Acabou o sonho.

Isso já aconteceu. A oportunidade já passou. O rendimento já veio dos 17% para os 11% … A SELIC já veio dos 14,25% para 10,25% …

E como foi isso que causou a grande valorização de alguns títulos, obter 50% no Tesouro Direto será algo BEM difícil de se repetir. Por quê ?

Simples: a taxa de juros caiu drasticamente e rapidamente. Você consegue imaginar que ela vá cair muito mais nos próximos 12 meses ? Eu não … Grande parte do mercado aponta os 8,5% como um “piso” para ela. E esse valor já está praticamente precificado nos títulos disponíveis hoje.

Não, você não conseguirá encontrar – ao menos não tão cedo … – uma nova oportunidade de ganhar 50% no Tesouro Direto. Poderá conseguir 15%, 20% ? Talvez … até mesmo porque este já é um valor próximo ao oferecido pelos títulos. Mas a grande onda de valorização do TD já passou.

Você consegue enxergar isso ? Conseguiu entender o motivo de ter ocorrido e do porquê isso não deve ocorrer de novo tão cedo ?

Muitos tentarão te vender a promessa de que você ainda poderá obter retornos estratosféricos com este investimento em renda fixa … Mas agora que você já sabe o motivo de terem ocorrido, você poderá decidir com a realidade dos fatos.

De novo: rendimentos de 50% no Tesouro Direto só ocorreram por conta da queda acentuada e acelerada na taxa de juros. Para que isso voltasse a se repetir precisaríamos que eles voltassem a subir, muito, e de um novo movimento de queda em seguida.

Portanto … se quer investir no Tesouro Direto, invista pelo lado realidade da coisa. A promessa de altos rendimentos do Tesouro Direto é real, mas para casos muito, mas MUITO específicos … Ok ?

Agora … se você está interessado em conhecer uma estratégia operacional que te permite obter ganhos mensais acima da média, com as ferramentas certas e a base teórica necessária para tal, te indico conhecer o meu curso, o Double PUT Double CALL. 😉

A eterna batalha contra o dragão

Está lembrado que há algum tempo falamos sobre estratégias que poderiam nos proteger dos ataques do dragão, das perdas inflacionárias ? Lembra que primeiro falamos sobre o uso do Tesouro IPCA para este fim ? (neste post: Investimento que proteja o patrimônio contra a inflação para todo o sempre) Depois falamos sobre os imóveis e sua importância para quem deseja obter proteção, em todos os casos, contra o mesmo problema ? (neste post: Usando imóveis para nos mantermos protegidos da inflação)

Se não lembra, convido-o a ler os dois textos. Pode ir lá, eu te espero. 😉

No exemplo do Tesouro IPCA, foi levando o problema que o investimento apresenta para períodos em que a inflação “voltar” (bate na madeira, TOC TOC TOC) aos níveis que tínhamos antes do Plano Real. E, justamente por isso, não poderíamos nos ater somente a ele.

Já no investimento em imóveis, para aluguel, que nos proporcionaria uma proteção mais ampla contra a inflação, graças aos reajustes anuais, acompanhando o IGP-M, retirando o problema do IR comendo nosso rendimento que é visto no Tesouro IPCA, tínhamos encontrado um “porto seguro”.

 

Tínhamos ?

Você provavelmente tenha visto nos noticiários de ontem a divulgação do IGP-M de maio, onde vimos o índice apresentando o menor nível desde 1989 ! Deflação de 0,93% …

Graças a isso, o IGP-M acumulado nos últimos 12 meses está em módicos 1,57% … e é aqui que o papo começa. 🙂

Se este é o momento de realizar o reajuste do aluguel do seu imóvel, lamento lhe informar … mas o valor do seu reajuste estará abaixo do que o IPCA do mesmo período. (perto de 4%)

É … o seu investimento teve perdas reais, não conseguiu acompanhar a inflação. Ok … “conseguiu”, o IGP-M … Mas não é ele quem “guia” o nosso dia a dia.

E com isso é preciso que se diga uma coisa: não existe regra que seja válida para todas as situação. Não existe nada que seja eterno e imutável. Quando estamos tratando de investimentos, precisamos estar de olho sempre. É justamente o acompanhamento constante que nos permite observar possíveis problemas que possam estar surgindo “ali na frente”.

Tudo funciona muito bem até o momento em que bate na trave.

Você pode estar pensando: “mas do mesmo jeito que veio abaixo do IPCA, houveram situações onde o índice veio acima” … E você está coberto de razão. Mas consegue enxergar que não existe uma regra, que isso pode vir a acontecer ?

O problema da falta de reajuste em linha com o IPCA é uma coisa … Mas e a vacância que muitos proprietários de imóveis vêm enfrentando atualmente ? A quantidade de imóveis disponíveis para aluguel, ao menos aqui em Florianópolis, é enorme. Basta olhar para as janelas dos prédios para vermos placas e mais placas de “Aluga-se” …

Se for um prédio comercial então … 🙄

Lidar com um reajuste um pouco abaixo do necessário é uma coisa … Mas como lidar com a pura e simples falta de geração de caixa ? 😯

É …

Fontes de Renda variadas

Mesmo eu sendo um forte defensor da concentração (nos investimentos), sou um defensor ainda maior dos que indicam diversificação nas fontes de renda. Caso uma venha a apresentar algum tipo de problema, uma outra pode lhe ajudar a contornar a situação. 😉

Se o Tesouro IPCA rendeu “pouco”, talvez o seu imóvel traga o equilíbrio à conta. Se o seu imóvel acabou ficando vago, sem perspectiva de aluguel, talvez o seu Tesouro IPCA cubra o buraco. Se ambos apresentam problema, talvez a sua carteira de ações possa lhe ser útil … quanto ela gerou em dividendos neste período ?

Este é um ponto onde as ideias de Kiyosaki têm grande utilidade para nós. 🙂

Ativos e mais ativos ! Sejam eles ações, imóveis, empreendimentos, títulos do tesouro … Cada um contribuindo com o que tem de melhor para o nosso plano.

E claro … sempre de olho no horizonte. Vai que uma tempestade se aproxima e você precisa fechar algumas janelas ? 😉

O que o dia 18 de maio de 2017 mudou em você ?

Não, você não precisa pegar o calendário para descobrir o que aconteceu de importante no dia 18 de maio … você provavelmente sentiu algum dos efeitos dos eventos ocorridos nesta data.

Sério mesmo que você não consegue se lembrar ? Mas … por que estava de fora, ou por que tinha algum tipo de proteção tão bom que te permitiu sair ileso ?

Sim, estou falando do dia em que a terra parou tivemos um novo Circuit Breaker, o primeiro desde 2008 …

Foi praticamente instantâneo: abriu, travou. Apenas alguns “poucos” negócios aconteceram … Mas já foram suficientes para que o Ibovespa atingisse a marca dos 10,5% de queda e com isso a interrupção dos negócios por 30 minutos.

Foi um corte rápido. Você provavelmente não tenha tido tempo de fazer absolutamente nada … Até mesmo porque os primeiros negócios na grande maioria dos ativos já ocorreram na bacia das almas. Ações que caíam 20%, 30%, 50% logo na abertura eram vistas aos montes.

Vender nesta situação ? “Meio” complicado … Não é mesmo ?

A não ser que você estivesse em alguma operação MEGA alavancada, que exigisse que você saísse a qualquer custo, vender naquele momento, naquela situação, poderia não ser o melhor negócio do mundo …

Mas …

Que estratégia adotar depois disso ?

Eu sinceramente torço para que esta seja uma pergunta que esteja rondando a sua cabeça desde a última quinta-feira …

Por mais que pensemos que estamos preparados “para todas as possibilidades”, uma abertura em que a ação que você investe apresenta 20% de queda tem que te fazer pensar sobre isso. Ao menos eu estou. 🙂

E olha que a operação que tenho neste momento (e que estava naquele dia) não se “abalou” com a derretida do mercado …

Mas sabe quando você enxerga que aquilo que está acontecendo na sua frente, na tela do seu computador, poderia ter sido aproveitada de alguma forma ? Ou então que você poderia ter tido o “azar” de estar numa operação, naquele momento, que pudesse ser fortemente abalada por aquilo que estava acontecendo ?

“Mas e se eu tivesse feito xxx e o mercado tivesse explodido os mesmos 15%, isso teria me afetado como ?”

Ou então …

“Putz, se tivesse alavancado um pouco mais, a perda causada por este tombo seria das boas …”

Etc etc etc …

São tantas as possibilidades, tantas as alternativas, tantas coisas que acabam passando na cabeça … E não tem como ser diferente. 🙂

Alguns poderão dizer: “Viu, é um mercado muito arriscado, não quero me meter nisso não !“, ao invés de tentar entender o que aconteceu, tentar imaginar algo que pudesse “aliviar os efeitos” daquele movimento para os seus investimentos.

Veja que não estou falando o que estou falando por causa da queda em si. Me refiro ao movimento explosivo da abertura. Lembra que podemos nos posicionar tanto na expectativa de lucrarmos com a alta quanto com a queda ? E se você estivesse esperando uma queda, mas no dia seguinte viesse uma alta de 25% na ação ? 😯

Adotar aquela estratégia que envolve a compra de PUT, que vem sendo divulgada pela Empiricus ? É uma alternativa … Mas só serve para proteger a sua carteira (comprada em ações) contra os efeitos de uma queda mais forte. Se for uma carteira que tem vendas, como faz ? O “inverso” … comprando CALL OTM de um vencimento láá na frente.

Mas e se for uma carteira que tem operações de compra e de venda ? (sim … é possível … muito prazer !! hehehe)

Você só estaria protegido se estivesse comprado em CALL e PUT OTM, lááá na frente. Mas e o custo disso para a carteira? E a disponibilidade deste tipo de opções … aqui no Brasil ? Lááá longe, tanto no preço quanto no vencimento ?

Sim, um barbell no capricho !! Um stradlle “esticaaado” !! 😀

Esta foi a primeira ideia que me veio à cabeça. 😉

Portanto … Agora é hora de meter a cara nos livros, ir atrás de fontes de informação que possam vir a me ajudar na implementação desta proteção. Mais uma … Mais um nível … Mais um “layer”. 🙂

É, é assim que as coisas devem ser. Plano A, protegido por um Plano B, protegido por um Plano C, protegido … Sempre tentando otimizar tudo, gastando o mínimo possível com estas proteções e as proteções das proteções.

Difícil ? Complicado ? Arriscado ? Talvez … Mas só podemos dizer isso depois de ter ido atrás de toda a informação possível. De testar, testar e testar. Ai sim, talvez possamos falar algo …

Se este tipo de assunto lhe interessa, que tal conhecer o Double PUT Double CALL ? Meu curso de opções onde compartilho a minha estratégia de investimento com Opções.

E você pode ter certeza que este evento me fará criar um material exclusivo para os participantes do curso. Algo que vise trazer segurança e oportunidade para nós. (sim, nós !)

Mas me diga …

… qual foi a sua primeira reação à abertura dos mercados no dia 18/05/2017 ?

E quais foram as consequências disso ? Compartilhe conosco !! 😉

Juros compostos e a regra dos 72

Você sabe a importância dos juros compostos para o universo financeiro ? Conhece o real poder deles ? E a regra dos 72, já ouviu falar ?

Hoje falaremos sobre a “maior força do universo”. (dizem que foi o Einstein quem falou …)

Se você investe, ou pensa em investir, este é um dos motores desta máquina tão maravilhosa. 🙂

Saiba mais sobre a fantástica ferramenta que faz com que o seu exército de funcionários (o seu dinheiro trabalha por você, lembra ?) acelere o ritmo de produção a cada novo turno trabalhado. 😉

 

 

Ah ! Não deixe de assinar o nosso canal para receber a notificação sempre que um novo vídeo for publicado !

ps: alguém perceberá o easter egg existente no vídeo ? 🙄

Devo usar meu Colchão de Segurança para aproveitar oportunidades imperdíveis ?

Pergunta:

Olá Zé, estou começando agora meus estudos em finanças e comecei a ser um leitor assíduo do clubedopairico. Gostaria de saber a sua opinião em uma dúvida que me surgiu enquanto lia em ordem este post Existe alguma ordem de leitura dos posts do Clube para quem está começando ? e que não vi ninguém perguntando. A dúvida é sobre o colchão de segurança, quando tinha 15 anos minha tia vendeu um terreno por um preço muito inferior ao que valia, e eu agora entendo que foi por falta de educação financeira. Como muitos não tem essa educação e por já ter passado por esta situação que me surgiu a seguinte dúvida; seria valido usar o dinheiro do colchão para fim de investimento? Você compraria um terreno que você sabe que esta sendo vendido por um preço muito menor por causa de uma necessidade da pessoa? Se eu não usar esse dinheiro mesmo que seja reservado somente para \”emergências\” não estaria perdendo dinheiro ao deixar de ganhar? Ou mesmo assim devo guardar religiosamente esta reserva? O exemplo esta direcionado ao terreno por causa da minha tia, mas a dúvida é para qualquer investimento, você fala que o dinheiro não é para \”promoção\”, mas neste caso eu vejo como \”oportunidade\” e não \”promoção\”. Estou muito curioso para saber o que você pensa sobre o caso e aguardo ansioso uma resposta.

Resposta:

Bom dia Felipe,

Ótima pergunta !! 😀

Você tocou em alguns pontos muito importantes nela: colchão de segurança, perder dinheiro por não aproveitar uma oportunidade, necessidade de vender um bem por um preço abaixo do que é praticado pelo mercado. Coisas distintas e que podem ter um elo … a Educação Financeira. 😉

Se eu concordo em usar o dinheiro do colchão de segurança para aproveitar oportunidades imperdíveis ?

Não … não concordo.

Mas por que não concordo ? Por um simples motivo: o dinheiro que está no colchão está lá para ser usado em situações de emergência. Ele está lá “quietinho” aguardando um evento catastrófico que exija o seu uso. Ele está lá “parado” para lhe trazer a tranquilidade necessária para manter sua cabeça em paz durante a sua jornada diária. Ele está lá para lhe tirar aquela preocupação que assola tantas pessoas … “mas e se amanhã eu perder o meu emprego ?“.

Parece ruim … Parece desperdício de dinheiro … Pode se transformar até mesmo em desperdício de oportunidades … Mas ele está lá para lhe trazer a segurança necessária, que somente uma reserva financeira pode proporcionar.

Você pode até pensar que poderia usar o dinheiro dele para aproveitar a oportunidade, comprando algo por um preço muito abaixo do “certo”, e que obterá lucro ao revender. Mas … você sabe quanto tempo levará para revender o que comprado ?

Por exemplo … Você compra algo que custa R$200 mil por R$100 mil. Um ótimo negócio, não é mesmo ? Sabe que vale R$200 mil, portanto é garantia de lucro certo ! Basta comprar por R$100 mil e em seguida revender por R$200 mil. Fantástico !!

Mas … quanto tempo levará para conseguir vender por R$200 mil ? Se fosse algo realmente simples, a pessoa que lhe vendeu por R$100 mil teria conseguido obter um preço melhor na venda, e você não teria tido a oportunidade de comprar. Você poderá dizer que compraria por R$100 mil e aguardaria um comprador interessado em pagar o preço “certo” … Mas e se nesse meio tempo você tiver a necessidade de usar a grana do colchão ? 😯

Lembre que sua tia “vendeu” mais barato porque precisava de dinheiro rápido. Se você tiver a necessidade do dinheiro do colchão, que agora está imobilizado no terreno, precisaria vender o mesmo a qualquer custo. Se bobear, poderia precisar vende-lo por menos de R$100 mil … Já pensou nesta possibilidade ?

O que não existe neste caso é tempo. Já que o dinheiro lá investido é do colchão de segurança, você não se pode dar ao luxo de comprar o terreno e ficar esperando algum interessado que pague o preço “certo”.

Continue lendo …