Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!


O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ? (X)

Num texto anterior, também pertencente a série “Como o Zé ganha na Bolsa“, falei um pouco sobre o conceito de Suportes e Resistências, e sobre como trabalho com eles. Naquele momento apresentei somente os Suportes e Resistências visíveis. Agora que tal falar um pouco sobre os “invisíveis” ? 🙂

Sim, algo meio estranho, mas real. Já ouviu falar de Fibonacci ? 😉

A razão Áurea

Leonardo Fibonacci, matemático Italiano que descobriu a sequência de números que leva seu nome, a sequência de Fibonacci. De fácil compreensão, ela é formada sempre da seguinte forma: O próximo número será a soma dos dois anteriores, sendo que a sequência é iniciada pelos números 0 e 1.

Até ai tudo bem … o grande “detalhe” desta sequência é que ela está presente em praticamente tudo que encontramos na natureza. 😯

Seja na projeção de quantos coelhos teremos depois de algumas gerações (um dos exemplos mais clássicos para demonstrar o seu funcionamento), ou na formação da casca do caracol, ou na organização das sementes de um girassol, ou na proporção entre alguns dos ossos do corpo humano … podemos encontrar a sequência propriamente dita, ou a relação entre seus números em praticamente tudo. O vídeo abaixo é um ótimo exemplo disso:

E já que está presente em tudo … por que não estaria presente na bolsa ? 🙂

As projeções (expansões) de Fibonacci

Ou então somente os fibos, para os íntimos. 😉

Os fibos nada mais são do que projeções de possíveis “alvos” para determinados movimentos. Para isso são usados alguns “itens”: um pivot e as projeções de 38%, 50% e 62%. Estes números são obtidos a partir da série, são as proporções entre os números existentes nela. Mas para começar, o que é um pivot ?

O pivot nada mais é do que um movimento das cotações, apresentado em gráfico, onde depois de uma queda (ou alta) elas – as cotações – começam a reagir no sentido oposto ao movimento anterior (ponto 1). Esta reação vai até um determinado ponto e voltamos a ver nova correção (no pivot de alta para baixo, e no de queda para cima) marcando outro ponto no gráfico – o ponto 2. Depois de algum tempo as cotações voltam ao sentido da correção anterior (ponto 3) rompendo a resistência formada anteriormente (o rompimento do ponto 2). Não conseguiu entender direito ? Dê uma olhada no gráfico abaixo e veja um em ação, e nele já temos a inserção de uma expansão, a de 38%.

Este gráfico foi feito enquanto ele estava sendo formado, copiei a tela e guardei para a formulação do texto de hoje. 🙂

O que podemos ver nele e que importa para entendermos sobre o fibo ? O pivot formado (pontos 1, 2 e 3) e confirmado (com o rompimento do ponto 3) e a primeira expansão de 38% (as linhas cinza). O resultado do fibo propriamente dito é a linha cinza superior, próxima dos R$ 42,75, que marcaria uma possível resistência. BINGO. Os fibos são usados para traçarmos os Suportes e Resistências “invisíveis” que citei no começo do texto. Seria esperada uma correção nesta região – por se tratar de uma possível resistência.

O que eu faço ?

Confio cegamente no fato de que a cotação irá parar de subir neste ponto exato – R$ 42,75 ? Não, hoje em dia não faço mais isso. 🙂

Digo hoje em dia porque no início, quando comecei a usar esta ferramenta eu usava ela para determinar meus pontos de compra e venda cravada. Sim, neste caso eu teria ligado para a minha corretora e deixaria uma ordem de venda em R$ 42,75. E vocês não imaginam como isso funcionou bem durante muito tempo naquele início … Foram muitas operações em que o topo era exatamente a projeção. Acertava na mosca.

Parei de usar tão cegamente depois que percebi que a mosca estava escapando algumas vezes, hehehe. 😉

Hoje em dia continuo usando, da mesma forma que uso Suportes e Resistências tradicionais, vejo como as cotações se comportam na região determinada pelas projeções. Conheço muita gente que continua usando da mesma forma que era usada por mim, e se dão muito bem. Se olharmos esse gráfico em específico, o movimento proposto seria na ordem de R$ 2,00 de lucro. (o ponto 2 está perto dos R$ 40,75)

Ah ! Quer saber como as cotações se comportaram no caso apresentado ? 🙂

Sim, bateu exatamente na linha cinza (olha a mosca ai !) e cedeu mais de R$ 1,00. 😀
(de lá pra cá a região foi de forte resistência)

Então, para resumir, uso Fibonacci para duas coisas:

– “Visualizar” a possível extensão de um movimento, seja de alta ou de queda

– “Prever” a possível Resistência (ou Suporte) futura de um movimento.

Abraços ! E acompanhem semanalmente a série. Aconselho a todos que assinem o Feed RSS e o Twitter, pois desta forma serão sempre avisados quando um novo texto for publicado.

Outros textos desta série:

Um resumão de tudo o que já passei

Não sabendo de nada, segui os outros …

A minha escolha: Análise Gráfica !

STOP !!

Um estranho no ninho

Suportes e Resistências

Candlestick

Volume

Médias Móveis