Clube do Pai Rico - Fórum - Índice do Fórum

 www.ClubedoPaiRico.com.brBlog - www.ClubedoPaiRico.com.br   FAQFAQ   PesquisarPesquisar   MembrosMembros   GruposGrupos   RegistrarRegistrar   PerfilPerfil   Entrar e ver Mensagens ParticularesEntrar e ver Mensagens Particulares   EntrarEntrar 

Sugestão de artigos que devem ser lidos no site do Clube:

- Como o Zé ganha na Bolsa ?
- Iniciando seus investimentos
- Por que o problema é dos mais ricos ?
- Você está preparado para a velhice ?
- O texto definitivo: Saiba como ganhar MUITO dinheiro na bolsa !
- Fez errado … ? Então pague o preço !!
- O Controle do Fluxo de Caixa e suas barreiras
- Você está no vermelho ? O que tem feito para mudar isto ?
- Formando o seu colchão de segurança



Além disso, indico duas séries especiais:

- Iniciando seus Investimentos: a série
- O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ? (Índice)


Compra de ações por estrangeiros está sujeita a iof desde 5ª

 
Novo Tópico   Responder Mensagem    Clube do Pai Rico - Fórum - Índice do Fórum -> Notícias
Exibir mensagem anterior :: Exibir próxima mensagem  
Autor Mensagem
Zé da Silva
Proprietário do Site

Proprietário do Site<br>





Registrado em: Quinta-Feira, 17 de Novembro de 2005
Mensagens: 9215
Localização: Florianópolis - SC

MensagemEnviada: Ter Out 20, 2009 3:53 pm    Assunto: Compra de ações por estrangeiros está sujeita a iof desde 5ª Responder com Citação

Isso pode dar rolo ...

Citação:
Compra de ações por estrangeiros está sujeita ao iof desde 5ª feira

São Paulo, 20 - As ordens de compra de ações feitas por investidores estrangeiros desde quinta-feira já estão sujeitas à cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), segundo o decreto publicado hoje no "Diário Oficial" da União. A alíquota é de 2%.

Segundo o decreto nº 6.983, que entrou em vigor hoje, a cobrança ocorre na liquidação das "operações de câmbio para ingresso de recursos no País, realizadas por investidor estrangeiro, para aplicação no mercado financeiro e de capitais".

Segundo regras da BM&FBovespa, a liquidação para as operações de compra de ações ocorre em D + 3, ou seja, todas as ordens dadas entre os dias 15 e 19 de outubro estarão sujeitas a essa tributação. O anúncio da cobrança do IOF foi feito no início da noite de ontem pelo ministro Guido Mantega (Fazenda).


Muda, e ainda muda "retroativo" ?

Vai dar rolo ... vai dar rolo ...
_________________
www.ClubedoPaiRico.com.br
Educação Financeira
---
Pai Rico Pai Pobre, o livro que me motivou a criar o Clube !
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar Email Visitar a homepage do Usuário MSN Messenger
ignorante



Registrado em: Domingo, 4 de Outubro de 2009
Mensagens: 14

MensagemEnviada: Ter Out 20, 2009 7:49 pm    Assunto: Responder com Citação

As operações que estão pendentes de liquidação mas que tiveram as ordens fechadas antes de hoje não serão tributadas com a nova aliquota do IOF...

Pode apostar que vai sair um retificação nesse decreto...

O ruim disso tudo é que o camarada que investe 1.000.000 já de largada chega perdendo 20.000 e tem que recuperar...

Isso sim vai dar um rolo dos diabos...
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Luis Otávio
Nível 4

Nível 4<br>



Registrado em: Quinta-Feira, 3 de Janeiro de 2008
Mensagens: 637

MensagemEnviada: Ter Out 20, 2009 8:08 pm    Assunto: Responder com Citação

Pô pessoal, vocês sempre olham as coisas pelo lado negativo...

Sabe qual o principal motivo desse IOF ?
É não deixar a Bolsa de Valores virar uma bolha. (palavras de Guido). Isso não é extremamente bom ?

Ainda mais...
Desvalorização do câmbio...
Menor especulação... dentre outras.

Acredito que haverá uma grande saída ou não entrada de recursos estrangeiros, mas se o Mantega conseguir cumprir o primeiro objetivo de tal cobrança, a longo prazo, será excelente para os brasileiros!

Abraços.
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular MSN Messenger
Zé da Silva
Proprietário do Site

Proprietário do Site<br>





Registrado em: Quinta-Feira, 17 de Novembro de 2005
Mensagens: 9215
Localização: Florianópolis - SC

MensagemEnviada: Ter Out 20, 2009 9:16 pm    Assunto: Responder com Citação

Luis Otávio escreveu:
Pô pessoal, vocês sempre olham as coisas pelo lado negativo...

Sabe qual o principal motivo desse IOF ?
É não deixar a Bolsa de Valores virar uma bolha. (palavras de Guido). Isso não é extremamente bom ?


Ainda mais...
Desvalorização do câmbio...
Menor especulação... dentre outras.

Acredito que haverá uma grande saída ou não entrada de recursos estrangeiros, mas se o Mantega conseguir cumprir o primeiro objetivo de tal cobrança, a longo prazo, será excelente para os brasileiros!

Abraços.


Me desculpa Luis ... mas tu consegues realmente acreditar nisso ?

A tributação é para bolsa E renda fixa. Se fosse só para segurar a bolha, tributaria somente operações de bolsa ...

É somente para segurar a moeda.

Outra ... a especulação na bolsa é MUITO importante. É ela que dá liquidez em muitos papeis ...

E outra, não se esqueçam que foi esse capital especulativo e gringo que fez com que a bolsa saísse de 8.000 pontos em 2002 até os 70.000 do ano passado ...

Sério. Não acreditem em tudo que é dito, em especial pelo governo. Wink
_________________
www.ClubedoPaiRico.com.br
Educação Financeira
---
Pai Rico Pai Pobre, o livro que me motivou a criar o Clube !
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar Email Visitar a homepage do Usuário MSN Messenger
Luis Otávio
Nível 4

Nível 4<br>



Registrado em: Quinta-Feira, 3 de Janeiro de 2008
Mensagens: 637

MensagemEnviada: Ter Out 20, 2009 9:29 pm    Assunto: Responder com Citação

Zé da Silva escreveu:
Luis Otávio escreveu:
Pô pessoal, vocês sempre olham as coisas pelo lado negativo...

Sabe qual o principal motivo desse IOF ?
É não deixar a Bolsa de Valores virar uma bolha. (palavras de Guido). Isso não é extremamente bom ?


Ainda mais...
Desvalorização do câmbio...
Menor especulação... dentre outras.

Acredito que haverá uma grande saída ou não entrada de recursos estrangeiros, mas se o Mantega conseguir cumprir o primeiro objetivo de tal cobrança, a longo prazo, será excelente para os brasileiros!

Abraços.


Me desculpa Luis ... mas tu consegues realmente acreditar nisso ?

A tributação é para bolsa E renda fixa. Se fosse só para segurar a bolha, tributaria somente operações de bolsa ...

É somente para segurar a moeda.

Outra ... a especulação na bolsa é MUITO importante. É ela que dá liquidez em muitos papeis ...

E outra, não se esqueçam que foi esse capital especulativo e gringo que fez com que a bolsa saísse de 8.000 pontos em 2002 até os 70.000 do ano passado ...

Sério. Não acreditem em tudo que é dito, em especial pelo governo. Wink


Sim e como acredito.

E segurar a moeda não é o bastante ? pô, quer um motivo maior que esse ?

Num racíocinio lógico... não concordaria que os investimentos iriam todos para RF se so houvesse IOF na RV ? Trocaria seis por meia-duzia.

Concordo que a especulação é importante, realmente é o que dá liquidez ao mercado, mas para o país isso é vantagem até certo ponto, enquanto não está prejudicando outros setores. Que é o que está acontecendo agora... e as exportações ? Como vamos exportar com o dólar tão baixo ?

Na minha opinião não foi o capital especulativo que fez a bolsa subir, foi o capital estrangeiro que entrou no Brasil visando longo prazo, uma parte dele é especulativo mas não a grande maioria.

Digo e repito Zé, comece a ver as coisas boas que estão sendo geradas para nosso país em todos os posts vejo você contra o nosso país e meu amigo, você mora nele, vamos valoriza-lo! (espero que esse assunto não se torne polêmico e "coma" o tópico)

Abraços.
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular MSN Messenger
Zé da Silva
Proprietário do Site

Proprietário do Site<br>





Registrado em: Quinta-Feira, 17 de Novembro de 2005
Mensagens: 9215
Localização: Florianópolis - SC

MensagemEnviada: Qua Out 21, 2009 7:44 am    Assunto: Responder com Citação

Claro que não irá, a discussão é saudável. Smile

Só um número: Sabem qual a média de ingresso de capital externo nos últimos 12 meses ? R$ 12~13 Bi ao mês !

Quanto disso vai para a bolsa ?

Wink

Mas é como eu falei ... não é o real que está forte, é o dólar que está fraco. Very Happy

Não sei ... acho que isso pode acabar sendo mais um tiro no pé do que qualquer coisa. Smile
_________________
www.ClubedoPaiRico.com.br
Educação Financeira
---
Pai Rico Pai Pobre, o livro que me motivou a criar o Clube !
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar Email Visitar a homepage do Usuário MSN Messenger
Playbr
Nível 4

Nível 4<br>




Registrado em: Sábado, 29 de Agosto de 2009
Mensagens: 1064
Localização: Porto Alegre - RS

MensagemEnviada: Qua Out 21, 2009 8:49 am    Assunto: Responder com Citação

Minha humilde opinião.

O dólar estava caindo MUITO. Isso não é bom para o Brasil, principalmente a olhos externos. Eu trabalho em uma multinacional e sempre que o dólar baixa, a empresa começa a "apertar os cintos". Se baixar de 1.70 começa a ter vários problemas na economia, se baixar de 1.50 vai ter MUITO problema pro país, e ontem o que ocorreu foi justamente uma tentativa de frear essa queda.

Eu ainda acho que é uma medida meio infeliz, pois vai ser temporário. Ou alguém acredita que um imposto de 2% vai frear o investimento dos gringos no Brasil? Ontem aquela queda da bolsa grande foi devido aos investidores internos com medo de que os gringos tirassem dinheiro, o que não aconteceu de fato, ou seja, puro medo dos sardinhas que começaram a vender adoidado, enquanto os gringos deviam tar rindo por conseguir comprar com um belo desconto, ou seja, compensou o imposto pra eles.

Acredito que essa queda vai parar logo logo, inclusive nem sei se hoje vai cair, até acredito que pode cair, mas deve reverter logo logo. Eu mesmo comprei mais ITUB4 ontem com um belo desconto.
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Gustavo_bl
Nível 4

Nível 4<br>




Registrado em: Quarta-Feira, 14 de Março de 2007
Mensagens: 1221
Localização: Porto Alegre - RS

MensagemEnviada: Qua Out 21, 2009 9:19 am    Assunto: Responder com Citação

No Banco Central a medida foi mal recebida... leiam a notícia abaixo:


Citação:
Taxação de capital externo descontenta mercado e BC

De Brasília e São Paulo
21/10/2009

Texto: A- A+



O BC considera que a medida é inócua para o câmbio e provocará a "exportação" do mercado de capitais brasileiro

A decisão do Ministério da Fazenda de taxar com o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) os ingressos de capitais em renda fixa e ações causou descontentamento no Banco Central e no mercado. O BC considera que a medida tem forte apelo fiscal, é inócua para o câmbio e provocará a "exportação" do mercado de capitais brasileiro. O clima entre a Fazenda e o BC piorou.

No mercado financeiro, a avaliação é semelhante: a medida não vai segurar o câmbio e só prejudicará o mercado de ações. Para Drausio Giacomelli, do Deutsche Bank, o dólar poderá testar em breve seus recordes de baixa atingidos em 2008, quando a cotação bateu R$ 1,56 em agosto. "Os fluxos externos ao Brasil são de natureza estrutural. O IOF joga areia na engrenagem, mas não muda sua direção".

Há um componente extra de pressão sobre o câmbio. Os exportadores estão com US$ 16 bilhões em caixa no exterior e tendem a ingressar com esses dólares sempre que a cotação subir.

"A bolsa foi alvo de fogo amigo", disse o presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto. Os estrangeiros são responsáveis por um terço do giro médio diário, de R$ 5 bilhões. A medida chegou num momento de forte atividade do mercado primário de ações: foram 13 ofertas públicas que movimentaram quase R$ 35 bilhões desde junho. Agora, executivos de bancos acreditam que parte dos negócios deve migrar para ADRs em Nova York - mesmo isso não ajudará o câmbio, já que, indiretamente, os investimentos continuarão fluindo ao país.

Cinco entidades do mercado manifestaram-se contra a medida, alegando que ela "reduz a capacidade do mercado de capitais brasileiro de exercer seu papel mais fundamental, o de financiar o desenvolvimento". Assinam o documento Anbid, Andima, Abrapp, Abvcap e Abrasca.

O IOF de 2% sobre o capital estrangeiro que quer investir em renda fixa no país equivale a reduzir o juro básico a 6,58%. Avaliada de outra forma, a medida impõe uma "quarentena" de 84 dias durante os quais o capital ficará sem remuneração.

_________________
"The future can be approached in two different ways, the way of prediction and the way of protection."
Benjamin Graham
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Gustavo_bl
Nível 4

Nível 4<br>




Registrado em: Quarta-Feira, 14 de Março de 2007
Mensagens: 1221
Localização: Porto Alegre - RS

MensagemEnviada: Qua Out 21, 2009 9:24 am    Assunto: Responder com Citação

A notícia abaixo saiu num jornal de economia aqui de POA, vale a pena dar uma lida para ter idéia dos efeitos nefastos que essa nova tributação poderá causar.

E um dos efeitos será levar parte dos recursos que vem para cá para a bolsa de nova iorque através das ADRs....


Foi uma péssima idéia....:

Citação:

Novo IOF vai arrecadar R$ 4 bilhões ao ano
Para Mantega, decisão não é arrecadatória, mas protege produção interna


O coordenador de Estudos da Receita Federal, Jefferson Rodrigues, informou ontem que, no cenário mais provável realizado pela Receita Federal, a taxação de 2% de IOF sobre a entrada de capital estrangeiro em renda fixa e bolsa deve gerar um aumento na arrecadação de R$ 4 bilhões por ano. Segundo ele, a Receita elaborou quatro cenários, considerando a hipótese de haver uma redução mais substancial do ingresso de capitais até a possibilidade de a medida ter um efeito quase nulo no ingresso de dólares no País. No entanto, a Receita não divulgou todos esses cenários.

Rodrigues disse que, no cenário mais provável, a Receita dessazonalizou a série dos últimos 12 meses e retirou as recentes aberturas de capital em valores muito altos, que distorcem a série e não necessariamente devem se repetir nos demais anos. Rodrigues avaliou que, pela média móvel dos últimos 12 meses, a Receita projetou um fluxo de entrada de capitais estrangeiros de US$ 12 bilhões a US$ 13 bilhões por mês. Com base nessa estimativa, a projeção é de um aumento na arrecadação do IOF de R$ 4 bilhões por ano. Para 2009, Rodrigues estimou uma arrecadação a mais de R$ 326 milhões por mês.

O subsecretário substituto de Contencioso e Tributação da Receita, Fernando Mombelli, destacou que a estimativa da Receita prevê uma redução no fluxo de ingresso de recursos no País em torno de 20%, num período de 12 meses. O efeito na arrecadação, este ano, ocorrerá a partir de novembro, já que a apuração é decendial, ou seja, os últimos dez dias de outubro já entram na arrecadação de novembro. A Receita fez questão de destacar que, em nenhum momento, participou da definição da alíquota de 2%. Segundo Mombelli, a alíquota foi dimensionada pela área econômica e com o objetivo regulatório para diminuir o ingresso de capital especulativo no Brasil.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem que a taxação não envolve uma preocupação com a arrecadação. "Este é um imposto regulatório e não arrecadatório", afirmou Mantega, sem revelar qual será o impacto da medida na arrecadação. O reiterou que o objetivo do governo com a taxação do capital externo foi equilibrar a entrada de recursos estrangeiros na economia brasileira e evitar excessos de modo a não causar uma bolha na bolsa, nem uma sobrevalorização do real. Segundo ele, o real em alta pode causar danos para a produção brasileira. "Daqui a pouco vamos estar importando tudo e não exportando nada e lá se vão os empregos brasileiros para fora", reiterou. Mantega disse acreditar que a decisão vai surtir o efeito desejado, mas que é preciso esperar um tempo para avaliar. "De qualquer maneira, colocamos uma espécie de pedágio para a entrada excessiva", afirmou o ministro.

Segundo ele, esse pedágio deve atenuar a entrada excessiva de recursos estrangeiros e a sobrevalorização do real. Ele ponderou, no entanto, que a medida não evitará que o real fique valorizado porque essa valorização, de acordo com o ministro, reflete a força da economia brasileira. "O Brasil hoje é uma economia forte e, portanto, a moeda também é forte, mas ficar forte demais estraga e acaba enfraquecendo o País porque acaba com a atividade produtiva", afirmou. Mantega insistiu que a medida deve alcançar o resultado esperado.

Efeito para aplicador pessoa física é limitado


A forte queda de ontem no Ibovespa, principal índice de ações da BM&FBovespa, deve se prolongar por mais alguns dias com os investidores ainda absorvendo a notícia da criação de um novo Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 2% para os investidores estrangeiros. "O mercado já esperava há tempos um motivo para realizar o lucro acumulado neste ano e a taxação foi o gatilho", avalia o gerente comercial da Gradual, Sidnei Malaman. Na segunda-feira o mercado acionário já reagiu ao anúncio. "No after market, as ações atingiram o limite máximo de baixa, de 2%", diz.

A medida afeta diretamente as aplicações dos estrangeiros - por criar uma barreira tarifária que diminui o prêmio desses investidores -, mas também traz consequências para o investidor pessoa física. Para os analistas, a possibilidade de redução no fluxo de estrangeiro para o mercado acionário pode estender o recuo visto ontem na bolsa no curto prazo. A médio prazo, porém, o efeito deve diminuir.

A economista da corretora Link, Marianna Costa, concorda. "Tem algum efeito nos primeiros dias, mas, a médio prazo, acho que não barrará a entrada de capital estrangeiro no Brasil, pois a atratividade do País ainda é muito alta", diz. A valorização da Bolsa no ano - de mais de 71% em reais e de 100% em dólares - também é apontada como um dos atrativos para a permanência dos estrangeiros.
A taxação causa ainda um segundo efeito sobre as aplicações das pessoas físicas, no que se refere às ofertas públicas. Na última onda de IPOs na bolsa, estrangeiros foram responsáveis por cerca de 70% da demanda na oferta. "Diria que 90% dos investidores pessoas físicas entraram nas ofertas para ter lucro no curto prazo, olhando, entre outras coisas, se a oferta estava atraindo estrangeiros", diz o gerente da Gradual.
Segundo ele, com o novo imposto, os investidores individuais podem se sentir inibidos em participar das ofertas, com receio de que a demanda estrangeira seja menor. "Com menos estrangeiros nos IPOs, o giro de negócios pode diminuir e deixar a oferta bem menos atraente", aponta o analista.

Investidor estrangeiro prevê migração aos ADRs da Bolsa de Nova Iorque[/b]

Gestores de recursos internacionais já alteram suas estratégias de investimentos no Brasil, a partir da taxação de 2% para o capital externo. Consultados na Europa, eles avaliam que os ADRs, negociados na Bolsa de Nova Iorque, roubarão novos fluxos da bolsa brasileira e que os recursos para a entrada em novos IPOs virão prioritariamente da venda de ações que já estão na carteira, o que pressiona o Ibovespa. "Os ADRs passarão a embutir um prêmio de 2% imediatamente", afirmou Lionel Bernard, administrador para a América Latina da Crédit Agricole Asset Management. "Será criada uma arbitragem entre Nova Iorque e o mercado local com base na taxação."
O novo IOF tem repercussão negativa especialmente entre os gestores de ações no exterior, que não contavam com a medida, aplicada à renda fixa e variável. Um gestor explicou que a criação do imposto traz problemas para a definição do valor das cotas dos fundos. Se a gestora permite que um novo investidor entre na carteira sem o pagamento de taxa adicional, acaba diluindo os demais participantes. Daí a necessidade de acertar essas questões logo cedo.

Apesar da avaliação generalizada de que a medida não terá eficácia para conter a valorização do real no médio prazo, especialistas dizem que o fluxo de recursos novos para o mercado de ações brasileiro tende a ser afetado. "Para o dinheiro novo terá impacto, o investidor vai pensar duas vezes antes de entrar", disse o diretor de um banco em Londres, que preferiu não ser identificado.

No caso dos IPOs, a opção será vender ações que já estão em carteira no mercado interno para fazer caixa e participar de novas ofertas. Conforme o diretor, isso é negativo porque pressiona os papéis e o Ibovespa. "Provavelmente, não deixaria de entrar nos IPOs, mas farei troca de ações internamente para não pagar o imposto", adiantou Bernard, do Crédit Agricole.

Para os investidores que querem trazer novos recursos ao País, a estratégia terá de ser de longo prazo, afirmou Henry Stipp, estrategista para emergentes do Threadneedle Investments, em Londres. "Isso aumenta as incertezas e será preciso fazer hedge." Na avaliação de um executivo financeiro, o ganho acumulado de quase 80% pelo Ibovespa neste ano dá motivo para realizações de lucro no curto prazo.

Taxar capital externo só tem efeito temporário, afirma diretor do FMI

A cobrança de um imposto sobre as aplicações de estrangeiros, como o que está sendo fixado pelo governo brasileiro, fornece apenas alguma proteção contra a valorização cambial e tende a perder efetividade com o tempo, disse Nicolas Eyzaguirre, diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Indagado sobre a taxação do capital externo aplicado em renda fixa e em renda variável, com a alíquota de 2% do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), anunciada pelo governo brasileiro, Eyzaguirre afirmou que duas questões devem ser levadas em conta.

"Primeiro, que esses tipos de impostos propiciam alguma margem de manobra, mas não muita, de modo que os governos não devem cair na tentação de adiar outros ajustes", disse Eyzaguirre, ex-ministro de Finanças do Chile. "Segundo, é muito complexo implementar esses tipos de impostos, porque eles têm de ser aplicados a todos os instrumentos financeiros possíveis", acrescentou. De acordo com Eyzaguirre, esses impostos mostraram-se porosos ao longo do tempo em vários países.

[b]
BM&FBovespa estuda propor ao governo cobrança de imposto na saída

A BM&FBovespa ainda espera convencer a equipe econômica do governo federal a reverter a cobrança do Imposto sobre Operações Financeira (IOF) sobre o capital externo aplicado em renda variável. O diretor-presidente da companhia, Edemir Pinto, afirmou que irá conversar na quinta-feira com o ministro Guido Mantega sobre o assunto. Caso o apelo não tenha efeito, o executivo apresentará proposta de ajustes no decreto que estabelece a cobrança. A proposta ainda não está finalizada, mas ele deverá sugerir ao governo que a incidência da alíquota de 2% ocorra na saída dos recursos estrangeiros aplicados na bolsa.

Para Edemir Pinto, a medida pune todos os investidores estrangeiros, inclusive aqueles que pretendem deixar os recursos aplicados no longo prazo.A BM&FBovespa deve propor também uma tabela regressiva para a cobrança do imposto de modo a isentar o estrangeiro que deixasse o recurso aplicado no longo prazo. Por exemplo, a alíquota seria de 2% para os investidores que deixassem os recursos na bolsa por até 90 dias e iria caindo de acordo com a permanência da aplicação no Brasil e, passado um determinado momento, seria zero.



COMENTÁRIO(S)

_________________
"The future can be approached in two different ways, the way of prediction and the way of protection."
Benjamin Graham
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Responder Mensagem    Clube do Pai Rico - Fórum - Índice do Fórum -> Notícias Todos os horários são GMT - 2 Hours
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Enviar Mensagens Novas: Proibído.
Responder Tópicos Proibído
Editar Mensagens: Proibído.
Excluir Mensagens: Proibído.
Votar em Enquetes: Proibído.








Junte-se a nós e cresça financeiramente. Eduque-se Financeiramente !!


Powered by phpBB © 2001, 2002 phpBB Group
Traduzido por: Suporte phpBB
Header design *Ícaro Pablo*