Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Por que as coisas que compro duram tão pouco ?

 

Quem nunca ficou revoltado ao comprar aquele equipamento elétrico/eletrônico, ou aquele utensílio doméstico, tão desejado, que quebrou – ou simplesmente parou de funcionar – pouquíssimo tempo após você ter aberto a embalagem e começado a usá-lo ?

Neste momento nos lembramos da casa de nosso avós, onde muitas coisas que lá existem foram compradas no momento em que eles se casaram. Será que alguma coisa mudou de lá pra cá ?

Assista o vídeo abaixo e chore …

E então, no mínimo revoltante, não é mesmo ? Eu já conhecia essa lâmpada “eterna”, mas achava que ela era apenas uma exceção à regra … (a foto abaixo foi tirada há poucos segundos – é uma câmera em tempo real, se der “reload” na página verá que foi atualizada e poderá até mesmo notar a movimentação no ambiente onde ela está instalada)

Já imaginou poder comprar as coisas apenas quando realmente quer e não quando as “circunstâncias” exigem ? Esse é um dos motivos apresentados pelos fabricantes para que o produto tenha uma vida útil já pré-determinada de fábrica, pois desta forma existiria uma garantia de que as pessoas continuariam consumindo seus produtos, caso contrário o sistema entraria em colapso e mais nada seria como estamos acostumados.

Será ? Será que ninguém nunca mais trocaria o celular … porque ficou obsoleto ? Ou a televisão por um modelo maior ? Ou a impressora apenas porque deseja uma com uma resolução melhor, mais rápida ou que o custo da tinta seja mais em conta ? Será mesmo que o que move a economia é somente a reposição dos produtos quebrados e não o interesse dos consumidores na qualidade/novidades dele ?

Poderiam argumentar que desta forma não atingiriam o nível de “economia de escala” e com isso os produtos seriam mais caros e blá blá blá … acho que não, pois se forem produtos bons, muitas pessoas comprarão e o volume atingiria sim o necessário para termos a redução de custos que a economia de escala nos oferece.

Falando sobre impressoras … que sacanagem o esquema da contagem do chip para limitar o número de impressões, hein? Poderia imaginar planos mirabolantes, mas nesse nível … “tiro o chapéu” para quem bolou e para a empresa que aceitou implantar isso em seus produtos … Mas deixe-me contar um caso que ocorre comigo e acredito se encaixar no cenário apresentado. Quem acompanha o Clube no twitter já me viu comentando sobre o que vou falar.

Compramos lá para o escritório uma impressora HP K8600, pois precisamos imprimir em A3 (tamanho de papel maior). De início é show de bola: a qualidade da impressão é ótima, a velocidade é impressionante e tudo ia bem. Até o momento em que um dos tubos de tinta, um dos coloridos, acabou. Achei estranho … pois lá usamos apenas a impressão preta. (a colorida nunca era usada, estava lá, mas sem ser usada …)

Bom … ok … acabou, mas como nós não usamos não teria problema, permaneceria imprimindo em preto e tudo bem. Será ? Não … essa impressora exige que você tenha carga em todos os cartuchos da impressora. (3 coloridos e 1 preto) Isso mesmo, a impressora não funciona caso você não deixe todos os cartuchos em dia … 😯

Ok, fui lá, comprei a tinta que havia acabado (ainda sem entender o motivo disso …) e coloquei na impressora. Voltou a funcionar, maravilha ! Mas … o tempo passou, os outros 2 cartuchos coloridos acabaram (ao mesmo tempo) e a novela se repetiu, o equipamento só voltaria a funcionar caso eu fizesse a troca por cartuchos cheios … Troquei. (desta vez um pouco mais estressado …)

Adiante um pouco o calendário, e 3 meses depois de terem sido trocados os cartuchos estavam vazios mais uma vez. Mas como !?!? A impressão colorida permanecia não sendo usada !!! O cartuchos foram consumidos num passe de mágica ! 😯

Pensei … pensei … pensei … e cheguei a uma conclusão: sabe como a tinta estava sendo usada ? Sempre que a impressora fazia a limpeza dos “bicos injetores” do cartucho um pouco da tinta era jogada fora, naquela esponja apresentada no vídeo. Legal, não é mesmo ? A própria impressora se garantia de que a tinta seria consumida, que você precisaria efetuar a compra de um novo cartucho, e para reforçar essa garantia só aceitaria funcionar se a tinta vazia fosse trocada. MUIIIITOOO bom ! #NOT !!

Infelizmente a troca não está nos planos … pois ela nos custou “apenas” R$ 1.000,00 (e o custo dela ainda está sendo diluído, hehehe) e são poucas as opções que imprimem em A3. O custo de “existência” da impressora é de R$ 50,00/mês! “Sem ser usada !!”

Este é apenas um exemplo da programação de fábrica para que precisemos consumir os produtos, que nos “obriga” a isso, mas como foi o mais atual, foi esse que dividi com você. Agora eu gostaria de ver a opinião de vocês, e se possível um exemplo de obsolescência programada que você tenha presenciado.

Ah ! Mais um pedido ! Não deixe de dividir o post com seus amigos, via facebook e twitter. As ferramentas de compartilhamento estão ai embaixo. Acredito que conhecer isso ajudará – quem sabe – na mudança disso …

(vi no: Ovelho)