Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Venda de PUT “com problemas” …

O post é de dezembro de 2014, e não é a nossa realidade atual … Mas como sempre digo: é melhor estarmos preparados para o que pode vir a ocorrer ali na esquina, antes que estejamos nela. 😉

Leia e saiba como se comportar caso isso venha a acontecer com você. 🙂

—–

Nas últimas semanas venho recebendo uma mesma pergunta repetidas vezes. Os “atores” e “quantidades” variam um pouco, mas o “problema” é o mesmo: após fazer o lançamento de opções do tipo PUT por algumas vezes, com sucesso, o mesmo já não vem ocorrendo … E o pior, em muitos casos as pessoas estão “presas” em séries muito altas.

Como apresentei no post “Quer comprar ações com desconto ?” a estratégia de lançamento de opções do tipo PUT é ideal para quem visa a criação (e ampliação) de uma carteira de longo prazo (do tipo Buy & Hold), pois possibilita a compra de ações por um preço abaixo do oferecido no mercado e por causa da natureza do investidor B&H, ela já possuiria a “preparação” necessária para ver a cotação de uma ação comprada lá em cima com valores mais baixos.

Além disso, mostrei também, no post ““Renda Fixa” com opções – PUT” que a pessoa poderia ficar rolando a posição vendida nestas opções, de uma série para a outra (sempre para a série do mês seguinte ao da que tem em mãos), fazendo desta forma uma taxa que rentabilizaria a operação, num valor bem interessante. 🙂

Mas as semanas que vieram após a definição da eleição presidencial parecem ter trazido um “pesadelo” para quem adotou esta estratégia … As quedas foram generalizadas e fortes. Se olharmos especificamente para as ações que oferecem os mercados de PUTs mais líquidos então … Sim, estou falando de VALE5 e PETR4 … 😯

A queda nestas duas foi grande, muito grande, e dependendo da série escolhida para a venda o investidor pode estar meio “perdido”, sem saber o que fazer. Por quê ? Lembra que a PUT se valoriza conforme o mercado cai, correto ? Portanto … opções que foram vendidas por R$1 … R$2 … estão valendo R$6 … R$7 … no dia de hoje. Como lidar com um prejuízo desta ordem ?

O que fazer ?

Existem poucas alternativas na verdade … o que – querendo ou não – acaba “facilitando” um pouco a nossa tomada de decisão. Mas quais são elas ?

1) Recomprar a opção vendida

Esta é a mais tradicional de todas … você vai aceitar o prejuízo acumulado até o momento e se preparar para uma nova oportunidade. Provavelmente tome esta decisão se acredita que as quedas ainda estão longe do fim, que a cotação ainda pode cair muito mais do que já caiu, que prefere se “contentar” com a perda que tem até agora do que ver a coisa piorar ainda mais …

Mas, acredite, você pode ser impossibilitado de adotar esta saída. Dependendo da opção que vendeu, da distância do strike dela para a cotação atual, pode não encontrar um vendedor disponível no mercado. Em opções de PETR4 e VALE5 pode ser algo “raro” (e precisaria ser de uma opção MUITO ITM)

2) Rolar a posição para a série seguinte

Essa solução é a base da estratégia “Renda Fixa com opções – PUT“, mas também corre o risco de ser afetado pela ausência de um vendedor na série atual (ou de um comprador na seguinte …), como na proposta anterior.

Se a opção estiver MUITO ITM ainda existe o risco de vermos um valor muito baixo sendo pago pela rolagem ou até mesmo um valor negativo, fazendo, desta forma, que haja um desembolso por parte do investidor.

É a solução ideal caso você acredite que a possibilidade de reversão se aproxima, ou se o valor obtido com as rolagens lhe satisfaz. (até mesmo um pequeno custo de rolagem poderia vir a justificar a adoção dela)

3) Deixar ser exercido

Este seria o “pior” cenário – dependendo do ponto de vista, claro. 🙂

Seria necessário ter o valor integral para a compra das ações subjacentes à opção vendida (no caso de ser exercido em uma PUT o lançador precisa comprar a ação pelo preço do strike dela), mas se você montou a operação com nível de alavancagem zero, ou seja, tendo 100% do valor já reservado, não é “problema” algum.

A 3ª alternativa acabaria sendo a única para o caso de não haver a liquidez necessária para a adoção de uma das 2 anteriores.

Ao adotar esta solução a pessoa ficaria com as ações em sua carteira, passando a operá-las da forma que considerasse mais adequada.

Mas qual é o real “problema” com a estratégia ?

O principal, e real problema dela seria o investidor ter dado início a ela com um pensamento “errado” em cabeça, criando uma expectativa distorcida, onde não fosse incluída a possibilidade de perda/erro. Infelizmente muitos entram desta forma …

Mas, a meu ver, o maior de todos os “problemas” está relacionado com a falta de visão de longo prazo desta estratégia. Se você está incluído neste grupo, precisará repensar seus conceitos antes de voltar a realizar a operação.

Mas me diga, e você, tem alguma outra estratégia para “consertar” o investimento em caso de erro na operação ?

Você está prestando atenção ?

O que vou falar para você agora, vi no livro que estou lendo neste momento:

Algo simples … MUITO simples, mas que permite que testemos o quão atento você é. Ou melhor, o quão atento você está às coisas que estão acontecendo ao seu redor.

Preparado ? São apenas 5 perguntas. Preciso que você responda cada uma delas, na ordem proposta, sem pular para a próxima antes de responder a atual. Preciso que você seja sincero, pois se você ler a pergunta seguinte, antes da hora, estraga completamente o teste e você não poderá se conhecer melhor.

Combinado ? Posso contar com a sua participação ? Então vamos lá !!

#1 Sem olhar, diga-me se seu relógio possui algarismos romanos ou arábicos, ou talvez traços ou pontos.

 

 

 

 

#2 Há algo de diferente na posição três ou seis em seu relógio ?

 

 

 

 

#3 Seu relógio tem ponteiro de segundos ?

 

 

 

 

#4 O ponteiro de segundos se move em intervalos ou continuamente ?

 

 

 

 

#5 Por fim, que horas são ?

Pronto ! Viu ? Mais simples impossível … 🙂

Agora me responda: quais foram as respostas que você deu, corretamente, sem olhar para o relógio ? Você acertou a hora ? (que, a meu ver, é a pergunta mais importante de todas). E ainda, de forma 100% honesta: você olhou para o seu pulso, mesmo não usando relógio ??

Use os comentários do post para compartilhar comigo as tuas respostas. Eu quero saber, de verdade, o que aconteceu contigo.

Quais foram as minhas respostas ? Não uso relógio há anos !! 😀

“Estamos sobrecarregados”

Dizem que o cérebro humano recebe milhões de estímulos a cada segundo. Mas que processamos apenas algumas dezenas simultaneamente.

Sim, até pode ser … Mas muitos se esquecem da quantidade de decisões que tomamos automaticamente, sem cogitar processar a informação que nos foi passada. Coisas que realizamos diariamente, muitas vezes várias vezes ao dia, de tão repetitivas, acabam sendo feitas sem que precisemos “perder tempo e energia” (de processamento) com elas.

Ok … Vivemos num período em que recebemos uma verdadeira overdose de informações. E informações novas. É impossível darmos a devida atenção a tudo o que acontece ao nosso redor. Mas, em muitos casos, deixamos de lado coisas que deveriam ser priorizadas.

O exemplo do relógio é um exemplo simples. Até mesmo bobo. Nós queremos saber o que queremos saber naquele momento, naquele instante. “Me aprofundar neste tema, pra quê ? Não me importa agora … Quando precisar, procuro.” Quantas vezes você já ouviu, ou até mesmo falou isso ?

Estamos vivendo um período da nossa história onde só o AGORA importa. Focar em uma atividade é cada vez mais difícil para grande parte da população, e isso é usado como muleta em muitas situações. 🙁

Eu sei que é difícil, neste momento em que escrevo esse texto, alterno as janelas entre Twitter e cotações da Bolsa. Mas precisamos (re)aprender a focar, a dar atenção ao que precisa de nossa atenção. Nem que seja por um breve momento …

O resultado do teste acima pode ter te surpreendido. Que tal compartilhar este post com seus amigos e familiares, para ver como eles se saem ? Lembre-se de pedir para que respondam uma pergunta por vez … Que foquem uma pergunta por vez. 😉

Feliz Ano Novo !! Feliz 2019 !!

É … aquele velho papo de sempre: o ano, no Brasil, só começa depois do Carnaval … 🙁

Sim, eu sei que para muita gente é assim que as coisas funcionam. Muitos insistem em esperar o Carnaval passar para começar a se mexer e ir atrás das coisas.

Muitos setores da economia só começam a botar em prática os planos do ano, depois do Carnaval.

A nossa política só começa a se mexer, depois do Carnaval !! E olha que estamos precisando deles mais do que nunca para aprovar importantes reformas.

Mas … por mais que a frase tenha muitos exemplos positivos, sei também que MUITA gente aproveita estes dois primeiros meses para ganhar vantagem sobre os que se jogam nas cordas e usam a muleta do Carnaval para não fazer nada.

Quer ver ? Me diga: o que você já fez de produtivo nestes 2 primeiros meses do ano ? De que forma você aproveitou estes 60 dias, e que muitos insistiram em deixar de lado ?

Eu sei que eu já fiz muita coisa:

  • retomei o hábito da leitura;
  • planejei as metas do ano;
  • tracei o rascunho de 2 novos cursos;
  • aproveitei a praia com a minha família
  • etc etc etc

Não é porquê eu FIZ algo de produtivo que eu deixei de aproveitar ! 😉

Muita gente, como eu disse, usa o “o ano só começa depois do Carnaval” como muleta. Deixa tudo para depois, só porque os outros também deixam …

Pô ! Não era para ser justamente o contrário ? Não era para você aproveitar o tempo livre, com tudo parado, para botar a casa em ordem, fazer a lição de casa,e depois colher os frutos ? Você teria uma vantagem de 2 meses em relação aos outros …

Você já poderia estar colhendo, enquanto os outros ainda estariam apenas plantando … 🙂

Sério ! Esqueça essa história do “o ano só começa depois do Carnaval” !! Se querem pensar assim, que pensem. Mas você, que já assumiu às rédeas da sua vida, não ! Se, por acaso, você fez isso neste ano, se está esperando o Carnaval passar para se mexer, assuma o compromisso de que em 2020 as coisas serão diferentes. Combinado ?

E digo mais: para você ver o quão produtivos estes últimos 60 dias teriam sido, faça uma lista de tudo o que você pensou em fazer, mas que acabou adiando para depois …

Te garanto que você irá ficar surpreendido … !! É muita coisa ! É muito tempo !! MUITO, muito tempo !!

Esquece o “só depois do Carnaval” e se mexa !! 😀

Opera com travas ? Abra o olho …

pequeno gafanhoto - kung fu

O nosso mercado de opções vem passando por uma série de mudanças nos últimos tempos. Alguém se lembra que há “pouco” nosso vencimento era bimestral ? E que as PUTs não tinham praticamente liquidez alguma ? E que a formação básica das séries de opções era do tipo americano ? É … percebeu que a cada vencimento temos mais e mais opções do tipo europeu ?

Sim, é sobre esse “detalhe” que quero falar. 🙂

Modelo Americano

A principal característica do modelo americano é: o portador da opção pode exercê-la a qualquer momento. Não importa quanto tempo resta para o vencimento, não importa o valor, não importa nada. Se o portador (quem comprou a opção) desejar, ele poderá exercer.

Modelo Europeu

A principal característica do modelo europeu é: o portador da opção pode exercê-la somente no dia do vencimento. Isso … não importa que a opção não apresente liquidez para o desmonte da operação, não importa se ela já não tem um único centavo de gordura, não importa nada. O portador (quem comprou a opção) só poderá exercer o seu direito no dia do vencimento.

E o que isso tem a ver com as travas ?

Pequeno gafanhoto … pare e reflita por apenas alguns segundos … Tenho certeza que você chegará na conclusão desta questão.

Qual a principal vantagem de uma trava ? Você sabe, desde o início, qual será sua perda máxima em sua operação. Sim, desde o início. Afinal você sabe quanto precisará desembolsar para entregar as ações exercidas, bem como o valor recebido por elas. Um exemplo prático. Caso lance (venda) PETRC299 e trave (comprando) com PETRC309.

Você receberá (caso seja exercido) R$29,25 para cada opção exercida. Como está travado na C309, poderá exercê-las, pagando R$30,25 para cada opção em seu poder. Claro, estamos assumindo que o valor da ação exija que você faça isso, digamos … com a cotação a R$32. (assumindo também que não é mais válido comprar o papel no mercado, vender a C309, para obter sua gordura, etc etc etc)

Se o exercício acontecesse com a cotação abaixo dos R$30,25 você simplesmente compraria as PETR4 no mercado, venderia as PETRC309 e teria um prejuízo menor do que os R$1 (limite) da trava.

A parte boa é que isso pode ser feito a qualquer momento, afinal as duas são do tipo americano … Pronto, agora você entendeu onde quero chegar. Não ? 🙂

Sim, me diga … o que aconteceria, caso você fosse exercido há uma semana do vencimento e tivesse em mãos, uma operação com ponta travada do tipo europeu ? É … não poderia exercer esta opção antes do dia do vencimento. Sim, você teria uma trava que não trava por completo … Afinal existe o risco de ocorrer uma janela entre o exercício e o dia do vencimento em si.

Sim, eu sei que o exercício antecipado não é algo muito comum … Mas acontece. Eu já fui exercido antecipadamente umas 2 ou 3 vezes. (em mais de 15 anos operando com venda de opções) Parece pouco ? Mas o “pouco” pode lhe trazer muita dor de cabeça caso aconteça …

Portanto …

Na hora de montar sua trava, preste atenção se a ponta comprada dela é do tipo americano. É de fundamental importância que seja. A não ser, é claro, que a ponta vendida também o seja … 😉

Um pequeno detalhe … mas que pode te livrar de uma bela incomodação. 😀

Pense: você precisa, MESMO, de um 2º carro ?

Nunca foi tão fácil comprar um carro, seja por uma redução de impostos (IPI), ou pela facilidade de obtenção de crédito (o governo “convidou” seus bancos à oferecerem crédito, às vezes até mesmo para quem – em teoria – não poderia recebê-lo). Ok, quem sabe em 2009 tenhamos tido uma situação semelhante, só não estou muito bem lembrado se a parte do crédito estava que nem hoje. (especialmente a taxa de juros ofertada)

Não temos como negar o fato de que o brasileiro – em geral – é um apaixonado por carros, competindo até mesmo com o futebol. O fato já foi amplamente explorado por diversas campanhas publicitárias que retratava a realidade de muita gente.

Mas … será que um segundo carro é realmente necessário ? Será que ele fará alguma diferença em sua vida ? Certo, alguma eu sei que fará, mas será que fará a diferença que este segundo carro lhe custará ?

Tenho a certeza de que a sua resposta será sim, mas não custa nada perguntar … Você já fez um cálculo para ver o custo que este segundo carro impõe ao seu orçamento ? Levou em consideração todos os pontos ? O que acha de fazermos um exercício em conjunto, na tentativa de levantar “todos” estes gastos ? Vamos lá !

1- Custo do carro em si; (seja novo ou usado; sem esquecer da depreciação do valor do automóvel !!)

2- Combustível; (estacionamento, podemos também incluir o pedágio neste item ou quer quer criemos um novo ?)

3- Manutenção; (troca de óleo, lavação, troca de pneus velhos, revisões, consertos de pequenos amassados/arranhões, etc …)

4- Seguro;

5- IPVA; (incluindo multas … valeu pela lembrança leoh ! 🙂 )

6- Custo de oportunidade; (afinal se não tivesse comprado o carro poderia usar o dinheiro em alguma outra coisa, de preferência em algum investimento, hehehe 🙂 )

7- Custo da vaga de garagem extra (opa !!! Não havia pensado neste item até agora ?)

Bom … que eu consiga me lembrar, estes são os custos atrelados a um carro. Mais algum ? (use o espaço de comentários para sugeri-los, pode ser ?)

Na maioria das vezes as pessoas pensam somente no custo do carro em si, fazem algumas contas básicas para ver se há a possibilidade de compra. (se for comprado à vista, existe o dinheiro em caixa?, se for financiado, a parcela se encaixa em meu orçamento ?) E se esquecem de outros custos, básicos, como combustível !!! Seguro ? Na maioria dos casos é uma raridade … Manutenção ? “Troco o óleo e olhe lá !” IPVA ? Já viu como estão os pátios do Detran/PM ? Lotados de carros e motos apreendidos pelo não pagamento do imposto. Custo de oportunidade ? “É … se não tivesse comprado o carro dava para ter feito muita festa …” 😯

Mas um ponto que pouquíssimas pessoas levam em consideração é o custo da vaga extra de garagem. Já fez um levantamento, em sua região, de quanto custa uma vaga de garagem ? Se for de aluguel, provavelmente ficará na faixa dos R$ 200~300 … Mas e se for comprada ? Aqui em Floripa elas custam, em média … R$ 60.000,00 !!! (é … um espaço de 12m² custa quase o preço de um apartamento inteiro !) Já está fazendo as contas de como isso afetaria o seu orçamento ? (essa grana, na poupança, renderia quase R$350,00/mês …)

Eu tomei uma decisão importante …

E já faz algum tempo. 🙂

Desde que vim morar no centro (enquanto estava na praia, 35km do centro, ainda mantinha o segundo carro, mas para “emergências”), onde posso fazer praticamente tudo a pé, mas se precisar posso pegar um táxi ou um amarelinho (ônibus executivo, com ar condicionado, som ambiente/TV, poltronas confortáveis, onde ninguém vai em pé, que para em qualquer ponto solicitado – não precisando ser um ponto de ônibus), estou com apenas 1 carro em casa. É mais do que suficiente ! Ele deve passar – ao menos – 80% do tempo na garagem. Pra quê teria um outro carro então ? 😯

Já sei … você argumentará que o segundo carro é necessário, pois você trabalha em um lugar e sua esposa (seu marido) em outro, ou que os horários são diferentes … Mas será que é tããão diferente assim ? Será que não haveria um ponto em comum aos dois, em que apenas uma parte do caminho fosse percorrida de outra forma, ou que apenas alguns minutos a mais (ou a menos) fizessem que os dois saíssem juntos ?

Sim, eu sei que é uma “comodidade”, que não adianta nada trabalhar, trabalhar, trabalhar e ficar “sofrendo” pela ausência do carro extra. Mas … será que você tem realmente a capacidade financeira de arcar com este outro carro ? Seu orçamento apresenta um Fluxo de Caixa positivo ? E esta sobra é na faixa dos 50% de seus ganhos ? (sim, exagerei um pouquinho, hehehe)

Pare. Pense. Reflita. Você precisa – de verdade – de um segundo carro ?

ps: esse post foi originalmente publicado em 2012, quando ainda não tínhamos serviços de transporte como UBER e 99 … Portanto, você deve imaginar como a decisão ficou ainda mais difícil de ser tomada agora, não é mesmo ? 😉