Clube do Pai Rico

Dúvidas “básicas” sobre o uso de Opções

Recebi algumas perguntas de um dos alunos do Double PUT Double CALL, sobre a 1ª parte do curso (a base teórica sobre Opções), e achei que seria interessante compartilhar as respostas aqui no Clube. Pode ser que elas também sejam as tuas dúvidas. 😉

Ola Ze boa tarde!!!!
Sou novo neste mundo de opções, portanto minhas perguntas podem ser um pouco básicas.

Dei uma olhada nos vídeos do modulo 1 e 2 e compilei algumas perguntas para meu melhor entendimento do assunto, segue abaixo as perguntas:

1- No caso de uma opção que eu queira ser exercido, eu posso entrar em contato com minha corretora 1 ou 2 dias antes da data final ou apenas na data de vencimento? caso seja na data de vencimento, esse contato pode ser feito até o fechamento do mercado?

Fiquei meio confuso quanto a venda de opções seja ela call ou put = Ficar negativo na carteira.

2- Para eu fazer uma operação de venda de CALL (Ficar negativo) eu preciso ter a ação relacionada a call na minha carteira? (pelo o que entendi neste caso eu estou vendendo o direito de alguem comprar minhas ações em uma determinada data e valor) seria isso mesmo?

3-Não entendi muito bem o lance de vender uma put (Ficar negativo) Poderia me dar um exemplo? esta operação não teria o mesmo sentido de comprar um CALL?

Outro ponto que fiquei em duvida foi quanto as opções Americanas.

4- Caso eu compre uma CALL do tipo americana, eu posso exercer a compra da ação antes do vencimento no valor do strike? Ou apenas o vendedor da CALL tem o direito de me forçar a comprar as ações referente a CALL com o preço de strike no dia que ele achar adequado? O mesmo se aplica para PUT?

A outra é sobre IMPOSTO DE RENDA

5-Caso uma opção vire pó, como faço para colocar isso no meu imposto de renda?

Fico no aguardo de resposta.

Gabriel

 

Fique tranquilo Gabriel, são dúvidas comuns sobre o tema. Afinal de contas, o mundo das Opções apresentam algumas particularidades que acabam fugindo um pouco da “lógica” que aprendemos na Bolsa. 😉

 

#1 Se é uma opção que você quer ser exercido, precisará “torcer” para que alguém te exerça. 🙂

Para que você seja exercido, você precisa estar vendido em uma opção. Lembra ? Essa venda te traz a obrigação de cumprir o contrato de compra/venda da ação, de acordo com o tipo de opção vendida. (CALL ou PUT)

Você só será exercido se houverem condições de mercado para tal. Falei sobre isso no post: “Como funciona o exercício de opções ?

Agora, se você quiser exercer a sua compra, o seu direito de exercício, sim, poderá avisar a sua corretora sobre essa “vontade”. Algumas corretoras permitirão que seja feito somente no dia do exercício em si (seja ele o vencimento da série, ou no meio do caminho se for uma Americana), outras que apresentam um atendimento mais próximo dos clientes, aceitam que o aviso seja feito com antecedência e “anotam na agenda”. 😉

Sobre o limite para que solicites o exercício, ele é até às 15h do dia do vencimento daquela série.

Lembrando que agora, depois da mudança nas regras do exercício de Opções na B3, o exercício ocorre automaticamente, no final do dia do vencimento da série, se a sua Opção estiver ITM. Mesmo que apenas 1¢ ITM. 😉

 

#2 É, a venda de opções, ou melhor o lançamento de opções (que é o processo de vender aquilo que você não tem), é algo “estranho” ao universo das ações. Quem investe com contratos futuros já conhece o procedimento, pois lá ocorre da mesma forma.

Sim, o lançamento de uma opção é a venda daquilo que você não tem. Seja uma CALL ou uma PUT. Lembra da venda de ações alugadas ? Seria algo parecido … mas sem a necessidade de alugar para ter o que entregar.

Você lança literalmente o que não tem, ficará como uma posição negativa na sua carteira de ações, indicando a venda/lançamento.

A opção que você lança é literalmente criada do nada e isso te permite fazer a operação na expectativa de ganhar com a queda na cotação dela. 😉

Você pode lançar uma opção de forma coberta, que seria a venda de uma opção que você tem a ação subjacente em carteira; ou de forma descoberta, sem ter a ação. Neste caso haveria a chamada de margem de garantia para cobrir essa venda. (literalmente garantindo com dinheiro caso dê errado)

 

#3 A venda de PUT é bem simples. 🙂

Indico a leitura do post “Quer comprar ações com desconto ?“, pois lá detalho para o que serve essa operação. 😉

E sim, a venda de uma PUT tenta se beneficiar do mesmo movimento que beneficia a compra de uma CALL. A diferença básica é que na venda de PUT você recebe dinheiro para montar a operação, enquanto na compra de CALL você precisa injetar dinheiro na operação para depois tentar obter lucro. 😀

 

#4 Isso mesmo ! 🙂

As opções do tipo Americana te permitem exercer o direito adquirido com a compra delas a qualquer momento, sem a necessidade de esperar pelo dia do vencimento. 😉

Lembrando: o vendedor possui obrigações, e o comprador de uma opção possui direitos. Quem tem poder de “forçar” alguma coisa é quem compra uma opção. Quem a vende precisa atender às demandas de quem comprou a opção.

Mas não … para as PUTs essa regra não vale. Motivo ? Só existem PUTs do tipo Europeu no mercado brasileiro. 😀

 

#5 Se a opção virar pó, basta que você informe que:

– Se comprou a opção, perdeu R$xxx com a compra. Se você gastou R$300,00 na compra e ela virou pó, você perdeu esse dinheiro. Digamos comprou por R$0,30 e ela passou a não valer mais nada no fim do exercício … Você perdeu todo o dinheiro injetado na operação.

– Se vendeu a opção, ganhou R$xxx com a venda. Se você recebeu R$300,00 na venda e ela virou pó, você ganhou esse dinheiro. Digamos que vendeu por R$0,30 e ela passou a não valer mais nada no fim do exercício … Você ganhou todo o dinheiro obtido na montagem da operação.

Lembrando que para os resultados obtidos com opções não temos direito ao limite de R$20 mil para nos isentar do Imposto de Renda sobre os lucros … 🙁

Espero ter te ajudado e te aguardo nos próximos módulos do Double PUT Double CALL !! 😀

Abraços !

Qual é o risco de um short Straddle ?

Pergunta:

Fala Zé, primeiramente obrigado pelo retorno na dúvida anterior…Entretanto, agora tenho uma nova dúvida…

– Efetuei uma venda de CALL, europeia, pelo strike de 10,20 com vencimento em 19/04/2024

– Efetuei uma venda de PUT, europeia, pelo strike de 10,20 com vencimento em 19/04/2024

Tenho as ações caso seja exercido na CALL e tenho o valor de margem para segurar até a data. No final deste mês (março) terei o valor para comprar as ações caso seja exercido.

Neste cenário, qual o risco que corro nesta operação?

Resposta:

Opa ! Tudo certo Eduardo ? 🙂

Tu fez um short Straddle ! 😉

Como já falei em outras ocasiões, não curto o short Straddle puro e simples … Motivo ? Umas “pontas” não recebe todo o “carinho e atenção” que merecia. 😀

Se você lançar após uma alta, “beneficia” a CALL. Se você lançar após uma queda, “beneficia” a PUT.

Mas consegues ver que a outra estará em desvantagem ?

Agora voltemos à tua dúvida. (continuamos o papo em outra ocasião)

O maior “risco”* é que você venha a ser exercido nas duas. Tanto na CALL quanto na PUT. E sim, é possível que isso ocorra …

Por mais que a “nova” regra da B3 diga que serão exercidas, automaticamente, apenas as Opções que estiverem ITM por ao menos 1¢, nada impede que alguém faça a solicitação do exercício ATM, por exemplo. Ou então, um exercício literalmente manual, dentro do período permitido. (que vai até às 14h45mim – neste momento, pois a B3 muda a agenda do dia do vencimento ~de vez em quando)

Então, neste “pior”* cenário, você precisaria entregar as ações, pelo exercício da CALL, e comprar as ações, pelo exercício da PUT. E sim, não precisaria fazer nada … pois um exercício “anularia/equilibraria” o outro. 😉

Só terias o custo dobrado pelos dois exercícios.

Esse é um cenário BEM específico, e por que não dizer que é difícil de acontecer ?

O mais comum será ocorrer o exercício da CALL, ou da PUT. (de novo) Dificilmente o das duas Opções ao mesmo tempo.

– “Mas Zé, eu poderia recomprar as duas no dia do vencimento e não correr o risco de ser exercido em nenhuma delas.”

Lembra que mesmo se recomprar você ainda poderá ser exercido ?

E mesmo assim as duas, CALL e PUT, ainda estariam valendo alguns centavos. O que tiraria parte do prêmio da operação. 😉

* Então, o “pior” cenário seriam as duas sendo exercidas. E sim, esse é o sonho de todos que montam esta operação estando cobertos. 😀

Mas, de verdade, como disse no início, a operação sempre “atrapalha” uma das duas Opções. Ocorrer o exercício da dupla é algo MUITO raro. Então, sempre (sim, acho que dá para generalizar deste jeito) teremos uma das duas Opções sendo exercidas … E acho que este é o maior (e verdadeiro) problema de um short Straddle.

O que muitos fazem para melhorar um pouco a situação da operação, é montar um short Strangle. Recebe um pouco menos, mas gera mais área de manobra para o Sr Mercado. 😉

Já aqueles que montam um short Straddle “descoberto” … 🙄

Espero ter te ajudado ! 🙂

Leituras importantes e complementares:

Opções – O que é um Straddle ?
O vencimento de Opções após as mudanças nas regras do exercício
Opções | ITM – ATM – OTM
O que acontece se eu recomprar a Opção no dia do vencimento e for exercido ?
“Como assim eu fico vendido e comprado na Opção ao mesmo tempo ?!”

O tema te interessa ? Você tem vontade de investir com Opções ? Te convido a conhecer o Double PUT Double CALL, o meu curso de Opções ! Será um prazer lhe ajudar neste processo de aprendizado !! 😀

Abraços !

Os prêmios entrarão nas contas, de forma líquida ou bruta ?

Pergunta:

Oi, Zé! Estimo que esteja bem.

Lendo este post, eu fiquei na dúvida se devo considerar o valor bruto ou líquido do prêmio recebido para fins de IR no futuro.

Se a PUT não fosse exercida, sei que o valor do imposto seria calculado levando em consideração o valor líquido, mas vendo o seu exemplo, fiquei na dúvida se o mesmo também deverá ser feito em caso de exercício.

Para tornar a minha dúvida clara para todos, eu gostaria de expandir o seu exemplo: o strike da PUT é R$ 10,00, o prêmio é R$ 0,30 e a quantidade de opções vendidas é 100. A opção foi exercida. As taxas operacionais já considerando a taxa de exercício foi R$ 5,03 (R$ 0,0503 por opção).

Isto posto, teríamos que o prêmio líquido de cada opção é R$ 0,30 – R$ 0,0503 = R$ 0,2497.

Seguindo o exemplo: no futuro, a venda das ações foi realizada e, para fins de IR, eu gostaria de calcular o lucro auferido. A questão é: qual foi meu custo de aquisição destas ações: R$ 10,00 – R$ 0,30 ou R$ 10,00 – R$ 0,2497?

Muito obrigado pelo espaço e aproveito para parabenizá-lo pelo excelente trabalho que realiza há anos!

Um abraço.

Resposta:

Opa ! Tudo certo Lucas ? 😀

É que eu deixei os custos operacionais de lado para facilitar as contas e a explicação. 😉

Mas esse é um ponto importante: os custos operacionais sempre devem ser levados em consideração na formação do preço. Na compra, aumentando os custos. Na venda, diminuindo o valor recebido.

Sempre !

Portanto, no teu exemplo teríamos um custo de aquisição de R$10 – R$0,2497 = ~R$9,75

(se não houvesse o custo, terias comprado por R$9,70)

Ah ! Além dos custos diretos da negociação propriamente dita, podemos também incluir nas contas outros possíveis (e cada vez mais raros …) custos, como a taxa de manutenção.

Lembrando que os custos normalmente incidem nos “dois lados”. Tanto titulares, quanto lançadores, no momento do exercício, costumam arcar com custos operacionais – e que em algumas corretoras são diferenciados. Isso afetará o valor da compra das ações de um lado, e da venda, do outro. 😉

E só para abordar um ponto atrelado ao tema, e citado na tua questão, os prêmios dos lançamentos anteriores que viraram pó, não entrarão nas contas que formarão o preço médio final. Como tu bem disse, o IR será calculado individualmente, em cada operação bem-sucedida.

(sim, muitos são os que acham que esses prêmios obtidos devem ser somados e usados na formação do preço final)

Espero ter ajudado ! 😀

Leituras indicadas:

Devo considerar meus custos operacionais na formação do preço médio ?
A taxa de custódia pode entrar na formação do preço médio de uma ação ?
Quem paga o exercício de Opções ?
Os prêmios do lançamento coberto de Opções reduzem o meu preço médio ?

Abraços !

Fibonacci – O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ? (X)

Num texto anterior, também pertencente a série “Como o Zé ganha na Bolsa“, falei um pouco sobre o conceito de Suportes e Resistências, e sobre como trabalho com eles. Naquele momento apresentei somente os Suportes e Resistências visíveis. Agora que tal falar um pouco sobre os “invisíveis” ? 🙂

Sim, algo meio estranho, mas real. Já ouviu falar de Fibonacci ? 😉

A razão Áurea

Leonardo Fibonacci, matemático Italiano que descobriu a sequência de números que leva seu nome, a sequência de Fibonacci. De fácil compreensão, ela é formada sempre da seguinte forma: O próximo número será a soma dos dois anteriores, sendo que a sequência é iniciada pelos números 0 e 1.

Até ai tudo bem … o grande “detalhe” desta sequência é que ela está presente em praticamente tudo que encontramos na natureza. 😯

Seja na projeção de quantos coelhos teremos depois de algumas gerações (um dos exemplos mais clássicos para demonstrar o seu funcionamento), ou na formação da casca do caracol, ou na organização das sementes de um girassol, ou na proporção entre alguns dos ossos do corpo humano … podemos encontrar a sequência propriamente dita, ou a relação entre seus números em praticamente tudo. O vídeo abaixo é um ótimo exemplo disso:

 

E já que está presente em tudo … por que não estaria presente na bolsa ? 🙂

Continue lendo …

Zé, por que você só atua na venda de Opções ?

A resposta mais simples e direta possível: as minhas chances de ganho são maiores.

Sim, eu opero na venda porque é mais fácil (não sei se é o termo mais adequado, pois pode passar uma falsa impressão … mas acredito que seja o que chega mais perto de descrever) de se ganhar dinheiro em uma operação de venda, do que em uma operação de compra de Opções.

Motivo ?

Para se ganhar numa compra de CALL, é preciso que a ação suba, e suba rápido.

Enquanto isso, para se ganhar numa venda de CALL, ganhamos se a ação cair, ficar de lado, e até mesmo se subir um pouco.

Já para se ganhar numa compra de PUT, é preciso que a ação caia, e caia rápido.

Enquanto isso, para se ganhar numa venda de PUT, ganhamos se a ação subir, ficar de lado, e até mesmo se cair um pouco.

(viu, não “torço” apenas para que o mercado apresente queda …)

Sim, muitos acham que por eu operar apenas na venda, sou Urso, um torcedor pela queda constante do mercado … 🙄 🙄 🙄

Não, não sou. Opero apenas na venda, SIM. Mas na venda de Opções, de CALL e de PUT. Portanto quero que suba, quando vendo PUT, e que caia, quando vendo CALL. 😀

Estou mostrando apenas o motivo para eu ter escolhido atuar na venda. Nela o tempo é nosso aliado. 😉

Não, não estou incluindo aqui os riscos atrelados à venda … E sim, nela os riscos podem ser maiores do que na compra.

Resumo rápido do funcionamento do risco/retorno nas operações de compra e venda de CALL e PUT:

– Na compra de CALL, o risco é limitado e o potencial de retorno ilimitado;

– Na venda (descoberta) de CALL, o risco é ilimitado e o potencial de retorno limitado;

– Na venda (coberta) de CALL, o “risco” é o de entregar (vender) a ação que você possui, pelo preço desejado, e o potencial de retorno é limitado;

– Na compra de PUT, o risco é limitado e o potencial de retorno limitado; (a não ser que seja um petróleo visitando o -$40 !! hehehe)

– Na venda (descoberta) de PUT, o risco é limitado (de novo, a não ser que seja um petróleo visitando o -$40 !! hehehe) e o potencial de retorno limitado;

– Na venda (coberta) de PUT, o “risco” é o de comprar a ação que você possui, pelo preço desejado, e o potencial de retorno é limitado.

Entendeu o porquê de eu sugerir o uso da venda coberta de Opções ? 😉

Mas Zé, se o risco da compra é menor, porque não atuar só na compra, mesmo com menos chances de dar certo ?

Por isso: Opções: O que é melhor, rendimento modesto e constante ou uma rara explosão ?

De novo: isso é o resumo do resumo do resumo do resumo da coisa.

Antes de trabalhar com Opções, estude, estude e estude. Não justifica se arriscar sem entender/conhecer o funcionamento delas. Se você deseja se aprofundar mais, indico o Double PUT Double CALL, o meu curso de Opções. 🙂