Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Como funciona o rendimento em uma operação de venda coberta de Opções ?

Pergunta:

Boa noite
Eu não entendi muito bem os cálculos dos rendimentos ao se fazer a venda coberta. Se eu tenho uma ação comprada por 10 reais e vendo uma opção de 1 real e strike 12, se a ação subir até o strike eu for exercido eu ganharei o prêmio mais a valorização da ação, pelas minhas contas daria 30%. É isso ou eu entendi errado?
Obrigado.

Resposta:

Opa ! Tudo certo Eduardo ? 🙂

É exatamente isso !! 😀

Neste caso, a operação é formada por “duas partes”: o prêmio e o exercício.

Por que separar em duas partes ? Por um simples motivo … O valor obtido no lançamento da Opção, o prêmio da Opção, já é seu. Não importa o que aconteça, o R$1 que você recebeu no início da operação, ao criá-la, já é seu. Sendo você exercido, ou não.

Chegou o vencimento e a ação está R$10 ? O prêmio é seu !

Chegou o vencimento e a ação está R$12 ? O prêmio é seu !

Chegou o vencimento e a ação está R$15 ? O prêmio é seu !

Já a segunda parte da operação é onde mora a parte do “depende …”. 😉

Chegou o vencimento e a ação está R$10 ? Você não é exercido e mantém a ação em carteira. (mas o prêmio já é seu !!)

Um retorno de 10% sobre o valor da tua ação comprada.

Chegou o vencimento e a ação está R$12 ? Você é exercido, entrega a ação e recebe os R$12. (e o prêmio também é seu)

Um retorno de 30% sobre o valor da tua ação comprada.

Chegou o vencimento e a ação está R$15 ? Você é exercido, entrega a ação e recebe R$12 pela venda. (e o prêmio também é seu)

Um retorno de 30% sobre o valor da tua ação comprada.

Sim, não importa quanto a ação estiver valendo, acima do strike, é o valor do strike que você irá receber. Seja R$15, R$25 ou R$50 … você receberá os R$12 acordados no início da operação. É justamente essa limitação que faz com que algumas pessoas insistam em dizer que a venda coberta é uma operação “arriscada”.

Para elas, você está correndo o risco de “perder uma arrancada da ação” …

Não, eu não concordo que seja um risco. Afinal de contas você já era conhecedor de todos os detalhes da operação na hora em que ela foi montada. Sabia quanto receberia caso fosse exercido.

Risco seria se houvesse alguma chance de perda do capital originalmente usado na operação. E se a pessoa está trabalhando com a venda coberta de CALL em uma carteira visando o longo prazo, onde as ações seriam mantidas encarteiradas, mesmo se houvesse uma queda em sua cotação, isso não poderia ser encarado como “risco“.

Então não, a operação de venda coberta de Opções não é uma operação arriscada. Ela, no máximo, afeta aqueles que vivem na esperança de obter ganhos estratosféricos e imediatos. Afeta ao limitar, momentaneamente, o tamanho de seus sonhos ! 😉

Sim, momentaneamente ! Afinal de contas, passado o vencimento da Opção que foi lançada, não ocorrendo o exercício, a pessoa está liberada para repetir a operação em um próximo vencimento, pelo strike que quiser. Até mesmo por um mais alto … 😀

Espero ter te ajudado ! 🙂

Abraços !

Zé, qual é o melhor momento para montar uma operação com Opções ?

Pergunta:

boa tarde, gostaria de saber quantos dias antes do vencimento da opção você costuma entrar no mercado. Estou acompanhando uma opção da VALE3 faltando 8 dias para o exercício. E me parece que quanto mais perto do exercício, mais fácil é saber se o gráfico vai subir ou cair. Você acredita que teria problema entrar 1 dia antes do exercício?

Resposta:

Opa ! Tudo certo Diogo ? 🙂

Eu não “marco” a minha entrada em uma operação conforme o calendário. O que determina se vou entrar, quando vou entrar, é o surgimento de um sinal no gráfico. Como opero reversões, é esse o tipo de sinal que fico aguardando. 😉

(apresento as ferramentas e indicadores que uso neste e-book)

Ele pode surgir a qualquer momento … Pode ser na primeira semana do vencimento, pode ser no meio do caminho, ou pode ser na última. Não existe um “casamento” com o calendário.

A única ressalva que faço, é que será MUITO difícil você me ver entrando em uma operação na última semana de vida de uma Opção. Neste momento os prêmios já estão pequenos, quase “inexistentes”, e como opero na venda de Opções, isso traz mais riscos do que benefícios. 🙂

Sim, falei antes que o sinal pode surgir na última semana de vida de uma Opção. Se isso acontecer, eu dificilmente (como já falei) entrarei em uma operação nela. Se o sinal surge na última semana do vencimento, monto a operação na série seguinte. 😀

Agora, sobre a tua observação em relação à facilidade de saber se o gráfico diz que vai subir ou cair, quanto mais próximo estamos do vencimento … nunca reparei nisso. Pra mim ele sempre fala “a mesma coisa”, o tempo todo, hehehe.

Então, se eu vejo algum problema em entrar em uma operação faltando apenas 1 dia para o vencimento … Eu tento não fazer isso. São raras as vezes que o prêmio apresentado por elas naquele momento, justifica a operação. São raras as vezes que o prêmio justifica o “risco”. Mas, de novo, isso por operar na venda.

Usando a mesma lógica, mas do ponto de vista de quem compra uma Opção, a reta final talvez seja um momento interessante, justamente por conta dessa “falta de prêmio”. Só que neste momento existe uma dificuldade extra: a pressão do vencimento. 😉

(mas a compra de Opções não é a minha praia, prefiro a constância dos ganhos que obtenho com a venda delas)

Espero ter te ajudado. 🙂

Abraços !

Zé, o que você acha da operação “Trava de Alta” em Opções ?

Pergunta:

Zé,

Pelas minhas análises acho que a VALE vai reverter a tendência de baixa e fazer um movimento de alta (uso SAR e HILO). Penso em montar a seguinte operação:

Compro – 1000 opções VALEG15 (strike 45,74) valendo hoje 3,03.
Vendo – 1000 opções VALEG474 (strike 47,49) valendo hoje 1,69.
Com isso desembolsaria R$1340,00.

Caso a VALE tenha um movimento de alta receberia a diferença dos strikes, certo? 1750. Ou seja, lucro de 410.
Caso ela fique entre os strikes, eu receberia o lucro entre o valor dela no vencimento e strike comprado (45,74).
Ficaria no prejuízo caso o valor da ação fique menor que strike comprado mais 1,34, certo?

Grato,
André

Resposta:
Bom dia André, tudo certo ? 🙂

Eu, particularmente, não gosto muito de operar na compra de opções … As regras que regem esse mercado fazem com que as chances de sairmos vitoriosos do trade jogam contra a gente. Para se ganhar na compra, é preciso que suba, e com uma determinada intensidade … Se cair, ficar de lado, ou subir devagar, o comprador perde.

Já para quem opera no lado da venda … 😉

E isso já falei inúmeras vezes. O pessoal do Double PUT Double CALL já está careca de saber. 😀

Mas como também já disse em outras ocasiões, determinadas situações são atraentes para a compra. O straddle (veja um exemplo real de operação realizada) que o diga ! 😉

Além do straddle, que é um tipo de operação que me agrada muito e que faz parte das operações que formam a minha estratégia operacional, a compra seca de opções em casos MUITO específicos também não pode ser descartada. Um pozinho na reta final do vencimento com um sinal de reversão … #quemnunca ? 😀

Confesso que pra mim é algo raro, muiiito raro … mas nem por isso, descartado.

O exemplo de operação que tu apresentou é uma compra de opções “financiada” pela venda de outra com strike superior à primeira. Uma trava de alta clássica. A ideia é comprar uma CALL de um determinado strike e vender, ao mesmo tempo, uma outra CALL de strike superior.

Ao fazermos isso, financiamos parte do valor da compra com o prêmio que foi obtido com a venda.

Usando o teu exemplo:

A compra de 1.000 VALEG15 por R$3,03 e venda de 1.000 VALEG474 por R$1,69 te geraria um desembolso de R$1.340,00 ao invés dos R$3.030,00 originalmente necessários para a compra pura das G15.

A operação em si tem algumas diferenças para a compra seca de CALL. Vamos dar uma olhada ?

Se você tivesse comprado somente a G15, teria perda total do capital com ela abaixo dos R$45,74 no dia do vencimento. Acima disso seria a área de “lucro”, sendo que lucro mesmo só acima dos R$48,77. (que seria o strike da opção + o valor gasto com a compra)

Mas acima disso, o céu seria o limite para o lucro … 🙂

Já na trava de alta, a região de prejuízo máximo permaneceria sendo abaixo dos R$45,74, onde a G15 não teria valor algum no dia do vencimento. Entre os R$45,74 e os R$47,49 as coisas se misturariam um pouco, com a G15 tendo valor e a G474 perdendo. Se a VALE3 estiver valendo R$47,49 no dia do vencimento, a G15 valeria R$1,75 e a G474 valeria zero …

Sendo 1.000 opções VALEG15 compradas, você ainda teria um lucro de R$410,00 com a operação.

Aqui é que mora um detalhe interessante: acima de R$47,49 você tem o seu lucro limitado a R$410,00. Se estiver R$50 no dia do vencimento, as tuas G15 valeriam R$4,26 e as G474 R$2,51. Como estás comprado na primeira e vendido na segunda, a primeira estaria no “lucro” e a segunda no prejuízo. Você precisaria vender a G15 e comprar a G474 para desmontar a operação.

Isso daria os mesmos R$1,75 de lucro para cada opção em seu poder, os mesmos R$1.750,00 que te gerariam os mesmos R$410.00 de lucro total. 😉

Não importa quanto suba, esse será o teu lucro máximo.

Comparando com a compra seca das G15, se a VALE3 estivesse valendo R$50 no dia do vencimento, você teria em seu poder R$4.260,00. Como havia desembolsado R$3.030,00 para comprá-las, teria um lucro total de R$1.230,00 !! Um lucro bem maior. Não é mesmo ?

Então … aqui mora a grande questão: qual das duas escolher ? Uma que te permite obter lucros ilimitados, com um custo mais elevado ? Ou uma que te faz gastar menos para montar a operação, mas limita o valor de ganho a ser obtido ?

A decisão (in)felizmente é pessoal …

Eu daria preferência pela compra seca, diminuindo o tamanho do lote comprado para “ficar mais barato”, se houvesse a perspectiva de uma alta mais forte na ação mãe. Se não acreditasse em uma alta tão elevada, a trava de alta até poderia se tornar mais interessante, pois ela começa a oferecer lucro após o rompimento dos R$47,08, enquanto a compra simples da G15 precisaria que rompesse os R$48,77 para chegar lá.

Sim … a decisão dependeria do que o gráfico “promete”. Ao menos na minha forma de encarar as coisas. 🙂

Analisando friamente ? As chances para se obter lucro são MUITO maiores para a trava de alta, do que para a compra simples. Mas como disse, não é o tipo de operação que mais me agrada. 😉

Espero ter te ajudado ! 🙂

Abraços !

Livros ||| Investindo em Ações no Longo Prazo

Os que acompanham o site, em especial a série de posts “Como o Zé ganha na Bolsa ?“, já sabem qual é a minha forma preferida de operar: o curto prazo. Mas os que realmente me acompanham (através do site, do fórum e do twitter) já sabem como venho tentando migrar um pedaço do meu capital para o investimento visando o longo prazo. O problema é que por mais que eu queira, o curto prazo me chama de volta. 🙂

Para tentar mudar isso fui atrás de um dos livros mais indicados por 10 entre 10 investidores de longo prazo: Investindo em Ações no Longo Prazo, de Jeremy Siegel. E posso dizer que muitas das minhas dúvidas foram sanadas – mas, também, muitas das minhas convicções foram reforçadas. Já explico. 😉

No longo prazo as ações sempre vencem !

Sim, uma das afirmações mais declaradas por todos que adotam o investimento em ações, visando o longo prazo, é confirmada nesse livro. O autor mostra, através de dados dos últimos 200 anos, que quem investiu em ações ganhou em média 6,8% ao ano. Enquanto quem escolheu o investimento em renda fixa (títulos do tesouro) recebeu … 2,8% ao ano. Você imagina a diferença que estes 4 p.p. fazem em 200 anos ? Não ? Então veja.

Se tivéssemos investido $1 no início do século XIX, teríamos $ 755.163 no começo do XXI ! Sim, em duzentos anos 1 dólar se transformaria em Setecentos e cinquenta e cinco mil, cento e sessenta e três dólares ! 😯

Enquanto isso, se ao invés de ações a pessoa tivesse escolhido investir em títulos do tesouro dos EUA, teria acumulado … $ 1.083 com títulos de longo prazo e $ 301 nos de curto !!! O investimento em ações foi, respectivamente, 700 vezes superior aos em títulos de longo prazo e 2.000 vezes superior aos em títulos de curto prazo !

Bom … mas 200 é muito tempo … e imagino que ninguém esteja querendo esperar tanto tempo, hehehe. Mas esses dados nos mostram a força que o mercado de ações tem para multiplicar o nosso dinheiro.

Vamos aos “poréns”: Para obter esse resulta a pessoa teria comprado o índice de ações, e não somente uma ação ou um pequeno número delas …

E é justamente essa uma das convicções que foram reforçadas pelo livro: para ganhar no longo prazo, com tranquilidade, não podemos comprar apenas uma (ou poucas) ação, precisamos comprar o índice.

O risco individual

Quando compramos ações de uma única empresa corremos o risco de que a empresa venha a dar problemas, que venha a falir … para você ter ideia, das empresas que formaram o primeiro índice Dow Jones, somente uma sobrevive até hoje … a GE, então o risco de falência existe e é real.

Já quando compramos o índice propriamente dito, esse risco é “excluído”, pois novas empresas serão incluídas e as que vão deixando de existir vão saindo. Por isso que no longo prazo o índice vai sempre subindo … 😉

Claro, você pode ter a sorte de comprar a ação daquela empresa que durará “para sempre”, que terá uma diretoria perfeita que sempre fará a empresa crescer … mas acho que você não gostaria de correr este risco, não é mesmo ?

Aqui no Brasil a melhor opção para investir diretamente no índice é através da compra do PIBB11. Mas … por que não investir em fundos que seguem o índice ?

Os fundos custam caro !

Sim, investir em fundos de investimento em ações, que seguem de perto o comportamento (e a formação) do índice acaba custando mais caro, por causa da taxa de administração. Existem fundos que cobram 1%, 2% ou mais ao ano,  e como vimos no início deste texto, a diferença de alguns pontos percentuais no longo prazo fazem miséria.

O PIBB segue o ibrx-50 (O índice IBrX-50 é composto pelos 50 papéis mais líquidos da BOVESPA) e tem uma taxa de administração de apenas 0,059% ao ano ! Já decidiu se vai comprar PIBB11 ou aplicar em fundo de ações ? 🙂

Claro, para comprar o PIBB11 você precisará de uma corretora, pagará corretagem … mas de qualquer forma sai mais barato que aplicar no fundo. Basta pesquisar as opções de corretoras disponíveis.

Mas é só comprar e esquecer ?

Pode ser … existem tantas formas de se operar … a que apresenta o resultado lá de cima é justamente essa, comprar e esquecer … não se faz nenhuma tentativa de maximização do retorno. Se você escolher por comprar as ações diretamente não se esqueça de reinvestir os dividendos, ok ?

Mas no mesmo livro somos apresentados a algumas outras formas de maximização deste retorno. Uma delas apresentei num dos posts da série “Como o Zé ganha na Bolsa ?“, uma técnica adotando médias móveis. Essa estratégia mostrou um resultado superior ao Buy & Hold (comprar e esquecer), ganhou 0,53% ao ano. 🙂

Além desta técnica ele nos apresenta algumas outras, mas não estragarei a surpresa e deixarei para que você veja quando for ler o livro. 😉

Um apanhadão de outras coisas

Só para atiçar ainda mais sua curiosidade, ok ?

– Como você acha que o mercado se comporta perante as guerras ?

– Como você acha que o mercado se comporta em países com grande crescimento PIB ? E os que têm um menor crescimento ?

– O calendário pode nos ajudar no investimento ? Existem meses mais propícios ? E dias da semana ?

O livro é fantástico ! Um verdadeiro estudo dos dados acumulados em mais de 200 anos. Não são apenas afirmações feitas pelo autor, são afirmações baseadas em dados históricos. São estratégias sendo comparadas, é uma verdadeira aula. 🙂

Se você está pensando em investir – visando o longo prazo – é leitura obrigatória !

Investindo em Ações no Longo Prazo

Nota do Site:
5 Moedas

Investindo em Ações no Longo Prazo
Jeremy J. Siegel

Ano: 2015
Edição: 5
Número de páginas: 448
Acabamento: Brochura
Formato: Médio

Compre seu livro no Submarino

Venda coberta é muito mais do que vender e ser exercido

Muita gente ao ouvir sobre as tentações da venda coberta (afinal de contas, quem não quer uma fonte de fluxo de capital “infinito” e de alta rentabilidade ?) acaba achando que o negócio é fácil, simples e sem segredos. E é ai que acaba se decepcionando …

Ela pode ser fácil, simples e sem segredos ? Pode. Isso dá a garantia de que basta vender uma opção, coberta pela carteira, embolsar o lucro e sair para o abraço ? Olha … acho que não. 🙂

A venda pura e simples, na expectativa de ser exercido (isso é, você embolsa o valor da venda da opção, entrega a sua ação e recebe o valor acordado no momento da venda da opção), pode parecer ser um ótimo negócio, ainda mais se for uma venda ATM, a mais “gorda” de todas. Mas acredite, nem tudo são flores quando se trata de opções …

Numa passada de olho rápida é “óbvio” que a venda coberta ATM, torcendo pelo exercício, com recompra das ações após exercido, é o melhor dos mundos: risco zero e lucro alto (é possível de se obter até 5% ao mês desta forma …), mas o negócio não é bem assim …

Em um estudo muito interessante, Paulo Portinho – autor do livro “O Mercado de Ações em 25 Episódios(LEIA !!!) -, fez uma simulação sobre o comportamento de uma carteira formada por PETR4 ou VALE5 (as ações que possuem maior liquidez em bolsa, portanto ideais para estratégias envolvendo opções) adotando estas premissas: venda ATM, nos primeiros momentos do exercício, por um alto prêmio, torcendo pelo exercício, para recomprar as ações, para realizar nova venda e recomeçar o processo. O resultado ? Uma bela surpresa … a estratégia que em teoria é fantástica, e líquida e certa, se mostra uma estratégia “perdedora”.

Não, a venda coberta nestas condições apresentadas não te trará prejuízo, mas pelo estudo foi possível se notar que se você tivesse mantido as ações em carteira, pura e simplesmente, teria obtido um resultado mais interessante … 😯

É … a estratégia que tanto defendo, a venda coberta, se mostrou não sendo o “sonho” que “vendo” para vocês. E acreditem, MUITOS vieram “esfregar” o estudo na minha cara, usando como defesa para atacar o que falo que faço, e que me dá lucro. Conversando com o Paulo, apontei o que acredito ser o Calcanhar de Aquiles da simulação feita por ele: o estudo não leva em consideração uma peça fundamental … o investidor. Não leva em consideração se o investidor adota alguma estratégia diferente da compra no começo, a qualquer preço, em qualquer situação, ou se ele aguarda o momento “certo” para realizar esta venda.

Pense comigo: se você lança a qualquer momento, terá uma probabilidade “x” de ser exercido. Correto ? Mas e se você fica aguardando por alguma sinalização do mercado, daquelas que tanto espero, que me apresentam chances “um pouco maiores” de estar certo ? O número de vendas exercidas é muito menor ! (e isso influencia, e muito, no resultado final)

Pois bem, saibam que a venda coberta é muito mais do que vender e ser exercido. A venda coberta exige do investidor um “pouco” de estudo, uma preparação extra para que consiga ter uma leve vantagem sobre a média do mercado. Afinal de contas, 100% de acerto não existe em lugar nenhum …

Um outro problema para quem entra no mundo do lançamento de opções, o lado psicológico da coisa. Você determina que comprará a ação, lançará a opção dela, embolsará o lucro e comprará as mesmas ações logo após exercido. Certo ? Ok … Mas você estará preparado para vender uma opção de R$20,00, quando o seu preço médio de compra é de R$25,00 ? Acredite, esse ponto, esse minúsculo ponto, impede que muitos investidores levem o plano adiante. São os investidores que enquanto conseguem vender uma opção mais cara do que o seu valor médio de compra, dizem (e fazem) que a estratégia é perfeita. Mas quando a cotação começa a cair e o preço da ação começa a se distanciar do preço da ação em carteira … acabam “deixando de lado”.

Existem muitas formas de se ganhar dinheiro com a venda coberta, até mesmo a “vender a opção, deixar ser exercido e recomprar as ações”, fiz um post onde aponto 3 dessas formas, mas são apenas algumas delas …

Acredite: para se ganhar dinheiro de verdade com a venda coberta de opções, por um longo período, obtendo uma certa vantagem em relação ao mercado – e em especial ao Buy & Hold -, é preciso dedicação e estudo. É preciso estar preparado para um ou outro “acidente de percurso” durante a longa jornada, além de possíveis ajustes de estratégia … Mas, garanto, o resultado é maravilhoso. Justifica cada gota de suor que você precisou exalar durante o processo. 😉

Estude o funcionamento do mercado de opções – o meu curso, o Double PUT Double CALL, é uma ótima alternativa ! -, dedique-se ao estudo da análise técnica – é ela que lhe trará aquela leve vantagem que falei – e mantenha-se nos trilhos. 😀

Boa sorte !