Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Quem exerce uma opção, exerce por qual motivo ?

Pergunta:

Boa tarde, zé, tira uma dúvida pra mim: se eu compro petrus a 18,00 e vendo opção ”petrus a 20,00” por 0,40, serei exercido no vencimento somente se a ação chegar a R$ 20,40,certo? Pois a pessoa que pagou 0,40 pela opção e não haverá ganho se ele compra-la por R$ 20,00,certo?

Desde já agradeço!

Resposta:

Bom dia Sandro,

Não. 🙂

Não é bem assim que a coisa funciona … Vamos ver se consigo esmiuçar um pouco melhor a ideia. 😉

1º – O “contrato” criado a partir do momento em que você vende uma opção não funciona exatamente da forma que imaginemos que funcione. Ao vender uma opção para alguém, não é com aquela pessoa que você cria o vínculo e a obrigação de entregar o papel no valor acertado (no caso da CALL). A sua obrigação é com o sistema.

Pense da seguinte forma: você vendeu para alguém por 40¢. A opção se valoriza e ela resolve vender para outra pessoa por 60¢. E vai sendo assim, a cada negócio realizado “com aquele” papel. O detalhe é que não existe um rastreio do que acontece com aquele papel em específico.

É criado um sistema de controle onde tudo é contabilizado, onde o total de vendas é registrado, bem como a quantidade de vendedores e de compradores. É um daqueles dados que costumo olhar no meu dia a dia, lembra ?

A partir do momento que você faz uma venda, você é registrado como sendo alguém que terá uma obrigação caso alguém exerça a opção vendida.

Quem ? Não sabemos. Quem decide “quem casa com quem” é o próprio sistema, de forma aleatória. Sempre que ocorre uma solicitação de exercício de uma opção, o sistema vai lá, olha quem está cadastrado como vendedor daquela opção, escolhe um dos cadastrados, e envia a ordem de exercício.

Existe uma ordem de prioridade: quem vendeu de forma coberta primeiro, para somente depois ir para cima de quem vendeu sem ter o ativo “mãe” na carteira. Uma forma de impedir uma escalada nas cotações do ativo de uma maneira artificial.

Sabedores disso, descartamos a ideia do “a pessoa que comprou a minha opção a 40¢ só vai exercer se estiver R$20,40”. Correto ?

2º – E se foi quem comprou por 5¢ ?

Então … Pode ser que no dia do exercício, estando nos R$20, uma pessoa que comprou por 5 centavos exerça seu direito de comprar o papel por R$20. Mesmo perdendo 5¢.

Ele acredita que o papel se valorizará ao menos essa diferença “no curto prazo”, para poder desmontar a operação.

Continue lendo …

Vender uma ação alugada, comprar uma PUT ou lançar uma CALL ?

Pergunta:

Oi zé, estou começando o curso, me diz uma coisa como eu descubro se é mais interessante comprar uma put ou alugar ações apostando na queda de uma ação? um abraço.

Resposta:

Bom dia Edgar,

Antes de mais nada, obrigado por adquirir o curso Double PUT Double CALL. Espero que o conteúdo esteja te agradando e sendo útil para a sua jornada neste mercado tão temido por grande parte dos investidores. 🙂

Momento #ad … Se você ainda não conhece o meu curso de Opções, confira:

Voltando à sua pergunta: “É mais interessante comprarmos PUT ou alugar ações para venda ?” Eu acrescentaria uma 3ª alternativa: venda de CALL. E em seguida explicarei o motivo da inclusão. 🙂

Antes de mais nada precisamos lembrar de um detalhe MUITO importante nesta situação. Lembra que as opções têm prazo de validade, que elas têm vida útil ? Pois então … As operações envolvendo opções têm prazo definido para serem encerradas. O vencimento da opção é o seu prazo limite. Ok … você pode rolar a operação para o mês seguinte, quando for uma operação de venda, ganhando um extra com isso. Já se for uma operação de compra de opções, se você quiser levar para o mês seguinte, precisará desembolsar mais dinheiro. Iniciará uma nova operação.

Já no aluguel de ações (para venda) isso não acontece. Você permanece na operação pelo tempo que desejar. (ou até não ter mais ninguém no mercado lhe oferecendo aquela ação para aluguel, hehehe)

Então, uma das diferenças é essa: o aluguel de ações te permite levar a operação por mais tempo, esperando que o cenário imaginado se concretize. 😉

Agora, olhando as operações sugeridas, a compra de PUT tem um “problema” extra, justamente relacionado ao fator tempo … Ele joga contra esta compra. Além de ter prazo de validade, cada dia que passa, sem que o cenário traçado se torne real, faz com que a opção perca parte do valor. Isso faz parte das características das opções, como você viu nas aulas do curso Double PUT Double CALL. 🙂

Eu não gosto de operações de compra de opções por causa disso. Você não tem “margem de manobra”, nem tempo para ajustes, para o caso de sua expectativa em relação à ação subjacente não fazer imediatamente o que você imaginou/esperava que ela fizesse.

Desta forma eu faria a comparação entre aluguel de ações para a venda e a venda (travada) de opções do tipo CALL.

Na venda de CALL você tem, de novo, o tempo atuando. Só que desta vez ele está agindo a favor do investidor. A cada dia que passa você “ganha um pouquinho”, mesmo que o cenário esperado não se torne uma verdade plena. Vou explicar melhor. 🙂

Se você vender uma CALL, e o papel cair, você ganha. Se ficar parado, você ganha. Se subir devagar, não chegando no strike da opção que vendeu, você ganha. Você só perde caso esteja completamente errado e precise usar o STOP para interromper a operação. 😉

No caso do aluguel de ações, você só ganha se a ação cair. E dependendo da situação, se cair muito.

Na venda de CALL, você pode ganhar mais do que ganharia na venda alugada, mesmo se a queda da ação subjacente for pequena … Tudo depende do strike escolhido e do quão distante estivermos do vencimento dela.

Entendeu porque eu abandonei a venda alugada e passei a me dedicar à venda de Opções ? 😀

Sim, as chances de ganharmos na venda de opções são MUITO maiores do que na venda alugada.

O único porém é que na venda de ações alugadas podemos aproveitar melhor as quedas mais acentuadas. Como eu costumo realizar operações mais curtas, evitando ao máximo o tempo de exposição no mercado, esta vantagem não me ajuda muito … 😉

Uma consideração importante e que precisa ser feita: a compra de PUT, mesmo não tendo o apoio do tempo, com menores chances de ganho, etc etc etc, tem uma vantagem muito grande em relação à venda de CALL e a da ação alugada. Ela possui risco limitado. Na compra de opções do tipo PUT o seu risco de perda máxima é o valor alocado na compra da opção e apenas isso. Enquanto que na venda travada de CALL o seu prejuízo está limitado ao tamanho da trava e o da venda da ação alugada é ilimitado.

Então, as maiores chances de ganho estão (na minha opinião) na venda travada de CALL, enquanto o menor nível de risco está na compra de PUT.

Espero que tenha lhe ajudado. 🙂

E se você que está lendo este post não conseguiu entender direito o que foi dito aqui, se tudo lhe pareceu grego, faço um convite a você: venha conhecer o meu curso de Opções, o Double PUT Double CALL. Será um prazer te ajudar nesta jornada de aprendizado. 😀

Abraços !

O que acontece no dia do exercício das Opções ?

Pergunta:


Resposta:

Opa ! Tudo certo Rogério ? 🙂

Claro !! A hora é essa !! 😉

#1 – O que precisa para “honrar” o exercício de Opções, em cada um dos 4 casos:

Comprado em CALL – se você solicitar o exercício, irá comprar uma ação. Portanto, precisará ter dinheiro na conta para concretizar o negócio.

Vendido em CALL – se você for exercido, irá vender uma ação. Portanto, precisará ter ações em carteira para concretizar o negócio.

Comprado em PUT – se você solicitar o exercício, irá vender uma ação. Portanto, precisará ter ações me carteira para concretizar o negócio.

Vendido em PUT – se você for exercido, irá comprar uma ação. Portanto, precisará ter dinheiro na conta para concretizar o negócio.

O post “O que é uma CALL ? O que é uma PUT ?” pode lhe ajudar na compreensão das necessidades de cada caso. 🙂

Deixo a indicação de leitura de dois artigos que ajudarão a compreender toda a dinâmica:

Como funciona o exercício de opções ?
A pressão do exercício de opções

#2 – Automático ou Manual ?

Ocorrendo o exercício, é tudo automático. A corretora se encarrega do procedimento. 😉

Se você tem a ação para entregar, a corretora simplesmente entrega. Se não tem, e precisa entregar, ela compra no mercado e depois te manda a conta. 😀

#3 – Preciso pedir à corretora ?

Depende … Cada caso é um caso.

Algumas corretoras têm como padrão fazer o exercício (quando você está comprado em uma Opção) de forma automática. Outras, só exercem se você solicitar, seja por telefone, e-mail ou plataforma. Lembrando que você pode solicitar o exercício até às 13h do dia do vencimento !! 😉

O padrão da B3 não é o automático. Mas algumas corretoras oferecem essa facilidade aos seus clientes. 🙂

Falei sobre isso no post: E se eu esquecer de solicitar o exercício da minha Opção ?

Espero ter ajudado ! 😀

Abraços !

Eu preciso ter uma ação em carteira para poder comprar sua PUT ?

Pergunta:

Para eu comprar uma opção de venda (PUT) eu obrigatoriamente devo ter essa ação na minha carteira? Caso contrário, não consigo entender como ganharia vendendo uma ação que não tenho. 🙂

Resposta:

Opa ! Tudo certo Alcino ? 🙂

Não, você não precisa. 😉

Existem 2 formas de ganhar com essa operação de compra de PUT:

#1 – Com a revenda da PUT valorizada

Sim, você compra a PUT, esperando que ela se valorize, para em seguida revender. Lembrando que ela irá se valorizar conforme o ativo ligado a ela, caia.

É uma operação análoga à da compra de CALL. A diferença é que a CALL se valoriza conforme o ativo a ela ligado, sobe. Essa é uma operação que a maioria já está acostumada, especialmente por ela se comportar de forma bem parecida com a de uma compra de ações. 😉

Então, você poderá simplesmente comprar a PUT, acreditando na queda do ativo “mãe”, na expectativa de revender por um preço mais elevado.

#2 – Exercendo a PUT

Outra maneira é através do exercício da PUT que você tem em mãos. Que é a sua dúvida. 😉

Ao exercer uma PUT, fazemos isso por existir “justificativa” para tal. E qual seria essa justificativa ? O ativo “mãe” estar sendo negociado, no dia do vencimento, por um preço inferior ao do strike da PUT que você está comprado. 😀

Ao exercer a PUT, nós iremos vender a ação ligada a ela. Correto ? Mas como fazer isso se não temos ela em carteira ?

Simples: você vai vender a ação através do exercício … e entregará à pessoa que foi exercida uma ação que comprará, em seguida, diretamente no mercado !! 😉

Lembra que você exerceu a PUT por causa da cotação da ação estar sendo negociada abaixo do strike da sua PUT ? Pois então …

Para exemplificar: você comprou uma PUT de strike R$22. Chega o dia do vencimento dela, a ação “mãe” está sendo negociada por R$19,50. Com isso existe a justificativa para que você exerça esta Opção. Correto ? (como falei antes, a cotação da ação precisa estar sendo negociada por um preço inferior ao do strike, no dia do vencimento)

Ao exercer essa PUT, a pessoa que foi exercida, te comprará a ação pelo strike dela, pelos R$22. Você receberá R$22 para cada Opção que exerceu. Como não tem a ação para entregar a ela, irá no mercado comprar a mesma por R$19,50, que é o preço que está sendo negociada naquele momento.

Se você recebeu R$22 pela venda das ações, e as comprou por R$19,50 no mercado, ganhou R$2,50 !! 😀

Então, você não precisa ter a ação na carteira para comprar a PUT, pois poderá revender ela com valorização, ou exercer (se houver condições para tal), e comprar diretamente no mercado – depois do evento do exercício – por um preço abaixo do recebido no exercício, para ter o que entregar. 😉

Espero ter te ajudado !! 😀

Abraços !

“Tem como a pessoa perder mais dinheiro do que possui, com Opções ?”

Pergunta:

Uma dúvida… tem como a pessoa ficar com saldo negativo em opções!? De um exemplo por gentileza! Já ouvi falar que pessoas perderam tudo e ainda ficaram devendo muito dinheiro pra corretora em opções? Acontece?

Resposta:

Opa ! Tudo certo Rafael ? 🙂

Tem sim … é o risco que sempre falamos, sobre operar de forma alavancada em Opções. E sim, isso é possível de acontecer tanto nas operações de compra, quanto nas de venda … (sendo mais comum nas operações de venda descoberta e alavancada)

Mas Zé, como que é possível de perder mais dinheiro do que usou na compra da Opção ! Isso é impossível …

Sim, seria se a pessoa usasse apenas o dinheiro disponível na conta, para efetuar a compra. Já viu como operam os que fazem daytrade ? Sim … BEM alavancados.

Então, para quem opera normalmente na compra de Opções, o limite máximo de perda é o valor usado na compra delas. Se tem R$1 mil, e usou os R$1 mil nesta compra, o máxima que poderá perder, caso tudo dê errado, são os próprios R$1 mil. Agora, quem tem os R$1 mil, e opera alavancado, como se fossem R$10 mil, por exemplo, e essa Opção vira pó por conta de algum evento inesperado (e sim … pode acontecer, mesmo sendo raro), a pessoa termina o dia devendo R$9 mil. Correto ?

Caso raro … até mesmo porque a maioria das pessoas que atua no daytrade tem o costume de usar STOP e – em teoria – ele impediria isso de ocorrer. 😉

O mesmo problema pode ocorrer com quem opera na venda alavancada, e descoberta, de Opções. A ação pode fazer um movimento mais forte e isso levar a cotação da Opção acima do preço onde as perdas seriam comportadas pelo bolso daquela pessoa.

Agora … isso não ocorre apenas com as Opções !! Isso pode acontecer tanto com quem faz daytrade com ações, futuros e Opções. Operar alavancado traz um risco extra às suas operações.

Ainda existe uma outra possibilidade de vermos alguém perdendo mais dinheiro do que realmente tem. E neste caso, com Opções. Mais especificamente na venda de Opções.

Existem 3 formas de se lançar uma Opção (não sabe o que é um lançamento de Opções ? Leia este post):

Coberta: que é quando a pessoa faz um lançamento de CALL e possui a ação em carteira, na mesma quantidade das Opções que foram vendidas;

Travada: que é quando a pessoa faz um lançamento de CALL ou PUT, dentro de alguma “estrutura”. Ela vende uma Opção mas compra outra (ou outras) em um determinado strike, ou vencimento, diferente da Opção vendida;

Descoberta: que é quando a pessoa faz um lançamento sem ter as ações em carteira para honrar o exercício das Opções, caso isso ocorra.

Na venda coberta, não há risco de perda para o investidor. Já que ele apenas entregará as ações caso venha a ser exercido. Na venda travada, a perda máxima é limitada justamente pela estrutura montada. (podes conhecer um pouco melhor a operação neste post: “Opera com travas ? Abra o olho …“) Portanto, não existe a possibilidade de perder mais do que se determina perder …

Já na venda descoberta …

Para entender melhor o risco da venda descoberta, dê uma olhada no post: “Quais os riscos de trabalhar com a venda descoberta de Opções CALL ?

Mas, como pudemos ver, o principal motivo para a possibilidade de se perder mais do que se possui na corretora, não é o fato de se trabalhar com Opções … O grande problema é a alavancagem exagerada. Seja com ações, Opções, Futuros … Basta usar as coisas do jeito certo, com as ferramentas de proteção adequadas, que você consegue evitar que isso aconteça. 😉

Espero ter te ajudado. 🙂

Abraços !