Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Todo começo de ano é a mesma coisa …

Já virou hábito do brasileiro, chega janeiro e o povo tasca a reclamar da concentração de contas pesadas justamente no começo do ano. Justamente quando “… estamos sem dinheiro …”, mas precisa mesmo ser assim ?

Claro … não vou nem comentar o fato de estarem “sem dinheiro“, pois o 13º acabou de ser dado. (farei de conta que não sei que ele ou foi usado para gastar e gastar e gastar nas festas de final de ano, ou foi para a quitação de dívidas que surgiram durante o ano que passou)

Mas então, de que forma proceder para não sermos “pegos de surpresa” (mesmo todos sendo sabedores que no começo do ano temos IPTU, IPVA, material escolar, etc) pelos gastos do começo do ano ? Simples !! Planejamento é a resposta. 🙂

Não é nenhuma surpresa

Antes de mais nada: vamos acabar com essa história de que é uma conta inesperada, que nos pegou de surpresa. Todos sabem, e estão mais do que acostumados, que o mês de janeiro é caracterizado por estes gastos padrão, normalmente altos – eu sei -, que tanto incomodam a população.

E o pior é que esta é uma tarefa simples ! Não será preciso nenhum cálculo matemático complexo, somente uma folha de papel, uma caneta e o seu comprometimento. Só !

Coloque nesta folha quais são as contas que deverão ser pagas no início do ano, normalmente temos o IPTU, IPVA e o material escolar. Coloque do lado de cada uma delas o valor que “te pegou de surpresa este ano”, afinal você não tem como saber o valor a ser pago em 2013, a única informação que temos é a dos anos já pagos.

Com o valor em mãos a coisa fica fácil, muito fácil ! Pegue-o e divida por 12, coincidentemente o número de meses do ano. Pronto, agora você já sabe o valor que precisará separar mensalmente de seu orçamento para que não seja pego de “surpresa” todos os anos. Pegue o valor (x/12) e deposite todos os meses em uma caderneta de poupança. (sim, o mais simples de todos para não criar dificuldade alguma …)

“Tá, mas esse não será o valor que pagarei no ano que vem !!”

Exato ! Lembra que falei que realmente não temos como saber o valor exato dos pagamentos a serem efetuados no próximo ano ? Mas quer ver como chegaremos bem próximos disso ?

Continue lendo …

Como sair da pobreza absoluta e se tornar um milionário da noite para o dia ?

 

Sabe aquela velha briga de classes, onde os mais “abonados” têm injustas vantagens em relação às pessoas mais simples ? E os que formam a base da pirâmide enfrentam barreiras que os do topo nem cogitam sua existência ?

Preste atenção na imagem abaixo. Ela contém um dos ensinamentos mais importantes que você deve aprender em sua jornada rumo a uma vida financeiramente saudável. Observe-a com atenção e tente extrair os principais conceitos contidos nela. Já aviso que provavelmente gerará alguma discussão e “revolta” em determinados grupos de pessoas … Mas o conteúdo dela é fundamental para que você possa seguir adiante.

 

banco imobiliário da vida real com mudança de níveis

 

Conseguiu compreender a lição ? Consegue enxergar que as coisas são um pouco diferentes do que a propaganda “vermelha” tenta nos vender ?

Sim, quem está nos níveis mais elevados da pirâmide social tem inúmeras vantagens em relação aos que estão mais próximos da base. “Tem dinheiro de sobra“, diriam alguns. Em alguns casos isso até é mesmo uma verdade, mas a principal vantagem competitiva que eles têm é a disponibilidade de tempo para dedicar-se à Educação. Está lembrado que há alguns dias falamos sobre a relação direta em o tempo na escola e o tamanho da renda ?

Pois então … as pessoas mais abonadas têm a vantagem de poder se dedicar, exclusivamente, aos estudos. Durante o tempo que “quiserem”. Podem completar o ensino básico, o ensino médio, concluir o ensino superior, provavelmente na universidade (e no curso) que quiserem, fazer cursos de especialização (pós, MBA, etc), sem a pressão de ter que colocar comida na mesa. Sem precisarem se preocupar com as contas … Eles têm o dinheiro (dos pais) que permitem que isso aconteça.

Já na classes mais próximas da base a história é justamente a contrária. Graças à situação financeira da família, muitas crianças se vêm obrigadas a largar os estudos para poder ajudar a complementar a renda familiar. Precisam abrir mão do ensino médio (algumas até mesmo da conclusão do básico), arranjar um emprego e ajudar a pagar as contas. Essa é uma história comum entre as famílias mais simples. Alguns até conseguem levar o trabalho em conjunto à escola, porém neste momento o aprendizado acaba não sendo completo.

Vantagem “injusta”

Lembra que o filho do “rico” pode se dedicar somente à escola ? (que provavelmente será particular) Graças a isso ele tem mais tempo livre para estudar em casa, bem como para descansar, e absorver aquilo que foi aprendido. Enquanto isso, no outro lado da balança, o jovem mais simples que ainda pode ir à escola (trabalhando e estudando ao mesmo tempo) tem pouco tempo livre para complementar o que foi visto em sala de aula e ainda menos para recuperar as energias.

A vantagem competitiva dos mais ricos, muitas vezes, não é o dinheiro em si. O que lhes dá uma vantagem “injusta” é esta possibilidade de dedicar-se exclusivamente aos estudos. O dinheiro em si, pode ser um catalizador para a perda do status social de alguns jovens. Quantas histórias já ouvimos de pessoas que tinham de tudo, das famosas dinastias (famílias que tinham fortuna e destacavam-se perante a sociedade), e que do nada passaram a viver uma vida mais simples ? Normalmente na troca de uma geração pela seguinte …

Sim, foram crianças que tiveram acesso a toda a educação que precisavam e que se podia imaginar. Mas que por alguma razão acabaram não aproveitando. Filhos que só queriam saber de festa e “aproveitar a vida” …

É uma vantagem “injusta” do ponto de vista que a oportunidade de dedicar-se inteiramente aos estudos deveria ser oferecida aos dois grupos. Porém esta não acaba sendo a realidade …

Outro exemplo de que a vantagem “injusta” não é o dinheiro puro e simples ? Quantas e quantas histórias de pessoas que ganharam prêmios milionários (loteria ou em programas de TV) e que em pouco tempo acabaram perdendo tudo ? Mais exemplos ? Esportistas que ganham verdadeiras fortunas, ao largarem a carreira veem-se em problema em pouco tempo. Ambos, muitas vezes, não tiveram a oportunidade real de se dedicar aos estudos enquanto jovens. “Do nada” surge uma bolada e aquilo acaba desaparecendo na mesma velocidade …

Sim, o dinheiro faz MUITA diferença

Não sou louco para negar a linha de pensamento que diz que o dinheiro (puro e simples) faz MUITA diferença. Ele é capaz de permitir que um jovem mais abonado possa tentar diversas vezes, diversos tipos de empreendimento, quebrando de vez em quando, até encontrar um que lhes traga o sucesso. Já para quem tenta empreender, sem esta segurança por trás …

O dinheiro te permite ter as mais diversas experiências. Te permite conhecer diversas culturas, diversos tipos de serviços (em diversos países), possibilitando que você encontre algo que outros não pensariam em criar. Mas dificilmente acontecerá sem ter a base educacional que já falamos.

Dizer que o dinheiro não faz diferença alguma ? Impossível …

Dizer que o dinheiro sozinho é quem faz a diferença ? É errado também …

No frigir dos ovos, quem se atém a esse ponto, que só usa o argumento do “ah, mas ele só se deu bem porque a família dele já tinha dinheiro blá blá blá” acaba perdendo uma ótima oportunidade de aprender com quem teve a oportunidade e que, acima de tudo, a aproveitou.

Não seria muito mais interessante descobrir o que deu tão certo na vida de alguém bem sucedido, para tentar replicar na sua própria vida ? Não dá mais tempo ? Que tal aprender para permitir que seus filhos tenham esta oportunidade ?

O problema é que a discussão acaba sempre chegando da pergunta que incomoda muita gente: Quantas famílias miseráveis conseguiram subir na vida a ponto de se tornarem milionárias ? Não seria muito mais interessante estas mesmas pessoas se perguntarem: O que é preciso para que uma família de miseráveis se torne uma família de classe média ? (e não vale usar a definição que o PT tentou emplacar, abaixando os valores para incluir mais gente nela) O que é preciso para que esta família agora possa ascender à alta ? E agora, o que fazer para formarem uma dinastia ?

Não … querem que, num passe de mágica, seja tudo automático e instantâneo. Não querem enxergar que o crescimento financeiro se dá aos poucos. Um degrau de cada vez.

Depois disso tudo …

… retorne à imagem que deu início a esse texto. Tente enxergar o que está nela sob esta ótica.

O que você me diz ?

Problemas com o uso do STOP ?

placa-de-pare

Antes de qualquer coisa, me responda: Você já teve problemas com o uso do STOP em suas operações bolsa ?

Que tipo de problema ? Colocar no lugar errado, seja muito perto do lugar “certo”, ou muito longe dele. Ou o pior caso: Não ter usado …

Você pode ter certeza, não foi o único que já enfrentou esse problema. Sim, generalizei a resposta, contando com 100% de respostas positivas à pergunta anterior. Por quê ? Porque 100% dos investidores já tiveram problemas ao usar o STOP. Se disser que nunca teve esse problema, me desculpe, você está mentindo. 🙂

O STOP é uma das ferramentas mais úteis para o investidor em bolsa, uma das mais úteis e ao mesmo tempo mais controversas. Útil pois salva seu capital e controversa pois não existe uma forma única de usa-la, existem tantas variações quanto for possível imaginar. Alguns colocam x% abaixo do valor de compra, outros um mesmo tanto em R$ … Outros colocam este percentual ou valor abaixo (ou acima) de um suporte/resistência. Ainda existem os que usam ferramentas de análise técnica para melhor posicionar. São tantas maneiras que é melhor eu não começar a tentar relaciona-las.

Um STOP mal colocado …

Sim, um STOP mal colocado pode trazer muita dor de cabeça. Seja por ter sido colocado muito abaixo de um suporte (ou acima de uma resistência), ou por ter sido usado de maneira precipitada …

Colocado muito longe do ponto “certo” é um prejuízo maior do que era para ter sido … Colocado antes da hora, é um prejuízo que poderia ser um lucro. Qual dos dois é pior ? Difícil de responder … perder dinheiro é sempre ruim.

O pior erro do STOP …

é não ter sido usado. Sim, sem dúvida alguma esta é a pior forma de usar esta ferramenta: Não usando-a. É a pior, a que traz mais prejuízo, a que mais dá raiva – mas rivaliza com o STOP antes da hora, a que mais dói.

Quer ver “dor de corno” maior do que aquela que dá depois de o mercado ter realmente ido contra a sua expectativa e você pensa: “Ah se eu tivesse usado o STOP naquele momento …”

Normalmente ele é mais indicado para quem usa a análise gráfica … mas tenho minhas dúvidas se não é indicado para todos os tipos de analistas. Cada um no seu tempo gráfico, mas com possibilidades de uso bem claras.

Mas quem é o culpado ?

Agora, você quer saber quem é o verdadeiro culpado pelos erros e problemas causados por um STOP mal (ou não) acionado ? VOCÊ ! Única e exclusivamente você !! (tá tá … pode ter dado erro na hora de passar a ordem ou qualquer coisa parecida … mas a priori a culpa é sua !)

Sabe aquele STOP que havia sido pré definido e não foi acionado ?
– “Rompendo tal ponto eu stopo essa operação”

??!!??

Ele já havia sido cadastrado na hora em que a operação foi montada ou você ficou de aciona-lo na hora que viesse a acontecer ? Se ele não foi acionado na hora planejada tenho quase certeza que foi porque você ficou com a segunda opção … estou certo ?

Sabe o que aconteceu ? Seu emocional falou mais alto nessa hora. Foi ele quem disse: “Espera mais um pouco … o mercado vai virar e a sua posição vai se tornar vencedora.” Não foi ?

O emocional é o seu maior inimigo na hora de operar. Na grande maioria das vezes é ele quem te dá uma rasteira … não são nem os tubas nem qualquer outra pessoa … é você mesmo.

Ele é quem te faz achar que está sempre certo. É ele que sempre te dá esperança para achar que todo o resto está errado, e você, como sempre, certo. É ele que te faz achar que mesmo contra sua posição, mostrar que tende a continuar contra, o mercado mudará de rumo e te trará lucro.

Como fugir desse erro ?

Se esse é o seu caso – e digo que é o meu … – a melhor alternativa talvez seja o uso de um STOP automático. Para quem usa Home Broker isso é mais fácil, pois já pode definir logo no início da operação. Para quem opera via telefone … já é um pouco mais complicado. Deixando o acionamento do STOP em modo automático você não será sabotado pela emoção, pois ela normalmente está pouco presente na hora em que tomamos a decisão de iniciar um trade. Normalmente ela aparece quando o negócio já está “dando errado”.

Lembre-se: Quanto menos emocional, e mais racional, for o seu método operacional, maior a chance de lucros.

Pode ter certeza. 😉

A poupança não é tão ruim quanto lhe vendem por aí …

Fuja da poupança !” ou “Não invista na caderneta de poupança, você vai perder dinheiro se fizer isso …

Quantas e quantas vezes você já ouviu algo do tipo ?

Saiba que essa não é história completa sobre o investimento em poupança. Veja o vídeo e confirme !!

Mas antes de assistir ao vídeo, eu lhe peço um favor: veja-o na íntegra ! Pode parecer meio estranho eu pedir algo tão “natural” quanto assistir por inteiro o conteúdo de um vídeo … Muitas vezes desistimos no meio do caminho, e ao fazermos isso perdemos uma parte importante do mesmo, algo que seria o “principal conceito“, ou o “” do que foi falado.

E já que a porteira dos favores foi aberta … Vou lhe pedir somente mais um: espalhe ao máximo este vídeo. Faça com que ele atinja o máximo possível de pessoas. Compartilhe-o em seus grupos de whatsapp, entre seus amigos no facebook, no twitter, por e-mail …

O conceito abordado nele é tão importante … é tão … “renegado”, e a quantidade de pessoas que precisam entender, de uma vez por todas, aquilo que foi dito é tão grande … mas tão grande … que seria um pecado ficar com ele só para você. 😉

Veja e depois me diga se eu não tenho razão. 😀

 

 

Ah ! Não deixe de assinar o nosso canal para receber a notificação sempre que um novo vídeo for publicado !

ps: alguém perceberá o easter egg existente no vídeo ? 🙄

“Renda Fixa” com opções – CALL

Este texto está sendo escrito após a publicação de um post em nosso Fórum, onde falava a respeito de Operações envolvendo a venda de Opções coberta por Ações. Falarei sobre um tipo de operação que eu realizava que me proporcionava um retorno médio de 2,5% ao mês.

Antes de mais nada, gostaria de deixar claro que para poder realizar este tipo de operação é necessário um bom conhecimento dos itens envolvidos. Ela envolve o risco existente em qualquer operação de Bolsa, mas no longo prazo mostrou-se uma ótima alternativa de investimento. Vejamos se consigo ajudar com o principal.

Mas … O que é uma Opção ?

Uma opção é: ” Um instrumento que dá a seu titular, ou comprador, um direito futuro sobre algo, mas não uma obrigação; e a seu vendedor, uma obrigação futura, caso solicitado pelo comprador da opção. ”

(Lauro de Araújo Silva Neto, “Opções do Tradicional ao Exótico“)

Existem dois tipos de opção, as de compra, e as de venda, sendo as mais tradicionais, ao menos no Brasil, as de compra. O portador de uma opção de compra tem exatamente o que o nome diz a opção de comprar, ou não, um determinado ativo até uma determinada data por um determinado preço. Já o vendedor de uma opção de compra tem o dever de vender o ativo relacionado a opção por um determinado preço, quando solicitado pelo comprador.

As opções têm a seguinte característica: Têm data certa para “morrer”. Ao contrário das ações, que valem “para sempre”, as opções têm dia e hora para “morrerem”, o dia de seu vencimento. Você poderá negociar com elas até este dia, após isso elas deixam de existir.

Sobre maiores detalhes, aconselho a todos darem uma olhada em nosso Fórum, no tópico destinado ao assunto Opções. Nele maiores informações são dadas. (se eu fosse explicar tudo aqui o texto ficaria gigante, hehehe).

Este tipo de investimento que irei relatar foi muito usado por mim, durante quase 1 ano, de 2004 para 2005, mais exatamente durante 9 meses. A média de rendimento obtida foi de 2,4% ao mês (juros simples, 2,4% mês após mês sobre o capital envolvido naquele mês), que é um ótimo rendimento, pois mesmo envolvendo os riscos de bolsa era bem tranquilo. Claro que como foi dito no início deste texto, um bom conhecimento sobre o assunto foi fundamental para isso.

De que forma funcionava ?

Na época eu investia somente em uma única ação, a TNLP4 (Telemar PN). Investindo sempre me baseando em gráficos, comprava e vendia seguindo os sinais. Mas a forma de operar me tomava um bom tempo, precisava acompanhar constantemente o mercado. Resolvi testar uma outra forma de operar, usando opções para ganhar um rendimento superior ao da Renda Fixa, mas com ações, e que fosse tranquilo como ela.

Como comecei a operação ? Acompanhei o gráfico da TNLP4 como costumava fazer, aguardando por um sinal de compra, que apontaria uma valorização do papel. Assim que o sinal surgiu comprei todo o meu capital deste papel. A minha idéia era vender uma opção dela, com o strike mais próximo possível, eu comprei por R$ 35,80, portanto decidi vender opções TNLPG36 (G referente ao mês de Julho, e 36 para vencimento a R$ 36,00). Minha idéia era só rentabilizar o meu capital direto, sem precisar me preocupar com as cotações, se tinha ou não sinal de queda ou de alta … queria me “desligar” um pouco disso.

Estava pronto o início da operação. Agora o que eu precisava fazer ? “Nada”, precisava somente aguardar o tempo passar.

– ” Certo … quer dizer que era só isso e pronto ? ”
Não

Esta venda me geraria um rendimento para o mês de Junho, quando a operação foi iniciada, mas eu gostaria que ela me gerasse um bom rendimento todos os meses. Como fazer isso ? Rolando a operação para o vencimento seguinte !

Rolar … como assim ? Lembra-se que eu vendi a G36, correto ? O que eu precisava fazer, comprar a mesma G36 pelo preço que estivesse, e vender a série seguinte, que era a H36. A minha venda de G36 foi feita por R$ 1,70, a minha compra por R$ 5,15.

” Mas isso foi prejuízo, e não lucro ! ”

Se olharmos esta operação sozinha sim, mas a rolagem consistem em comprar a vendida, e vender a seguinte. A H36 foi vendida por R$ 5,71. Com isso minha operação já contabilizava “lucro” de R$ 2,26. E fui fazendo isso durante os nove meses de operação … rolagem após rolagem. R$ 0,77 de lucro na próxima, R$ 0,84 na seguinte, R$ 0,89 na outra, R$ 0,90, R$ 0,40, 0,57 …

Mês após mês de rolagens o lucro foi subindo. Alguns mais, outros menos … O meu objetivo era sempre conseguir algo próximo de R$ 0,70 em cada rolagem, em alguns consegui mais, outros menos, mas a média foi de R$ 0,87 !

” Mas você precisava acompanhar o mercado para efetuar esta rolagem … senão como saberia qual a diferença entre uma série e a outra ? ” – Fiz uma planilha no Excel, que me fornecia direto qual era a diferença para a próxima rolagem. Quando chegava no valor desejado, ligava para a corretora e fazia a operação. Uma coisa é ficar olhando os gráficos, cotações, tendo que tomar decisões … outra era olhar somente um número “R$ 0,77”, “R$ 0,84″ … Não tem comparação …

” Mas por que um mês dava mais, o outro menos … ? ” – Isso dependia um pouco da cotação do ativo TNLP4 e de quantos dias faltavam para o vencimento, em outro momento diminuiu um pouco o rendimento da rolagem pois a TNLP4 subiu bastante, se distanciando dos R$ 36,00. Poderia ter deixado me exercerem, recomprando TNLP4 em seguida no mercado, e vendendo uma nova opção próxima do valor comprado. Isso ajustaria a operação, fazendo com que o rendimento voltasse ao patamar de R$ 0,70.

Não quero que você decida iniciar esta operação agora, só porque leu aqui que funcionou, que deu certo, que deu um ótimo retorno. Quero que você veja o que foi dito, que faça sua lição de casa (lendo livros sobre o assunto opções por exemplo, logo abaixo faço a indicação de 2), que faça suas simulações, para ai sim – caso mostre-se lucrativa – você a faça.

Alguns poderão me perguntar porque parei … parei porque adotei uma nova forma de operar, que me possibilitava uma tranquilidade parecida com a que tinha na rolagem, direto em ações, porém com um retorno bem maior … mas isso é papo para outra hora. 😀

Sei que muitas dúvidas surgirão, sugiro que você não fique com elas para si, use o espaço para comentários … publique ela em nosso Fórum … mas não fique com elas. Com suas dúvidas o texto poderá ser melhorado, facilitando desta forma o aprendizado de outras pessoas. 😉

No momento em que meu patrimônio atingir uma marca já estabelecida, voltarei a utilizar este tipo de operação para uma fatia bem considerável dele. Afinal, mostrou-se um bom investimento, com boa rentabilidade e acima de tudo tranquilidade.

Abraços !

Indicação de Leitura:

Opções: do Tradicional ao Exótico
Ganhando Dinheiro com Opções
Fique rico operando opções