Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Nunca mais fique sem dinheiro

Muito se fala sobre como se ter dinheiro nos livros que falam sobre como se ter dinheiro.

Falam sobre muitas coisas, mas confesso que nunca vi um livro que focasse única e exclusivamente no fator “orçamento”. Você já ?

Bom … na verdade eu não tinha visto. 🙂

Ok, “praticamente todos falam”. Mas apenas falam … Mas desta vez eu li um que foca nisso ! E convenhamos … isso é fundamental !!

É o orçamento doméstico, junto com um plano de metas, que nos permite planejar adiante. Sem ele, nada feito. Sem saber o que realmente está acontecendo, e para onde queremos ir, uma tarefa que devia ser normal, se transforma em algo Hercúleo …

E confesso de que gostei do que li. Uma estratégia que encara de forma realista a confecção e manutenção de um orçamento. Afinal de contas, a vida é assim. Não dá para ser levada a ferro e fogo, é preciso ter alguma mobilidade para que possamos nos adequar às mudanças do dia a dia. Não concorda ? 😀

No livro “Nunca mais fique sem dinheiro“, o autor Jesse Mecham, nos apresenta as 4 regras que formam os pilares da sua estratégia:

#1 – Dê uma função ao dinheiro: tenha um objetivo em mente;

#2 – Aceite as suas despesas reais: quite as suas dívidas;

#3 – Aprenda a levar porrada: prepare-se para gastos inesperados;

#4 – Amadureça o seu dinheiro: junte grana

Sim, elas parecem ser simples. Mas parecem por um único motivo: elas são simples. 🙂

Se você prestar atenção, tudo o que realmente funciona, de verdade, é baseado em regras simples. Tudo que é muito complicado, muito complexo, muito cheio de regras, acaba piorando sua eficiência. Se for simples o suficiente para você seguir, sem ficar tentado a mudar só um pouquinho, para … facilitar as coisas, e fizer parte de uma estratégia testada ao longo do tempo, é mais de meio caminho andado. 😀

E sim, as 4 regras são simples o suficiente para que você não fique tentado a mudar alguma coisa. 😉

Claro … um ou outro ponto do que foi apresentado no livro pode não se encaixar na realidade brasileira. Exemplo ? Lá nos EUA a taxa de juros para o cartão de crédito também é de 15% … mas é 15% ao ano !!!! Aqui no Brasil a taxa é de 15% mensais !!! 🙄

Você deixar algo numa dívida que come o seu dinheiro desta forma, não pode ser encarado como possibilidade.

Em certa parte do livro o autor dá a entender que em alguns casos, para atender um de seus objetivos, você poderia deixar de pagar a fatura integral do cartão … O estranho é que no restante ele põe o pagamento das dívidas como uma prioridade. Fiquei com a impressão de que ele prioriza os objetivos (“sonhos”).

Ok, em uma situação onde você paga pouco mais de 1% ao mês para “arcar com os custos” do seu grande sonho, até poderíamos aventar a possibilidade. Mas aqui, onde o custo disso poderia ser perto de 15% ao mês ???? Não não !!! 🙁

Mas para você ver o quanto me agradou a leitura, este foi o único ponto que merece meu destaque “negativo”. (que está mais para neutro, por causa da realidade que ele vive nos EUA, hehehe)

Se você tem apanhado na criação e manutenção do seu orçamento doméstico, acredito que esta leitura te ajudará. E ajudará MUITO ! 😀

 

Nota do Site:
5 Moedas

Nunca mais fique sem dinheiro
Jesse Mecham

Editora: Haper Collins
Ano: 2019
Edição: 1
Número de páginas: 240
Acabamento: Brochura
Formato: Médio

Maldito IOF !! Ele comeu o meu rendimento !!

Não, não é assim que a coisa funciona. Pode respirar, pode ficar tranquilo. 🙂

Eu sei que muita gente se assusta ao ver um extrato de uma aplicação em renda fixa, em seus primeiros dias de aplicação, e repara que o rendimento esperado não está lá …

Olhando com mais cuidado, a pessoa repara que quem está “mordendo” o lucro é o famigerado IOF. É … 🙁

Mas calma, este é um tributo que foi criado para “atrapalhar a vida” dos que costumavam ficar pulando de galho em galho. Foi instituído para “forçar” os investidores a permanecer ao menos 30 dias com o investimento em carteira. Sim, pois como os investimentos onde o IOF incide, apresentam rentabilidade diária, muita gente ficava alguns poucos dias com aquele investimento em mãos e depois pulava para algum outro.

O IOF é o “Imposto sobre Operações Financeiras“, ele incide sobre operações de crédito, seguros e operações com recursos no exterior. Nos investimentos ele tem uma característica especial: é regressivo. Isto é, a cada dia que passa, você vai pagando um percentual meno do imposto, até chegar a zero no 30º dia.

São investimentos sujeitos ao IOF: CDB, Letras de Câmbio, Fundos DI, Fundos de Renda FixaTesouro Direto.

Como dito, você só pagará o imposto se resgatar a aplicação antes do 30º dia. A “regressabilidade(inventei a palavra agora) obedece a seguinte tabela:

Dias % do rendimento
1 96%
2 93%
3 90%
4 86%
5 83%
6 80%
7 76%
8 73%
9 70%
10 66%
11 63%
12 60%
13 56%
14 53%
15 50%
16 46%
17 43%
18 40%
19 36%
20 33%
21 30%
22 26%
23 23%
24 20%
25 16%
26 13%
27 10%
28 6%
29 3%
30 0%

 

Sim, o imposto incide apenas sobre o seu rendimento. O valor original nunca será afetado pelo tributo. 🙂

Não falei que você podia ficar tranquilo ? 😉

A mordida será percebida apenas durante o período inicial, apenas nos primeiros 30 dias do investimento. E de forma cada vez mais leve.

“Zé, então se pretendo retirar antes de 30 dias, deixo o dinheiro parado na conta ?”

Não, não deixa não. 😀

Mesmo já sabedor de que o IOF irá comer parte do seu rendimento, você sabe que é somente sobre o rendimento. Então … é melhor abrir mão de parte do rendimento, e ganhar alguma coisa, do que deixar o dinheiro parado na conta sem obter nada por ele. 😉

Além disso, pode ser que você não venha a precisar resgatar antes dos 30 dias. Com isso, não haverá incidência alguma do IOF e a rentabilidade do período seja integralmente sua.

De novo: o IOF incide somente sobre a rentabilidade e vai diminuindo a cada dia que passa, até completar 30 dias de “vida”. 🙂

Educação Financeira ao alcance de todos

Você pode dizer o que quiser – que o Brasil é um país marcado pelas desigualdades sociais, que uns tem mais oportunidades que outros, mas com isso terá que concordar: A Educação Financeira está ao alcance de todos, sem distinção de cor, classe social, credo ou nível educacional.

Poderá argumentar que “não é bem assim …”, e terá como resposta “sim, é assim sim.”. O que pode não estar ao alcance de todos são algumas ferramentas de investimento, mas a Educação Financeira como ferramenta para manter o orçamento em dia e, porque não, ter uma melhor qualidade de vida, está.

Sempre foi assim, e por incrível que pareça, quanto mais fácil se torna o acesso a material destinado ao aprendizado deste assunto, mais longe parece ficar. Todos têm acesso ao imenso conteúdo da internet, desde os mais pobres até os mais ricos, dos mais velhos aos mais novos … mas mesmo assim parece que nunca foi tão “difícil de se aprender” …

Uma questão de … … … PRIORIDADES !

Argumentam que mesmo existindo toda uma gama de fontes sobre o assunto na internet, a maioria não tem como consultar este material. Ou por não ter computador, ou por não ter acesso à internet ou por mera falta de tempo. Engraçado … para o Facebook … WhatsApp … sites de fofoca … para isso todos encontram um “jeitinho”. Já imaginou se as pessoas fossem atrás de informação sobre como manter um orçamento “redondinho” da mesma forma que vão atrás de notícias sobre quem fulana está namorando, ou em qual loja fulano foi visto … Isso nada mais é do que definir prioridades, e infelizmente Educação Financeira (e pior, como um todo também …) não está no topo delas.

A grande maioria usa a desculpa de que não tem dinheiro, então porque “perder tempo” indo atrás de material relacionado com ele ? Que pena … não sabem que é muito diferente disto. (não sabem ou fingem não saber para poder continuar levando a vida exatamente como vêm levando …)

Não sabem que com o auxílio da Educação Financeira poderiam mudar por completo seu estilo de vida? Que poderiam sair do vermelho ? Que poderiam ter a vida que sempre sonharam … mas que pouco fizeram para realmente conquistar … ?

Mas isso pode mudar !

Mas a melhor parte disso tudo é que tudo pode mudar, e mais rápido do que muitos pensam. Um dos destaques da Educação Financeira é justamente o fato de que você não precisa ter tido um treinamento sobre o assunto desde sempre. Se, infelizmente, você só está tendo acesso agora, não importa. Nunca é tarde para aprender e pôr em prática os conceitos dela.

Claro, quem iniciou seu aprendizado ainda pequeno “leva uma vantagem” sobre quem só poderá começar quando adulto. Qual ? Teoricamente já tem suas contas em dia, já está no rumo certo. Quem começar mais tarde poderá encontrar este obstáculo, mas nada que alguns meses de dedicação não resolvam.

Como eu disse, ela é democrática, aceita todos, todos podem obter seus benefícios, basta querer. Basta ter vontade de mudar. Basta dar um basta !

Na minha opinião, existe uma frase que se encaixa perfeitamente no contexto. E tenho certeza que ela não foi dita pensando na sua vida financeira … 🙂

 

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.

Chico Xavier
(1910-2002)

 

Leia, releia, reflita, entenda. Nesta frase está escondido o segredo para o sucesso.

Mude, caso ainda seja necessário. Torne o dia de hoje o dia que mudou sua vida, que mudou o rumo dela.

O Tesouro Direto é realmente tão mais vantajoso que a Poupança ?

O post de ontem (Perdi dinheiro com o Tesouro Direto !!! Como !!???) trouxe o debate à tona. Portanto, nada mais justo do que resgatar este texto de dezembro de 2017. 😉

Acredito que ele só virá a acrescentar à discussão. 🙂

—–

Muito se fala (e bota muito nisso !) sobre as inúmeras vantagens do Tesouro Direto em relação ao investimento em Caderneta de Poupança, e claro que que o rendimento é sempre a 1ª vantagem a ser listada.

Mas … será que o rendimento do Tesouro Direto é realmente tão superior ao da Poupança ?

Tentarei listar neste post 5 pontos que farão com que precisemos rever nossos conceitos sobre o assunto.

Vamos lá ?

#1 – O rendimento propriamente dito

Ah, o Tesouro SELIC rende mais que a Poupança !! Ele rende 100% da SELIC, enquanto a poupança apenas 70% …

Sim, isso é verdade. Mas, você está lembrado que a Poupança é isenta de IR ? É. E isso pode fazer alguma diferença no final das contas.

Hoje, com a SELIC em 7% ao ano, a regra da “nova poupança” está ativa e graças a isso ela rende apenas 70% do valor da nossa taxa básica de juros. Mas, mesmo rendendo pouco, ela ainda continua oferecendo isenção do Imposto de Renda sobre o lucro. Para alguns só isso já seria justificativa para largar tudo e ir para a Poupança. Mas como você já viu aqui no Clube, antes de pensar nisso você precisa fazer algumas continhas bem simples … Continhas que nos permitirão comparar os retornos de todos os investimentos.

Você se lembra como devemos calcular o IR de investimentos de renda fixa ? Sim, através daquela tabela que leva em conta o tempo de “vida” do investimento:

Tabela de Imposto de Renda para Investimentos de Renda Fixa
Prazo de Aplicação Alíquota de IR
Até 181 dias 22,5%
de 181 dias até 360 dias 20%
de 361 dias até 720 dias 17,5%
Acima de 721 dias 15%

 

Com ela, vemos que um investimento no Tesouro Direto, feito há menos de 6 meses, apresenta uma alíquota de 22,5% sobre o lucro que for obtido. Ou traduzindo em miúdos, o retorno de um investimento feito em Tesouro Direto para um período inferior a 6 meses é de 77,5% da SELIC. Se for até 1 ano, o IR cai para 20% e o retorno sobe para 80% da SELIC.

Quanto mesmo que rende a poupança … ? 70% da SELIC.

É … a “incrível” diferença entre TD e a Poupança é de 7,5% pp em relação à SELIC ! Ou aproximadamente 10% a mas de de lucro. (no valor do retorno propriamente dito, e não sobre o montante original … Ok ?)

Sim, 10% de diferença, no longo prazo pode ser MUITA coisa. Mas estamos pensando num período de 6 meses … Certo ? Em 6 meses, R$1 mil se transformariam em R$1.024,85 na Poupança (4,9% ao ano) e em R$1.027,31 no Tesouro SELIC (5,43% ao ano) … R$2,46

É dinheiro a mais ? É … mas pode ser que “não seja”.

#2 – Não se esqueça das taxas …

É, as tão queridas e amadas taxas.

Não importa se você estiver usando uma corretora que oferece isenção de taxa para o Tesouro Direto, pois a taxa do Tesouro continua existindo. 0,3% ao ano. Se a sua corretora não trabalha com taxa 0, acrescente 0,5% nas contas … Sim, totalizando 0,8% ao ano de taxas.

Em algo que rende 5,43% ao ano, 0,8% faz MUITA diferença. O retorno cairia para apenas 4,63% ao ano. Se for isento da taxa da corretora, para 5,13%.

Isso mesmo … Se você usa uma corretora que cobra pela custódia, você receberá um rendimento inferior ao entregue pela Caderneta de Poupança !! Se for com taxa 0, apenas 5% a mais.

#3 – Vai gastar com TED ?

Se já estava ruim, por que não piorar ? Sim, isso pode acontecer …

Basta que a corretora com qual você trabalha não seja ligada ao seu banco para que você corra o risco de ter que gastar para fazer transferências dele para ela … E quanto é que ele cobra de você ? Depende … mas algo próximo a R$10 não seria um chute ruim. 🙁

Claro, você pode ter conta em um banco digital que não te cobre para fazer um TED, mas convenhamos … não é este o padrão. A grande maioria da população brasileira ainda tem seu dinheiro ligado a um banco “tradicional”. Provavelmente à Caixa ou ao Banco do Brasil … E é quase certo que não usarão as corretoras ligadas a eles se quiserem investir no Tesouro Direto. (as chances de que o seu gerente diga que não existe TD e que vale mais a pena colocar sua grana num título de capitalização são grandes !!)

#4 – Ah, mas e o Tesouro IPCA e o Prefixado ?

Sim, eles oferecem um rendimento superior ao do Tesouro SELIC. Mas como você já sabe, eles têm um lado “renda variável” que afeta quem precisa usar o dinheiro lá aplicado antes da data de vencimento …

Se já estamos vendo que a diferença do retorno é pequena, o que falar da possibilidade de sair com menos dinheiro do que quando entrou ? 🙄

Complicado … Não ?

#5 – O aporte mínimo

Muito se fala sobre o aporte mínimo do Tesouro Direto. Com apenas R$30 você consegue começar a investir nele …

M-E-N-T-I-R-A !!! Ou ao menos uma meia verdade. 🙂

Somente o Tesouro IPCA e o Prefixado permitem que invistamos apenas R$30, justamente os que não estamos interessados nesse momento … Para investirmos no Tesouro SELIC será preciso termos pouco mais de R$90 ! (R$92,66 para ser mais exato)

Já a Caderneta de Poupança … Ela nos permite investir QUALQUER valor. Não importa quão grande ou quão pequeno ele seja.

E como já falamos em outras oportunidades (veja o vídeo), pode ser que este seja um valor elevado para você …

Concluindo …

Sim, a poupança paga mal. Muito mal. Mas apenas dizer que o Tesouro Direto é melhor, que paga mais, que quem permanece na Poupança é uma pessoa BURRA (sim, já vi muita gente falando isso …), é algo que mais atrapalha do que ajuda o brasileiro a criar o hábito de poupar, o costume de investir.

Pode ser que para o seu caso o investimento Caderneta de Poupança mostre um retorno superior ao do Tesouro SELIC, como mostrei nestes 5 pontos aqui a listados. E como cada caso é um caso, você precisa analisar a SUA SITUAÇÃO para poder concluir se essa afirmação é mesmo verdadeira.

O mais importante para quem tem Educação Financeira não é ir para onde os outros dizem ser melhor. O que realmente importa é saber os motivos que fazem com que algo seja, ou não, melhor do que um outro investimento e apenas após isso decidir se realmente é.

E o que te permite fazer isso ? O conhecimento … 😉

Agora já posso comprar um carro !! Posso ?

Um dos maiores símbolos de status e “maioridade” da cultura nacional é o nosso querido amigo carro. Quantas e quantas pessoas você conhece que sonham em ter um desde jovem ? Quantas são as pessoas que você conhece que ao atingir 18 anos já traçavam seus planos em relação à aquisição de um automóvel ?

Não temos como negar: para muitos, um carro é o símbolo de que conseguiu chegar lá, que a partir do momento em que possui um, já manda no próprio nariz, é sinal de liberdade, de que atingiu a vida adulta. De que agora nada mais pode nos segurar. 🙂

Sim … eu até posso (aparentemente) ter exagerado um pouco … Mas saiba que para muitos a coisa funciona exatamente assim. Deus no céu e um carro na garagem. Amém !

Você pode observar: a pessoa consegue o primeiro emprego, as coisas começam a melhorar um pouco (em relação ao $$$) e os planos de compra de um possante já entram em ação. Planos e contas, claro. 😉

Para alguns, um sonho distante. Para outros impossível. Para alguns … um pesadelo. 🙁

Mas o desejo está lá. Eu quero um carro. Eu terei um carro ! Eu posso ter um carro !! 😀

Posso ?

Como disse, basta conseguir o primeiro emprego, bastam as contas começarem a entrar nos eixos, basta começar a sobrar um troco para que os cálculos comecem.

“Quanto sobra mensalmente do meu salário ?”, “Com R$500 mensais eu já posso comprar um carrinho legal !”, “Novo ou usado ?”, etc etc etc … São as perguntas que mais vemos serem feitas por quem está pensando em comprar um carro. Os números estão favoráveis. Ele já pode comprar um !! 🙂

Claro que pode ! Basta fazer um financiamento … 4 ou 5 anos e o carro já estará quitado ! “Tenho uma sobra de R$500 no meu orçamento, isso é suficiente para pagar a parcela do mês.” Show !!

Não é assim que a coisa funciona ? Basta que você tenha a disponibilidade de caixa para pagar a parcela do mês e pronto: o carro é seu ! 😀

Não ?

… e o combustível ?

É verdade … E o combustível ? A sua sobra de caixa de R$500 é suficiente apenas para pagar a parcela mensal do financiamento … 🙁

Pensa daqui … Pensa dali … Pronto, a solução aparece: o dinheiro que é ganho de vale transporte é suficiente para arcar com os gastos mensais com o combustível !! Fantástico !

Pronto ! Tenho dinheiro para pagar o financiamento e o combustível. Mais nada pode me impedir de comprar o meu tão sonhado carrinho …

Não ?

… onde vai estacionar ?

É verdade … Onde estacionarei o carro ? A dúvida é válida tanto para o estacionamento residencial, quanto para o local de trabalho …

Não são todas as residências que “permitem” que você estacione na rua, em frente à sua casa. O mesmo pode ser dito para o seu local de trabalho. Existem locais que simplesmente não oferecem esta possibilidade. Seja por motivos de segurança ou pela indisponibilidade de estacionamento propriamente dito.

Portanto … você terá mais um gasto: o estacionamento. Que tal uns R$250 mensais para isso ? É … esse é o valor médio de uma vaga de garagem (aluguel, mensalista em estacionamento rotativo, etc) aqui em Floripa. Tem como arcar com esse custo extra ? Não precisa ? Que bom ! 🙂

Agora já está liberada a compra do carro !

Não ?

… e o IPVA ?

É verdade … E o IPVA ? A sua grana está contada … Lembra ? Só tem o suficiente para a parcela do financiamento e o da gasolina … De onde vai arranjar para o IPVA ? Ao menos uns R$600, por ano, serão necessários para isso …

Sim, você precisará de pelo menos R$50 mensais para ficar em dia com as taxas e impostos do seu carro …

Você pensa … Lembra da necessidade e do desejo de se ter um carro … R$50 … Pensa … e enxerga a possibilidade de cortar em algum lugar, liberando os R$50 necessários. Vai ficar super apertado … Mas é o seu desejo ! É a sua necessidade !!

Pronto ! Já tem o dinheiro para a parcela mensal, para o combustível, não precisará arcar com o custo de uma vaga de estacionamento, e já desenterrou o necessário para pagar o IPVA. Já está pronto para comprar o carro !?

Não ?

… e a manutenção ?

É verdade … E a manutenção ? Putz … 🙁

Em uma pesquisa rápida, realizada no Twitter do Clube, levantamos o quanto foi gasto no ano passado com a manutenção do carro. Confesso que o resultado me assustou … Os valores gastos estão bem acima do que eu havia imaginado ! 😯

Talvez por terem sido bem acima do que eu gasto anualmente (em média) com o meu. R$2000 (adotei esse valor como sendo a “média”) gastos anualmente com a manutenção ?! Caramba !!!

Você está preparado para destinar R$170 mensais para uma poupança manutenção ? É perto disso que precisará para ficar em dia com o possante …

A coisa está ficando complicada, a compra começa a ficar cada vez mais distante …

… e o seguro ?

É verdade … E o seguro ?!

Caramba, mais isso ? Mais uns R$1200 anuais ? Mais cenzão por mês ? De onde arranjar isso ?

Não tem ? Não vai ter seguro ? E se acabar se envolvendo em um acidente ? E se for assaltado ? E se … ? Infelizmente é o tipo de gasto que torcemos para não ter utilidade, que não precise ser usado. Mas … como diz o nome, é um seguro. É para se proteger …

Não vai contratar ? Vai assumir o risco de se meter em uma bela encrenca ? Ou pior … correr o risco de perder o carro, caso se envolva em um acidente maior, ou até mesmo de roubarem ele … 🙁

É … não é só o financiamento !

Esse é o problema ! A maioria das pessoas que pensa em comprar um carro, e que enxerga apenas a parcela mensal do financiamento como a barreira para se comprar um carro, deixa de ver que a compra de um automóvel envolve uma gama de variáveis, uma lista de gastos extras e que são obrigatórios …

Enxerga a parcela pura e simples, e se esquece de todo o resto …

Somou os “extras” ? Viu que o valor deles é quase igual (se não superior …) ao que será gasto com a parcela do financiamento ?

Entendeu o “pesadelo” que falei lá no começo ? 🙁

A compra de um carro é algo que precisa ser muito bem analisada. Muito bem pensada. Muita reflexão … Infelizmente não é uma conta simples, e muito menos barata.

Mas me diga: você pensou em tudo isso na hora que comprou o seu carro ? Os valores apresentados combinam com o que você costuma desembolsar mensalmente ?