Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

E a posição vendida pelos gringos no índice futuro que não para de subir ?

Você que acompanha o Clube sabe a importância que dou aos dados referentes aos gringos na nossa Bolsa. Já conhece a minha opinião sobre o assunto, eles são o nosso motor.

Quer você concorde ou não, são eles quem movimentam a Bolsa e ponto final. Dia de feriado lá fora é dia parado por aqui …

É preciso que haja uma entrada massiva de capital estrangeiro para que a nossa Bolsa realmente ande e passe a apresentar desempenho altista. Não é a toa que em 2017 o saldo referente à entrada deles seja positivo em quase R$15 bilhões. Só para lembrar, a alta acumulada este ano é de 27,28% até o pregão do dia 11/10.

Sim, estou dizendo que eles são os principais responsáveis pela alta vista este ano. (e pelas altas anteriores)

Mas os que acompanham também viram um dado referente aos gringos que vai na direção contrária e que poderia entrar em contradição ao que falei acima. Eles têm vendido contratos de índice futuro como se não houvesse amanhã …

Estranho … pois se acreditam na alta, por que vender índice futuro da nossa Bolsa ? 🙄

HEDGE, alguns dirão. Pode ser, direi eu. Mas a minha observação de anos não aponta nessa direção não.

No post “A posição dos gringos em Índice Futuro, para que serve ?” falo sobre como interpreto a informação apresentada pelo saldo da posição dos estrangeiros em relação ao índice futuro. No texto levanto a possibilidade de que usam o futuro não como hedge, mas sim como mais um ativo qualquer. Compram quando acha que sobe, vendem quando acham que cai.

Claro … uma parte tem a finalidade real de hedge, foi para isso que foi criado. Mas a grande maioria o usa como ativo puro e simples. Me diga, você que opera índice futuro … opera como ? Compra quando acha que sobe e vende quando acha que vai cair. Não é mesmo ? Por que eles fariam diferente ? 😉

Sim, estou dizendo que usam como ativo direcional e não como hedge. Querem tirar proveito de uma ferramenta alavancada e de extrema liquidez. E é justamente esse o ponto chave para a “solução do problema” apresentado acima.

Pense comigo: você precisa injetar (literalmente) bilhões de dólares no mercado brasileiro. Acredita que as coisas lá irão melhorar e que nos próximos anos poderá colher os benefícios dessa aposta. Fará tudo de uma vez, numa única tacada ? Acredito que não … Concorda ?

Se fizer isso muito rápido, movimentará o mercado de maneira desproporcional e não poderá aproveitar por completo o movimento imaginado. As compras precisam ser feitas aos poucos (é, R$15 bilhões em 10 meses é aos poucos, hehehe) para não explodir com tudo de uma vez só. A liquidez do nosso mercado de ações é pequena e por isso eles têm que vir mais devagar do que gostariam.

Vão injetando dinheiro … e mais dinheiro … e mais dinheiro. Dificilmente poderão aproveitar as “pequenas” oscilações do mercado. Lembre-se que manobrar um porta-aviões é mais difícil do que uma lancha.

Eles não têm como entrar com bilhões de reais num dia e retirar os mesmos bilhões na semana seguinte. É uma estratégia que exige calma e visão de longo prazo.

Compreendido ? Agora me diga: como eles poderiam aproveitar as oscilações que ocorrem nesse meio tempo ? Como poderiam aproveitar um movimento de correção um pouco mais forte e que justificasse sua dedicação e esforço ?

Quem pensou no índice futuro acertou

Por ser um ativo de extrema liquidez e alavancado, é possível para um investidor de grande porte entrar e sair da Bolsa com posições gigantes quando vislumbrasse oportunidades mais “curtas”. Claro … Não se movimentarão por conta de uma alta/queda de 1.000 pontos. Mas por algo maior … Por quê não ?

Então, pensando nisso, por que teríamos uma posição de quase 65 mil contratos vendidos no índice futuro ? Afinal a Bolsa está em alta, rompendo topos e fazendo um novo topo histórico por dia. Não seria muito mais lógico que estivessem comprados, aproveitando a alta atual ?

Era exatamente isso que eles estavam fazendo até pouco tempo atrás. No final de junho chegaram a ter 180 mil contratos comprados no índice ! Sim, justamente quando o mercado começou a se recuperar (de verdade) do susto gerado pela operação freeboy.

Chegaram a ter este caminhão de compras e foram se desfazendo aos poucos enquanto o mercado subiu. Desfazendo e subindo. Desfazendo e subindo … Até chegar o momento que zeraram por completo e passaram a apresentar uma posição vendida.

O que eu acho ? Montaram uma bela posição na venda na expectativa de um movimento corretivo mais forte. Seja por algum motivo interno, seja por algum motivo externo. Eles acreditam que algo mais forte, e que poderá interromper a sequência de altas, está chegando. Eleições ? Juros Americano ? Guerra com a Coreia do Norte ? China ? …

Eu não sei o motivo. Só sei que é nisso que eu acredito. É esse cenário que estou “desenhando”. Vou tentando aproveitar a alta enquanto é possível. Focando na venda de PUTs(se não sabe o que é, sugiro que conheça o meu curso sobre Opções, o Double PUT Double CALL) Mas com um olho na missa e o outro no padre, esperando por alguma sinalização de reviravolta neste cenário.

A posição vendida pelos gringos no índice futuro continua aumentando. E você pode ter certeza que assim continuará até a hora em que a correção vier, ou será encerrada na hora que mudarem de opinião. (alternativa que não acredito muito não …)

A elevada posição vendida no índice futuro, a meu ver, não é um hedge usado pelos gringos para sua posição comprada em Bolsa brasileira não … É apenas uma operação que visa tirar proveito de um possível movimento de correção que estaria por vir.

Essa é a minha opinião. É assim que eu enxergo as coisas. E você ?

 

Um convite

Conheça o “Minha primeira vez na Bolsa“, o meu mais novo curso que lhe permitirá estrear seus investimentos em Bolsa. 😉

STOP automático é 100% de certeza de tranquilidade ?

Pergunta:

Boa noite.

Parabéns, muito bom o site.

Gostaria de tirar uma duvida com relação a compra de ações Day Trade.
Por exemplo, se eu agendar uma compra no dia anterior para o dia seguinte no valor de R$ 10.000,00 em um determinado ativo.
O valor esta em R$ 10,00, eu faria uma compra de 1000 ações.
Programo um start de compra de R$ 0,02 acima do valor de fechamento do dia atual, R$ 10,02 para o dia seguinte e a venda até encerrar o pregão e um stop loss de R$ 0,02 abaixo do meu valor de compra, R$ 9,98
O meu risco total seria de R$ 20,00 e mais a corretagem correto ?
Ou, pode acontecer do stop loss falhar ? Se houver um gap corro risco também ?

Obrigado.

Willian

Resposta:

Bom dia Willian,

Pelo o que entendi você gostaria de “automatizar” o processo de operação de um daytrade. Isso ?

Sinceramente ? Tem tanta coisa que pode dar errado … 🙁

Principal motivo: STOP muito curto … Mas vamos lá. 😉

Ao indicar ao sistema uma compra de 1.000 ações com o preço acima dos R$10,02, você corre o risco de entrar a qualquer preço. (literalmente falando) Alguns sistemas permitem que seja inserido um valor limite para essa entrada, mas eu não sei lhe dizer se é um padrão …

Já pensou você deixar esta ordem de compra e no dia seguinte o papel abre rasgando em alta, aos R$10,50 (por exemplo) ? Só que imediatamente após a abertura some a ponta compradora e a melhor oferta fica somente nos R$10,30 … O seu STOP estaria lá nos R$10,48, lembra ?

Alguém que havia comprado no dia anterior, por R$10,00, acha que o R$10,30 oferecido lhe satisfaz e vende por esse preço. Neste momento o sistema reconhece que é hora de seu STOP entrar em ação.

Ele colocará uma ordem de venda por R$10,48 ou venderá no comprador ? Admitindo que ainda existe disponibilidade de compra pelos R$10,30 … você aceitaria vender por este preço ? 20¢ (R$200) de prejuízo mais corretagem.

Mas, e se da mesma forma que ao sumir o comprador na abertura, a próxima ordem de compra estiver apenas nos R$10,10 ? O sistema de STOP vai lá e vende sua posição e você assume um prejuízo de 40¢ (R$400) mais corretagem.

Ou ainda pior … ele deixa a sua ordem de venda lááá nos R$10,48 e o papel inicia um processo de correção e fecha aos R$9,75 …

Como seria ? 🙄

Claro … Estou traçando um cenário hipotético, hecatômbico, em uma ação com pouca liquidez. Mas que é algo perfeitamente possível de vermos acontecendo. 🙁

Operar no daytrade é algo que exige atenção do investidor. Dedicação total e olho grudado na tela. 🙂

Claro … Quem opera daytrade dificilmente o fará em uma ação com baixa liquidez, você diria. Eu digo que já vi MUITA gente operando micos, com pouca liquidez, visando o daytrade.

Em uma ação com mais liquidez isso dificilmente aconteceria. Os saltos dentro do pregão são raros e quase inexistentes. Q-U-A-S-E … Talvez não na intensidade que apresentei, mas possíveis.

Outro detalhe é em relação ao tamanho do STOP. Para se operar no daytrade, com um STOP tão curto, é necessário que o ativo seja muito, mas MUITO líquido mesmo. Tipo dólar ou índice futuro do Ibovespa. Eu não consigo pensar em outro além deles.

E olha … mesmo com eles é algo curto demais. A chance de ver o STOP sendo acionado por qualquer “espirro” é enorme.

Minha sugestão: quer operar de forma mais automática ? Esqueça o daytrade e parta para operações um pouco mais longas. Operações de alguns dias … algumas semanas … Além disso, pense em usar um padrão de STOP um pouco maior, para evitar que ele seja acionado a todo momento. Com esse aumento no STOP perderá um pouco mais a cada erro, mas se fizer a coisa do jeito certo, evitará que seja acionado a toda hora e que crie inúmeras oportunidades de acionamento.

Espero ter lhe ajudado ! 🙂

Abraços !

 

ps: Adotar o uso de um STOP mais “gordo”, em uma operação que fuja do daytrade, é garantia de que tudo dará certo ? Infelizmente não …

Da mesma forma que o GAP da abertura, ilustrado no post, criaria uma distorção e poderia trazer “problemas”, um GAP de abertura para baixo também poderia morder o seu bolso de forma mais forte que a esperada. Digamos que fosse de 10¢, mas se abrir abaixo disso … ele seria acionado e a perda seria maior do que a imaginada/programada.

O STOP é uma ferramenta que nos traz mais segurança, mas infelizmente ela não tem como nos garantir 100% da que gostaríamos de ter. 😉

(sim, usei exemplos extremos … mas que considero como sendo importantes de serem apresentados)

Como anda o sell in may and go away em 2017 ? (setembro)

E 2017 continua sendo um ponto negativo para as estatísticas da estratégia “sell in may and go away“, parecendo não querer entregar as pontas de forma alguma. Quase 5% de alta no mês de setembro ajudam a reforçar essa impressão. 😉

Ok … em toda essa pernada de alta exposta no gráfico, o mês de setembro foi praticamente o único que tivemos algum tipo de correção mais visível. Se não fosse por ela, o mês teria fechado com quase 10% de alta !

Se … Se … Se … Nunca se esqueça: não existe “se” no mercado financeiro !! 😉

Mesmo com a correção o movimento apresentado neste gráfico, criado após o evento que ficará eternamente conhecido como “freeboy“, temos plotada na tela uma alta de dar gosto. Quase 20% em 4 meses … E sim, isso é um número BEM interessante. 🙂

O acompanhamento da estratégia terminará no mês que vem … E o que está apresentado no gráfico acima pode ajudar numa conclusão ainda mais interessante para os Touros. Ao menos o gráfico diário dá essa chance …

Já o semanal não é tão animador …

Indicadores esticados, zona de resistência (a linha horizontal cinza é o topo “histórico” antigo), e uma barra com fundo mais baixo do que o da anterior …

Normal ! Diário dizer uma coisa, semanal dizer “outra” … Em pouco tempo saberemos quem estava com a razão.

O mensal parece querer passar a mesma mensagem do semanal. Fechamento “em cima” da resistência …

Dois pontos importantes para acompanharmos nesse momento: 73 mil pontos, formando o suporte mais forte, e os 75 mil que abririam espaço para a retomada da alta.

Qual será o fim dessa história ? 😀

Aprendendo a usar o STOP na base da dor !

Existe uma ferramenta que é fundamental para todo e qualquer investidor que deseja proteger seu capital, não importando qual a estratégia adotada, tampouco a escola (fundamentalista ou gráfica) escolhida … O STOP é obrigatório e ponto final.

Volta e meia falo sobre sua importância aqui no Clube:

– STOP !!! – O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ?
– Problemas com o uso do STOP ?
– Quer operar alavancado ? Primeiro aprenda a usar o STOP !!

Falo e continuarei falando enquanto for necessário. 😉

E ontem me surgiu um pensamento interessante sobre o tema que preciso compartilhar com você.

Ele surgiu após um tweet enviado por um seguidor do Clube (já nos segue ?) e que dizia o seguinte:

Bah! hoje aprendi na dor a importância do Stop Loss!
 

Ao ler a mensagem direcionada a mim, perguntei:

Mas aprendeu usando, ou vendo que precisaria ter usado ?
 

E é a partir daqui que o pensamento que preciso dividir com você começa …

Existe alguma diferença entre aprender usando ou ver que precisaria ter usado ?

Sim, acredite. Na verdade, existe uma enorme, uma gigantesca diferença.

Ao se aprender algo pelo uso, você sentiu na pele a necessidade de tomar tal atitude, viu como funcionava, quais os efeitos de seu uso no seu patrimônio, na proteção dele.

Ao se aprender vendo que precisaria ter sido usado … Você realmente aprendeu ? Será ? Afinal de contas você ainda não usou, e seu não usou algo que precisaria ter sido usado, é porque ainda não compreendeu (e tampouco sentiu seus efeitos) exatamente todas as consequências geradas pelo uso.

Existe uma diferença absurdamente grande entre dizermos que aprendemos sobre a importância de algo, especialmente que tem como função proteger, por vermos a falta que fez, ou por termos usado e como ele nos protegeu. Por mais que você admita que entendeu os reais motivos que te exigem usar tal proteção, a lição só se mostrará como tendo sido plenamente compreendida a partir do momento em que você usar a proteção.

Se você vai lá, investe, e perde, para depois dizer “ah se eu tivesse usado o STOP !!”, sem tê-lo usado, quem te garante que usará na próxima oportunidade em que ele for exigido ? No máximo você pode afirmar que vivenciou a importância de seu uso. Mas dizer que aprendeu sobre a necessidade de uso, somente depois que tiver passado pela experiência completa: o STOP se fez necessário e você foi lá e fez uso dele.

A teoria é diferente da prática !!

Para algumas pessoas as duas coisas (usar e ver que precisava usar) têm a mesma importância e resultado …

Não ! Definitivamente NÃO !!!

A teoria é bem diferente da prática. Você ver que algo teria utilidade é importante. Mas você só compreenderá 100% de sua função a partir do momento em que se faz necessário.

Usando um exemplo bem bobo, mas que demonstra a diferença entre prática e teoria. Ok ?

Tenho uma filha de 5 anos, a Helena (que você já conhece se viu a página “Sobre” aqui do Clube). Até pouco tempo nós andávamos com ela no carrinho … E aqui cabe a pergunta: você já chegou à conclusão que a qualidade das nossas calçadas são mais do que péssimas ? Provavelmente … Mas você já sentiu na pele o quão ruins elas são ? Esburacadas, desniveladas, estreitas, com acesso precário (custava fazerem rampas de acesso decentes e não apenas rampas para dizer que existem rampas ?), etc etc.

Sempre achei que elas fossem ruins. Sempre achei que as pessoas que empurravam seus carrinhos de bebê, ou ainda pior … os que são cadeirantes, tinham problemas para usar as nossas belas calçadas. Via que eram ruins, mas só a partir do momento que passei a empurrar o carrinho da Helena senti o quão ruins eram.

Analogia tola … Talvez. Mas garanto que quem empurrou um carrinho (ou usa cadeira de rodas) sabe exatamente sobre o que estou falando. Sabe exatamente qual é a diferença entre ver que são ruins e sentir que são.

A mesma coisa acontece em relação ao STOP. Só no momento em que você usa é que você se dá conta de quão importante e fundamental ele é para a sua estratégia em Bolsa. Só após usar você sente todos os efeitos dele …

… e eles não são só bons não. Você sente na pela um misto de “ufaaaa” com “droga, perdi“.

Mas te garanto: é momentâneo ! Passa ! E depois você se dará conta que ainda está vivo e pronto para a próxima oportunidade. 😉

Acredite: ver a necessidade é diferente de usar e sentir na pele a sua necessidade.

Isso está sendo falado por uma pessoa que em 2005 não usou e que perdeu tudo o que tinha … (e que me levou à criação do método Double PUT Double CALL, mas esse é um papo para outra hora)

Sim, após não usar o STOP eu vi a necessidade. Mas garanto que só aprendi mesmo, depois de usar em uma outra oportunidade em que ele foi necessário e que graças a isso pude permanecer vivo no mercado para uma próxima oportunidade. 😀

Eu só aprendi, de verdade, quando fui lá e usei. Se não tivesse usado … teria falado “é, eu deveria ter usado … de novo“. Isso demonstraria que eu tinha aprendido a importância dele ? Pense, de verdade, sobre isso. 😉

 

Para encerrar, gostaria de compartilhar com você um pensamento que publiquei há alguns dias nas minhas redes sociais, mais especificamente no meu twitter e no meu instagram:

 

 

Sim, você pode copiar, compartilhar, dividir com quem realmente te importa. No futuro todos eles irão te agradecer. 🙂

Horário de Verão e a BM&F e Bovespa – 2017

A B3 -BM&F e Bovespa (prometo que uma hora eu consigo me acostumar com o novo nome) informou que devido ao início do horário de verão brasileiro, que entrará em vigor a partir do próximo dia 15 de outubro de 2017, alterará o horário de negociação de seus mercados nos segmentos BM&F e Bovespa.

Esta é uma mudança já tradicional e que ocorre também por conta do término do horário de verão dos Estados Unidos. O motivo ? Permitir que o horário da nossa Bolsa “coincida” com o do mercado americano. Ou que ao menos não fique tão distante …

A partir de 16 de outubro os negócios iniciarão às 10h e serão encerrados às 18h. Isso, não haverá after market enquanto o horário “especial” estiver sendo adotado.

Caso queira um maior detalhamento dos horários para cada tipo de mercado e segmento, confira no documento publicado pela própria B3 em seu site: Ofício Circular 012/2017-DO