Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

B3 (a antiga Bovespa) inova e anuncia algo inesperado em seu novo ticker !!

Acho que agora eu consigo me acostumar com a mudança de nome da nossa Bolsa. 🙂

Lembra da Bovespa ? Aquela que passou a se chamar BM&FBovespa após a fusão com a BM&F em 2008, e agora mais recentemente B3 com a fusão com a Cetip ? É … eu ainda não consegui me habituar com o nome novo e continuo chamando de Bovespa.

Coisa de velho saudosista, sabe ? 😉

Mas talvez agora eu consiga botar na cachola que o nome dela mudou e ponto final. Por quê ? Por um simples motivo … A nossa Bolsa emitiu um comunicado no dia de ontem informando que mudará o nome da ação negociada em pregão. De BMFBovespa para B3.

O “problema” é que a coisa não para por ai … e não seria esse o motivo para eu dizer que houve uma inovação. Concorda ?

Veja o anúncio publicado no twitter e veja com seus próprios olhos:


Reparou no detalhe ? B3SA3 !!!

Sim, há um número no meio do código do ticker da ação dela !! 😯

Por que estou tão surpreso ? Simplesmente por ser a primeira vez que uma ação usa um número no meio do código da ação. “Só isso” … 🙂

Ok … números não são uma “verdadeira” novidade dentro do código de uma ação, mas eles tinham uma função e posição específica dentro dele. Vamos refrescar a nossa memória em relação à formação do código de uma ação ?

XXXXY, sendo que as letras X são substituídas pelo código específico de cada ação (PETR para as ações da Petrobras, VALE para a da Vale, BBDC para as do Bradesco, ITUB para as do Itaú, etc etc etc), e o Y é substituído por um número que indica a classe da ação. As mais comuns são as ações com final 3 (ordinárias) e 4 (preferenciais), mas ainda existem outros tipos como as com final 11 (Units, como exemplo SANB11), 5 (preferenciais, como exemplo USIM5), 6 (preferenciais, como exemplo ELET6), 1 (direito de subscrição de ações ON) e 2 (direito de subscrição de ações PN).

Na parte referente ao código da ação propriamente dito, NUNCA houve uma ação que apresentasse um número dentro do código da ação. Uma inovação, literalmente falando, ou algo que somente não havia sido usado até então ?

Tentei me lembrar de alguma empresa que poderia ter feito uso de tal artificio, por conter um número em seu nome, mas não consegui encontrar nenhuma … Você tem alguma lembrança de um exemplo de empresa que poderia ter adotado a mesma codificação ?

Só sei que isso me chamou muito a atenção. 🙂

Mas me diga, o que foi que você achou ?

 

ps: se isso lhe pareceu grego, indico que você dê uma olhada no meu curso, o “Minha primeira vez na Bolsa“. 😉

“Eu não invisto em Bolsa porque é muito arriscado !!”

Se eu ganhasse para cada vez que ouvi essa justificativa, eu já teria o suficiente para comprar uma mariola …

São tantas e tantas e tantas pessoas que se “protegem” do fato de não investir em Bolsa por conta do risco envolvido neste mercado, que às vezes chego a pensar que optei pela alternativa de investimento errada. É tanta gente que alega o medo de perder o capital investido … Que não é “culpa” da falta de dinheiro para investir … Que não é culpa da falta de conhecimento para investir … Que é puro e simples medo de perder por causa do risco.

Uma pena … 🙁

As oportunidades que este mercado oferece de multiplicação do patrimônio são tantas, as alternativas (empresas) são tantas, as possibilidades são tantas … Não é possível que as pessoas realmente achem que o risco de perder seja mesmo o maior impeditivo para iniciar seu investimento em Ações. Não … Não é possível !!

E, aparentemente, acho que não estou tão errado não:

É … já temos quase o dobro de pessoas envolvidas no “investimento” em bitcoins, do que temos em Bolsa !!

Sim, 1 milhão de brasileiros já destinaram algum valor para o investimentos em criptomoedas. Dá para acreditar ? 🙄

Algo que surgiu há pouco tempo, que se popularizou (de verdade) apenas nos últimos meses, que saiu da faixa dos $800 para os atuais $16.500 em apenas 12 meses, já atrai quase 2x mais pessoas do que a Bolsa, investimento centenário, com empresas de todos os tipos e tamanhos …

Mas … não era o risco que impedia as pessoas de investir seu capital na Bolsa? Como pode então termos 1MM de pessoas “investindo” em criptomoedas ?

É … não é o risco que impede as pessoas de investir em Bolsa. Definitivamente não é.

As próprias pessoas que colocaram algum dinheiro em bitcoin, ao menos grande parte das que converso sobre o assunto, alegam saber que o investimento é de risco. Que estão apenas fazendo uma aposta. Colocando alguns “poucos” reais (o interessante é que vejo sempre citarem na casa dos milhares …), na expectativa de ver uma repetição do que aconteceu em 2017. Rendendo na faixa dos 2.000% (!!!!) a bitcoin é, sem sombra de dúvidas, um dos ativos que mais se valorizaram este ano.

Vai acontecer ? Veremos um repeteco ? Não faço a mínima ideia … Mas é a esperança de centenas de milhares de pessoas. Literalmente.

Na minha opinião eles não estão investindo. Na verdade estão fazendo uma grande aposta e torcendo para que a bolha não exploda. Apresentam argumentos mil para justificar o valor da moeda. Desde a liberdade que ela dá ao seu detentor, até o custo de mineração (processo de criação da moeda). Sabia que o consumo de energia para a criação de bitcoins já é equivalente ao de muitos países somados (159 para ser mais exato) e que corresponderia ao 61º maior consumidor de energia elétrica do mundo ?

Uma aposta … pura e simples

E isso nos leva ao problema real: partindo do princípio de que as coisas desandem em algum momento e que grande parte destes 1MM de brasileiros perca dinheiro na hora em que a bolha estourar. O que dirão sobre o “investimento” em bitcoin ?

Ah, não vale a pena … é muito arriscado“, ou “perdi dinheiro nesse investimento, só tem golpista nessa área !“, ou ainda “não sei o que deu errado, me falaram que era garantido, que não tinha como dar errado …“.

Desculpas não faltarão, pode ter certeza

Sabe onde já vi isso acontecendo ? Na Bolsa …

Sim, MUITAS pessoas que em algum momento de suas vidas investiram algum dinheiro na Bolsa, e que depois de algum tempo tiveram perdas, saíram do mercado falando exatamente a mesma coisa que os que hoje “investem” em bitcoin falarão em um momento futuro. E você sabe o porquê disso ?

Simples: as pessoas não buscam a informação e o conhecimento necessário para iniciar sua empreitada, não vão em busca do que é preciso para investir DIREITO. Simplesmente vão … Fecham os olhos, cruzam os dedos e colocam seu dinheiro lá. Tanto em bitcoin quanto em Bolsa.

Claro que isso não tem como acabar bem … Contar única e exclusivamente com o fator sorte é saber que a perda virá e que é somente uma questão de tempo para que isso ocorra.

As pessoas não investem na Bolsa por conta do risco dela … Elas não investem porque não querem “perder tempo” e dedicar um minuto de sua atenção ao aprendizado sobre ela. Não querem parar para aprender sobre como ela funciona, quais são suas vantagens, quais são suas desvantagens. Preferem se lembrar de alguma história que alguém lhes contou e que por isso decidiram que o investimento em Bolsa é arriscado.

O pior é que muitas destas pessoas estão colocando dinheiro em bitcoin. Vai entender …

1 milhão de pessoas em bitcoins, com um nível de risco absurdamente alto e que não entendem o real motivo para tanta alta, contra 600 mil pessoas investindo nas empresas que movem o país … 🙁

Será que é realmente para “evitar” o risco que elas não investem em Ações ? Ou será que não investem por não querer (ou não terem encontrado) dedicar uma fatia de seu tempo ao estudo sobre elas ?

Eu quero ajudar a mudar isso ! Foi um dos motivos para eu ter criado o “Minha primeira vez na Bolsa“, um curso que lhe mostrará que existe sim um risco atrelado ao investimento em Ações … Mas um risco administrável e até mesmo conhecido.

Quero lhe ajudar a enxergar que o investimento em Bolsa não é nem de perto o bicho de 7 cabeças que te descreveram … Que ele pode te permitir criar um patrimônio sólido e que lhe possibilitará ter uma aposentadoria tranquila e confortável.

Se dê uma oportunidade de aprender (de verdade) sobre o que move este mercado. Conheça o “Minha primeira vez na Bolsa” e depois me diga se investir em ações é realmente tão arriscado assim … 😉

Não se deixe enfeitiçar pelo canto da sereia. Aprenda a separar o que é válido e que justifica o “risco”, do que é uma simples aposta.

Ganhou dinheiro com bitcoin ? Parabéns ! Mas separe parte deste valor que ganhou para aprender, de verdade, sobre como investir. 😀

Opções: O que é melhor, rendimento modesto e constante ou uma rara explosão ?

Quando falamos sobre o investimento em Opções, surgem dois “times” distintos: aqueles que defendem o uso de suas características explosivas e os que estão realmente de olho em seu potencial de geração de fluxo de caixa.

E eu te pergunto: em qual deles você se encaixa ?

Opções são uma das ferramentas mais poderosas do mercado financeiro. Seu poder de proteção, atrelado ao de alavancagem, atraem inúmeros investidores de todas as tribos. Como não poderia deixar de ser, a grande maioria foca sua atenção ao lado “explosivo” delas. As oportunidades de transformarmos centavos em reais é aquilo que muitos querem ouvir e aquilo que tanto gostariam de ter acesso.

Fale a verdade … Quem não gostaria disso ? Investir uma pequena soma e depois de algum tempo conseguir sair com os bolsos cheios !! Um sonho ! Certamente é o desejo de todos os investidores. Quanto a isso não temos o que discordar. Concorda ?

O problema … (sim, como sempre tem um problema … aqui também existe um) é que a ideia em si é tão boa que parece ser mentira. Algo tão difícil de acontecer que até parece um bilhete de loteria premiado. 🙄

E é justamente sobre isso que eu gostaria de falar com você. Não estaríamos focando no alvo errado ?

Repetirei a pergunta que dá título a esse post: “Opções: O que é melhor, rendimento modesto e constante ou uma rara explosão ?“. Qual é a sua opinião ?

Sei que haverá uma divisão entre os leitores. Gostaria que a maioria pendesse para um lado … Mas acredito que penderão para o outro. Vamos ver se consigo ajudar a passar o meu ponto de vista. 😉

Eu sou do time que prefere “rendimentos modestos e constantes”. Por quê ? Simplesmente porque é mais fácil obtermos esse resultado ! Quem já fez o Double PUT Double CALL sabe exatamente do que estou falando. As chances de quem foca em retornos “menores” (e mesmo assim, algumas vezes superior ao da renda fixa) são maiores do que os que focam em resultados exagerados.

Você conseguirá manter-se vitorioso por uma longa sequência de operações se der preferência a resultados mais modestos. 2% ou 3% não estariam longe desse “alvo”. Com um nível de risco bem inferior ao das tradicionais estratégias que envolvem opções, você conseguiria acumular um resultado bem interessante após um período mais longo adotando o método.

Sem chance de perda ? Claro que não ! Isso não existe no mercado !! Mas um risco controlado e que não afetaria seu resultado como um todo. 🙂

Agora … e quem prioriza o retorno explosivo a cada operação ?

Por conta das características que formas as opções, para que você obtenha um resultado expressivo, será necessário o uso de uma estratégia específica. E essa estratégia exige que você seja um gênio das análises, ou então tão sortudo quanto o Gastão … Pois você precisará pegar o momento exato em que uma forte alta se inicia.

Como você pode imaginar, não é toda hora que vemos o mercado arrancar com força. Na maioria das vezes ele apenas fica oscilando, um pouco pra cima … um pouco pra baixo. Mas ir, com força, numa única direção é coisa rara.

Além de acertar o momento exato desta arrancada, você precisará torcer para que ela ocorra em um momento específico do vencimento de opções. Quanto mais perto do final for esta arrancada, maior será o resultado desta operação.

Se a arrancada era algo raro de acontecer, num exato momento então … complica ainda mais.

Ok … Ok … Ok … Não precisa ser exatamente num momento exato. Mas se não for assim, a alta precisará ser ainda maior para trazer o resultado esperado.

Digamos que tudo deu certo. Que você conseguiu incríveis 500% nesta operação. Fantástico !! Não é mesmo ? Mas qual foi o capital envolvido nesta operação ? Você provavelmente não arriscará mais do que 1% ou 2% do seu capital … Então, sobre o seu patrimônio isso pode acabar não fazendo muita diferença.

Mas ok. 500% sobre 2% dá 10% do capital integral !! Sensacional !! 😀

O problema é: lembra que é um evento raro ? Então … É aquele evento raro que provavelmente será visto a cada 6 ou 7 tentativas. Se não forem mais …

Mas o problema não acaba por ai … Para que você consiga obter o máximo de retorno possível, terá que aceitar perder o valor integralmente investido em cada tentativa. É … você coloca pouco justamente por conta do risco de perda total em cada operação mal-sucedida.

E agora, fazendo as contas você já começa a ver que tem algo de errado com elas. Não ? É … os incríveis 500% obtidos na operação que deu certo não são suficientes para recuperar as perdas geradas pelas que deram errado … 🙁

Resumindo: as chances estão contra você ao adotar uma estratégia que vise obter retornos explosivos com opções.

Claro … Quando tudo dá certo, é uma maravilha. É aquele tipo de história que precisa ser contada para o máximo possível de pessoas, que precisa ser compartilhada e se pudesse até virar quadro para pendurar na parede.

Você consegue enxergar quão difícil é se tornar bem-sucedido no mercado com esse tipo de estratégia ? Você precisaria ter um trading system excepcional para que ela pudesse lhe garantir retorno no longo prazo. Algo do tipo 1 acerto para cada 3 erros. E dadas as condições que citei acima, te garanto que é algo MUITO difícil de se encontrar …

Indo além, alguém conseguiria se manter fiel a uma estratégia que apresenta tantos erros ? Em que tantas entradas se transformam em perda ? Você conseguiria insistir em algo onde erra 6 ou 7 vezes para obter um acerto ?

Infelizmente muitos preferem ignorar isso e partem para a adoção de estratégias desse tipo, deixando de lado estratégias que parecem render pouco, mas que no longo prazo geram ganhos de capital impressionantes.

De novo: 2% ou 3% poderiam ser considerados pouco ? O que você acha ?

Se você gostaria de dar um passo de cada vez, pavimentando sua trilha com cuidado, dedicação e regularidade, faço um convite: conheça o Double PUT Double CALL. Agora em dezembro teremos a abertura de novas vagas com a criação de uma nova turma. 😀

BOVA11 ou PIBB11 ? Qual dos dois é melhor para se investir ?

Um amigo, pensando em investir diretamente em ETFs, para com isso facilitar sua vida na hora de diversificar a formação de sua carteira de ações, me perguntou se valeria mais a pena investir em BOVA11 ou no PIBB11. Falei que os dois era “diferentes”, mas parecidos … Pois o BOVA11 é um ETF que se baseia no Ibovespa, enquanto o PIBB11 se baseia no IBrX-50

Seriam dois ETFs diferentes, que se baseiam em índices de ações diferentes (veja aqui a composição do Ibovespa e a do IBrX-50), mas que vêm apresentando resultados bem parecidos nos últimos tempos. Em 2017 o BOVA11 se valoriza 23,45% enquanto o PIBB1, 23,86%.

Pouca diferença, pesando um pouco a favor para o PIBB11.

Ao falar isso, ele argumentou que não era especificamente sobre esse ponto que a sua pergunta se referia. Ele gostaria de saber qual dos dois eu investiria por conta da taxa de administração do fundo. Sim, se você não sabia, num ETF existe a cobrança de uma taxa de administração igual à que é cobrada pelos fundos de investimento dos bancos. A principal diferença é que um ETF pode ser comprado e vendido diretamente na Bolsa, enquanto o fundo do banco, só através do próprio Banco. Além disso, um ETF pode ser usado em estratégias mais “complexas” e que podem te proporcionar um rendimento extra (alguém falou em Double PUT Double CALL ?), enquanto o fundo do banco não …

Além disso, a taxa de administração em si, cobrada pelos bancos é bem superior à de um ETF.

Então, voltando ao meu amigo, ele reforçou sua pergunta, agora focando na taxa de administração: “Vale mais a pena eu investir no PIBB11 que me cobra só 0,059% a.a. ou no BOVA11 que me cobra 0,54% a.a. ?“. É … a taxa de administração do BOVA11 é 9x superior ao do PIBB11 !!

E isso é algo que acaba assustando/chamando a atenção. Não é mesmo ?

Pô … um custo 9x superior. É claro que o mais barato vai ser o mais indicado. Concorda ? Não existe a menor sombra de dúvida sobre isso !!

Será ?

Vamos olhar com um pouco mais de cuidado …

Se estivéssemos comparando dois fundos de investimentos, de bancos, onde um me cobrasse uma taxa de administração de 0,059% ao ano, enquanto o outro me cobrasse 0,54%. Onde o primeiro me exigisse um aporte mínimo de R$127,82 e o outro R$71,90 (valores próximos e relativamente baixos). Que estivessem apresentando um retorno semelhante nos últimos tempos. Que tivessem como “alvos” coisas parecidas, etc etc etc … É claro a preferência seria pelo fundo que me cobrasse a menor taxa. Concorda ?

Afinal de contas eu colocaria o meu dinheiro no fundo daquele banco, ele renderia durante um determinado período, e depois de algum tempo eu simplesmente solicitaria o resgate e pronto !

E é justamente aqui que entra um ponto MUITO importante e que deve ser priorizado nesta situação:

A liquidez do ativo !

Diferentemente do fundo do banco, onde eu invisto e resgato quando bem entender, e o meu dinheiro entrará/sairá  do investimento naquela hora, um ETF está sujeito às condições de mercado !! Se for um ativo com baixa liquidez … dê adeus aos seus planos, pois a coisa pode não sair exatamente da forma que você esperava.

De nada adianta dizer que os dois apresentam retorno semelhante, que o BOVA11 cobra uma taxa 9x maior que a do PIBB11, se a liquidez dos dois for algo muito diferente. Spoiler: e é BEM diferente.

Está sentado ? Pergunto isso pois a diferença é brutal. Enquanto o PIBB11 vem tendo uma movimentação (diária) média de R$10 milhões nos últimos dias, o BOVA11 vem movimentando, diariamente, perto de R$175 milhões …

É … Gigante, não é mesmo ? 😯

E sim, isso se traduz em liquidez … É muito mais fácil entrar/sair de um investimento em BOVA11 do que um no PIBB11.

Do que adianta pagar menos de taxa, se você corre o risco de ter problemas para entrar ou sair do investimento na hora que precisar ?

Ok … Com R$10 milhões por dia é bem provável que tenha a liquidez para que você faça a sua operação. Mas e o preço disso ? Como a liquidez é menor, as ofertas de compra e de venda acabam estando mais distantes do “preço certo”, o spread entre estas ofertas é maior e se você está com pressa pode acabar pagando por isso.

Você provavelmente já tenha visto isso em alguma oportunidade. O último negócio ocorreu nos R$71,90, mas a melhor oferta de compra está nos R$71,40, enquanto a melhor oferta de venda está nos R$72,40 … Você corre atrás, ou coloca a ordem no mercado pelo preço do último negócio ? Ficará lá esperando que alguém esteja disposto a “casar” sua oferta ?

Só nisso, de precisar ir atrás das ofertas que estão disponíveis, você já acabou gastando mais dinheiro do que gastaria com a diferença existente na taxa de administração.

Conclusão:

Num ETF, ao contrário do que vemos em um fundo de banco, a taxa de administração não é o principal ponto a ser levado em consideração na hora de tomarmos a nossa decisão. A liquidez tem GRANDE importância e precisa ser seriamente considerada.

O que eu faria ? Daria preferência pelo BOVA11 e sua liquidez. 😉

Aproveitando … Caso você não tenha conseguido entender algo do que foi dito neste post, convido-o a conhecer o “Minha primeira vez na Bolsa“, um curso criado por mim, e que tem como objetivo permitir que toda e qualquer pessoa inicie um investimento em Bolsa partindo do absoluto zero. Será um prazer te ajudar em sua jornada. 😀

“Estou de olho em uma operação que me proporcionará 6,93% de retorno. Tem algum erro ?”

Pergunta:

Boa tarde, Zé!

Comecei a estudar opções e estou com uma dúvida de principiante.
Estava lendo sobre opções de put, e tentei fazer algumas contas.

Analisando o ativo vale5 hoje, dia 28/10/2017 o mesmo está cotado a R$30,20 e a opção de venda da Vale, valew35 está cotada em R$ 2,81 com strike de 35,17, caso eu compre hoje, 1000 ações da vale, no total de R$ 30.200 e 1000 opções valew35 no total de R$ 2810,00, eu gastaria um total de R$ 33.010, se eu levar essa operação até o vencimento e a vale5 estiver custando menos que o meu strike, eu venderia minhas 1000 ações pelo preço do strike que daria um total de R$ 35.170 – menos o meu gasto lá do começo de R$ 33.010 = eu lucraria nessa operação um total de R$ 2160,00. Isso é possível? Existe esse tipo de operação?

Obrigado.

Resposta:

Bom dia Walter,

Opa ! Que legal ! Fico MUITO feliz ao ver que vocês estão se interessando mais sobre o tema opções e partindo para o estudo ! 🙂

Venho destacando as vantagens oferecidas por elas há anos ! E cada vez mais vejo que as pessoas começam a enxergá-las da maneira correta. #adeusbilhetão 😉

Vamos ver os detalhes da operação que você citou ?

Você compra as ações VALE5 por R$30,20 e as opções VALEW35 do tipo PUT por R$2,81. O strike desta opção é R$35,17.

Um pouco de teoria ? A opção PUT é aquela que dá ao direito de venda da ação “mãe”, ao seu detentor (comprador) por um determinado valor (strike) em um determinado momento (vencimento). Repetindo: o direito à venda. Chegando no dia do vencimento você tomará a decisão se vale a pena, ou não, vender a ação pelo preço acertado (strike). Se a cotação da ação mãe estiver abaixo do strike o exercício é válido, se não, não. Simples assim.

Para quem quiser entender um pouco melhor o exercício de opções propriamente dito, indico a leitura do post “Como funciona o exercício de opções ?“, onde detalho quando vale a pena ou não, pra quem vale, pra quem não vale, etc, etc e etc. 😉

Sabedores disso, vamos aos detalhes financeiros da sua operação:
(só vou atualizar os valores dos ativos envolvidos, ok ?)

Compra de VALE5 por R$30,62 e VALEW35 por R$2,27. Desta forma você poderá vender suas VALE5 por R$35,17 no dia 21/11/2017. Para tanto, terá gasto um total de R$32,89 e poderá obter R$35,17 caso exerça seu direito adquirido através da compra da opção. Um retorno de 6,93% !!!

Sensacional !!! Não é mesmo ?

Sim, seria … Se não fosse por um pequeno detalhe …

Acima vemos o box de cotações do ativo em questão, da VALEW35. Deu uma olhada com carinho nele ? Varias informações disponíveis … Desde a cotação, data do vencimento, tamanho do lote padrão, strike, ativo subjacente …

OPA !!! 😯

Isso … o “pequeno” detalhe é justamente esse: a VALEW35 não é ligada à VALE5 !!! A ação subjacente a essa opção é a VALE3 !! E isso muda absolutamente tudo em relação à operação que estavas de olho …

Por exemplo: a VALE3 custa R$32,92 e não R$30,62 … Uma diferença de R$2,30, a mais.

Com isso, o custo para se montar essa operação salta dos R$32,89 que “você” viu, para R$35,19 que é o custo real dela. Só para lembrar … qual era mesmo o strike dessa opção ? R$35,17

É … isso mesmo que você entendeu. Para montar essa operação você gastaria mais do que receberia … 🙁

Se tem uma coisa que aprendi nestes 20 anos de mercado é que não existe dinheiro de graça na Bolsa. Se você encontrou uma oportunidade absurdamente boa, para não dizer “ridiculamente” boa, desconfie. Existe algum erro básico por trás desse retorno tão interessante e de fácil acesso.

Neste caso o erro foi na identificação do ativo subjacente. Mas já vi outros tipos de erro que geraram dúvidas (e alegrias momentâneas) parecidas com a tua. Strikes diferentes do imaginado (ao olhar W35 poderia achar que o strike seria R$35,00), vencimentos em anos futuros (pensava ser de 2017, mas era de 2018), são alguns deles.

Um erro simples. Mas acontece com muitas pessoas. MUITAS mesmo. 🙂

Aproveito a oportunidade para te convidar a conhecer o Double PUT Double CALL, curso onde apresento a minha estratégia operacional que se baseia no uso de opções para rentabilizar meu patrimônio, onde também abordo esse tipo de “curiosidade”/ocorrência, e que terá uma nova turma sendo criada agora em dezembro. Garanta sua vaga !

Espero ter lhe ajudado ! 😉

Abraços !