Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

A PetroRio vale mais do que a Petrobras !? Como !!?

Pergunta:

Boa tarde, Zé!

Estou fazendo o curso “Minha 1ª vez na bolsa” e cheguei neste post, então fui pesquisar sobre essas empresas, as ações da PetroRio, antiga HRT, valem mais do que as ações da Petrobrás!! Porque? Você poderia me explicar? Desde já agradeço.
Ah..e parabéns pelo curso, estou gostando muito, obrigada por disponibilizá-lo para nós leigos, a um preço acessível.

Resposta:

Bom dia Divania,

Antes de mais nada, quem agrade sou eu. Agradeço por você me dar a oportunidade de compartilhar contigo aquilo que aprendi, o conhecimento que acumulei em 20 anos de jornada. 🙂

O preço acessível do Minha 1x na Bolsa foi uma de minhas prioridades ao criar o curso. Oferecer um conteúdo que permita que o interessado entenda o funcionamento da Bolsa, aprenda a investir nesse mercado, sabendo o que faz, e o porquê faz. Se fosse um preço mais alto, certamente impediria que muitos tivessem acesso a ele. 😉

Sobre o post em questão, o “Quais as empresas (ações) beneficiadas pela MP 651 ?“, onde falo sobre um conjunto de empresas que permitem que negociemos com suas ações com isenção total do Imposto de Renda sobre o lucro auferido. A lista é pequena … mas que pode interessar a alguns investidores. 😀

Sobre a tua dúvida, é algo bem comum. A confusão entre cotação da ação e “valor da empresa” é normal. Te pergunto, quem está valendo mais: a empresa ou a cotação das ações dela ?

Sim, a cotação da PRIO3, agora R$66,30, está mais alta do que a da PETR4, agora em R$17,95. Mas e o valor da empresa ?

As ações da PetroRio têm valor de mercado de R$901.581.000, enquanto a Petrobras PN R$235.453.000.000 … 😉

Lembre-se: uma ação é apenas “um pedaço” de uma empresa. Cada empresa tem um número diferente de ações, tanto em circulação, quanto existentes. E é isso que vemos no caso da PetroRio e da Petrobras. Uma ação da PetroRio custa R$66,30, mas ela possui 13.337.000 ações. Já a Petrobras, uma ação custa R$17,95, mas com 13.044.500.000 ações PN.

Então, neste caso, o que custa mais caro é a ação da PetroRio, e não o valor dela. Da mesma forma que não podemos comparar a cotação de um índice de ações, Ibovespa com Dow Jones, por exemplo, pois são coisas diferentes, que medem/acompanham coisas diferentes, não podemos comparar, pura e simplesmente a cotação de uma ação com outra. 🙂

A ação mede o valor de mercado de uma empresa, e não o valor da empresa propriamente dito. É sempre importante nos lembrarmos disso. A ação mede quanto o mercado acredita que aquela empresa esteja valendo, e não o seu valor “real”.

Espero ter te ajudado. 😀

Abraços !

Como faço para desmontar uma trava de alta com Opções ?

Pergunta:

Boa noite Zé, creio que posso chamá-lo assim, como um amigo próximo!!

Ao desmontar uma estrutura de opções, numa trava de alta p.ex., vendo a que comprei e compro aquela que vendi correto?

Mas depois preciso avisar a corretora que vou exercer a compra do ativo (ação) e colocá-lo à venda, uma vez que normalmente a perna vendida, que recomprei, estará perdida. Desta forma ainda terei algum lucro na venda da ação (diferença entre o preço do papel no dia e o strike da opção exercida)

Estou certo?

Grande abraço,

Resposta:

Bom dia Marcos,

E não é isso que todos nós somos ? Amigos próximos de um Clube ! 😉

Isso, para desmontar a trava de alta você precisa comprar a opção que lançou e vender a que comprou. O que é preciso fazer depois disso ? Mais nada …

No momento em que você desmontou a operação, depois de zerar todas as pontas da operação, você deixa de ter os direitos e obrigações que tinha enquanto a operação estava “viva”. 🙂

O lucro da operação virá do “acerto de contas” entre os valores das opções compradas e vendidas. A ação subjacente, propriamente dita, não entra nas contas. Ela só entrará caso você mantenha a trava viva até o dia do vencimento e decida exercer a parte que tem comprada.

Ok, digamos que você não conseguiu desmontar a operação e precisou levar o desfecho para o dia do vencimento. Se isso for preciso, ai sim a sequência que você apresentou seria necessária. Você teria permanecido com as CALLs em sua carteira e a “única maneira” de encerrar a operação, recuperando parte do capital, ou até mesmo saindo com lucro, seria solicitar o exercício delas e a venda da ação exercida em seguida. Aquele daytrade que não é daytrade. 😀

Isso, teoricamente, só aconteceria em uma ação que apresenta baixíssima liquidez em suas opções. A ponto de precisar levar para o exercício por não ter como zerar a operação da forma tradicional. (comprar a opção que lançou e vender a que comprou)

Você normalmente dá preferência por esta forma até mesmo por conta do custo operacional da coisa. É mais barato fazer isso do que levar pro exercício, exercer, vender a ação exercida, etc etc etc. 😉

Espero ter te ajudado ! 🙂

Abraços !

Você sabe quais são os códigos de vencimento das opções ?

Em todo esse tempo que me vejo envolvido com o investimento em Opções, tem um ponto que parece “atormentar” de forma generalizada quem opera com elas: os códigos de vencimento.

Para quem não sabe, as opções possuem um código específico para identificar qual é o seu mês de vencimento. 🙂

No próprio ticker da opção (aquela “sopa de letrinhas”), existe uma letra que é responsável por essa função. E mais, esta mesma letra é capaz de identificar se uma opção é do tipo CALL ou do tipo PUT. 😀

É a 5ª letra do ticker. As quatro primeiras identifica a qual ação aquela opção é ligada, a 5ª ao vencimento (e o tipo daquela opção), e os números restantes referentes ao strike dela. Tudo padronizado e que nos ajuda a identificar uma opção somente ao bater o olho. 😉

Exemplo:

PETRG19 – Opção da Petrobras PN, do tipo CALL, com vencimento em julho, com strike em R$18,96.

Tudo isso saiu daqueles 7 caracteres … 🙂

Com o tempo você vai se habituando com os códigos e eles passam a ler lidos de forma natural, quase como se fosse uma palavra de sua própria língua, de seu próprio idioma “mãe”. 😉

Mas até lá … como saber quem é quem ? Como identificar quando aquela opção vai vencer ? Como saber se a opção que estou de olho é uma opção de compra ou uma de venda ?

É … você precisa colar, não tem jeito. Sim: colar. Você precisará fazer uso de uma “tabelinha” que te ajude nesta hora, um lembrete, um material de apoio para consulta. 😀

Pensando nisso, resolvi compartilhar com você alguns dos slides que são usados na aula onde os códigos são apresentados para os alunos do Double PUT Double CALL.

Usando o exemplo acima, vemos que o 5º caractere do ticker é a letra “G“. Olhando para os dois slides abaixo, podemos encontrar a letra no 1º, referente às opções do tipo CALL. Ainda neste slide podemos ver que ele corresponde ao mês de julho, ao vencimento do mês de julho.

E sim, é tão simples quanto parece ser. 🙂

E se fosse a PETRW19 ? Basta olhar os 2 slides, encontrar a letra e com isso determinar o tipo e o mês de vencimento da Opção. No caso ela é uma opção do tipo PUT, com vencimento em novembro.

 

 

Se você quiser as versões em alta resolução, para imprimir e deixar ao seu lado na hora de operar, faça o download aqui:

códigos das opções do tipo CALL
códigos das opções do tipo PUT

E claro, se quiser se aprofundar no tema Opções, indico que você conheça o meu curso, o Double PUT Double CALL. 😉

Será um prazer lhe ajudar nesta jornada de aprendizado e evolução ! 😀

Operações em Bolsa de 2017 gerariam IR a ser pago agora em 2018 ?

Pergunta:

Boa Tarde,

Sou estudante e não tenho renda fixa, faço bicos de modo informal.
durante o ano de 2017 realizei operações daytrade com prejuízo em vários meses e lucro em alguns:

Ex:
Maio/17 prejuízo de R$ – 2.000,00
Junho/17 prejuízo de R$ – 600,00
Julho/17 Lucro de R$ + 700,00

No ano de 2018 precisei realizar a declaração de IR
No entanto tenho algumas duvidas:

1) no exemplo no mês de Julho obtive lucro, é necessário gerar a DARF? mesmo com o prejuízo dos meses anteriores?
2) na declaração de IR, não tenho renda para declarar pois faço bicos informais, como procedo?

Resposta:

Bom dia André,

Não, não seria preciso gerar o DARF naquela ocasião. Justamente por conta dos prejuízos obtidos nos meses anteriores. 😉

Como você perdeu R$2 mil em maio/17, outros R$600 em junho/17, acumulando um total de R$2.600 em perdas, o lucro de julho “consome” apenas parte do crédito que você tinha junto à Receita. 🙂

Após o lucro de julho você permaneceu com um crédito de R$1.900 a ser usado com resultados posteriores.

Agora … algo importante deve ser dito neste momento:

Se você tivesse que pagar IR sobre o lucro de julho, ele deveria ter sido pago em agosto de 2017 … e não somente agora. 🙁

A declaração de Imposto de Renda anual serve apenas para informar à Receita o que ocorreu com nossos investimentos no ano anterior, informando quanto obtivemos de lucro/prejuízo e quanto foi pago pra ela … Não é a declaração anual que gera o evento de pagamento do IR. 😉

Mas … caso isso tivesse ocorrido, bastava gerar o DARF, atualizado, com multas e correção, para ser pago agora. Como? Leia o post: “Deixei de recolher o Imposto de Renda no ano passado. Como faço para pagá-lo agora ?

Mas, de novo, não é esse o seu caso. Você terminou a série de 3 meses com crédito junto à Receita. Um crédito de R$1.900 que poderá ser usado para abater os próximos lucros em operações do tipo daytrade. 🙂

(lembre-se sempre: daytrade com daytrade, operações normais com operações normais)

Agora, sobre como proceder com a declaração, por conta da tua fonte de renda … eu infelizmente não sei como deverás proceder. A minha sugestão é: procure um contador. Ele certamente irá te orientar da forma correta. 😉

Espero ter te ajudado ! 😀

Abraços !

Zé, o que você acha da operação “Trava de Alta” em Opções ?

Pergunta:

Zé,

Pelas minhas análises acho que a VALE vai reverter a tendência de baixa e fazer um movimento de alta (uso SAR e HILO). Penso em montar a seguinte operação:

Compro – 1000 opções VALEG15 (strike 45,74) valendo hoje 3,03.
Vendo – 1000 opções VALEG474 (strike 47,49) valendo hoje 1,69.
Com isso desembolsaria R$1340,00.

Caso a VALE tenha um movimento de alta receberia a diferença dos strikes, certo? 1750. Ou seja, lucro de 410.
Caso ela fique entre os strikes, eu receberia o lucro entre o valor dela no vencimento e strike comprado (45,74).
Ficaria no prejuízo caso o valor da ação fique menor que strike comprado mais 1,34, certo?

Grato,
André

Resposta:
Bom dia André, tudo certo ? 🙂

Eu, particularmente, não gosto muito de operar na compra de opções … As regras que regem esse mercado fazem com que as chances de sairmos vitoriosos do trade jogam contra a gente. Para se ganhar na compra, é preciso que suba, e com uma determinada intensidade … Se cair, ficar de lado, ou subir devagar, o comprador perde.

Já para quem opera no lado da venda … 😉

E isso já falei inúmeras vezes. O pessoal do Double PUT Double CALL já está careca de saber. 😀

Mas como também já disse em outras ocasiões, determinadas situações são atraentes para a compra. O straddle (veja um exemplo real de operação realizada) que o diga ! 😉

Além do straddle, que é um tipo de operação que me agrada muito e que faz parte das operações que formam a minha estratégia operacional, a compra seca de opções em casos MUITO específicos também não pode ser descartada. Um pozinho na reta final do vencimento com um sinal de reversão … #quemnunca ? 😀

Confesso que pra mim é algo raro, muiiito raro … mas nem por isso, descartado.

O exemplo de operação que tu apresentou é uma compra de opções “financiada” pela venda de outra com strike superior à primeira. Uma trava de alta clássica. A ideia é comprar uma CALL de um determinado strike e vender, ao mesmo tempo, uma outra CALL de strike superior.

Ao fazermos isso, financiamos parte do valor da compra com o prêmio que foi obtido com a venda.

Usando o teu exemplo:

A compra de 1.000 VALEG15 por R$3,03 e venda de 1.000 VALEG474 por R$1,69 te geraria um desembolso de R$1.340,00 ao invés dos R$3.030,00 originalmente necessários para a compra pura das G15.

A operação em si tem algumas diferenças para a compra seca de CALL. Vamos dar uma olhada ?

Se você tivesse comprado somente a G15, teria perda total do capital com ela abaixo dos R$45,74 no dia do vencimento. Acima disso seria a área de “lucro”, sendo que lucro mesmo só acima dos R$48,77. (que seria o strike da opção + o valor gasto com a compra)

Mas acima disso, o céu seria o limite para o lucro … 🙂

Já na trava de alta, a região de prejuízo máximo permaneceria sendo abaixo dos R$45,74, onde a G15 não teria valor algum no dia do vencimento. Entre os R$45,74 e os R$47,49 as coisas se misturariam um pouco, com a G15 tendo valor e a G474 perdendo. Se a VALE3 estiver valendo R$47,49 no dia do vencimento, a G15 valeria R$1,75 e a G474 valeria zero …

Sendo 1.000 opções VALEG15 compradas, você ainda teria um lucro de R$410,00 com a operação.

Aqui é que mora um detalhe interessante: acima de R$47,49 você tem o seu lucro limitado a R$410,00. Se estiver R$50 no dia do vencimento, as tuas G15 valeriam R$4,26 e as G474 R$2,51. Como estás comprado na primeira e vendido na segunda, a primeira estaria no “lucro” e a segunda no prejuízo. Você precisaria vender a G15 e comprar a G474 para desmontar a operação.

Isso daria os mesmos R$1,75 de lucro para cada opção em seu poder, os mesmos R$1.750,00 que te gerariam os mesmos R$410.00 de lucro total. 😉

Não importa quanto suba, esse será o teu lucro máximo.

Comparando com a compra seca das G15, se a VALE3 estivesse valendo R$50 no dia do vencimento, você teria em seu poder R$4.260,00. Como havia desembolsado R$3.030,00 para comprá-las, teria um lucro total de R$1.230,00 !! Um lucro bem maior. Não é mesmo ?

Então … aqui mora a grande questão: qual das duas escolher ? Uma que te permite obter lucros ilimitados, com um custo mais elevado ? Ou uma que te faz gastar menos para montar a operação, mas limita o valor de ganho a ser obtido ?

A decisão infelizmente é pessoal … 🙁

Eu daria preferência pela compra seca, diminuindo o tamanho do lote comprado para “ficar mais barato”, se houvesse a perspectiva de uma alta mais forte na ação mãe. Se não acreditasse em uma alta tão elevada, a trava de alta até poderia se tornar mais interessante, pois ela começa a oferecer lucro após o rompimento dos R$47,08, enquanto a compra simples da G15 precisaria que rompesse os R$48,77 para chegar lá.

Sim … a decisão dependeria do que o gráfico “promete”. Ao menos na minha forma de encarar as coisas. 🙂

Analisando friamente ? As chances para se obter lucro são MUITO maiores para a trava de alta, do que para a compra simples. Mas como disse, não é o tipo de operação que mais me agrada. 😉

Espero ter te ajudado ! 🙂

Abraços !