Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Lembra quando comprei um carro e ganhei dinheiro com isso ?

Num passado nem tão distante assim, eu publicava, aqui no Clube, um texto onde compartilhava minha experiência com um uma “operação” não tão comum quanto a maioria estava acostumada a ver: defendi uma estratégia onde eu comprei meu carro, financiado – propositalmente -, para poder trabalhar com o dinheiro do financiamento e ganhar uma grana extra com isso.

Antes de continuar a leitura, veja o post em questão: Como comprei um carro financiado e ainda ganhei dinheiro com isso. Pronto ? Vamos lá ! 🙂

Como era de se esperar, choveram respostas “nem tão amigáveis” assim. Muitas me acusavam de estar “estragando” os leitores, apresentando uma estratégia arriscada, sem ter sucesso garantido. Diziam que um site de Educação Financeira, originado após a leitura de Pai Rico Pai Pobre, não poderia falar uma coisa dessas. Estranho … pois isso é algo muito parecido com o que RK fazia com os imóveis. Mas tudo bem …

Sim, é arriscado

E justamente por ser arriscado, eu compartilhava detalhes do que havia feito, para mostrar os motivos que me levaram a fazer tal coisa. No que eu me baseava para acreditar na possibilidade de fazer o dinheiro necessário para não chegar ao final do financiamento perdendo dinheiro.

O risco é “relativo”, lembra ? Depende muito da sua preparação, das proteções que você usa, das saídas de emergência que podem ser usadas no caso de erro, etc etc etc … Era arriscado. Mas deu certo. Aceite você ou não. 😉

A principal intenção de compartilhar tal estratégia aqui no Clube, era embutir nos leitores a pulga da curiosidade, da dúvida. E por que não da possibilidade de oportunidade ? Queria que os leitores tentassem enxergar o que foi feito, talvez conseguindo transportar o que ali foi feito para alguma outra forma de investimento parecido. Ou até mesmo igual. 🙂

Algumas pessoas falaram, algumas comentaram, muitas xingaram, mas poucas me pareceram ter levado o processo adiante. Até hoje. Vejam o e-mail que recebi do Marco:

Bom dia Zé,

Troquei meu carro e financiei a diferença no valor de R$ 8.500,00 (36×350,00). A questão é, eu tinha o dinheiro para pagar a vista mas resolvi financiar pois uso esse dinheiro em operações com opções. Vi o seu artigo sobre como você trocou seu carro e gostei do que li.. 😀

Porém diferente da sua operação, a minha não cobre as parcelas. Hoje consigo em média 160~200 (somando as vendas de opções mais a rentabilidade do tesouro direto).

Mas resolvi simular duas opções;
– quanto eu teria no final de 36 meses quitando o financiamento (economizando com juros);
– quanto eu teria deixando o dinheiro aplicado mais as operações (fiz a simulação usando o menor valor obtido);

Veja o resultado:
– Quitando o financiamento e aplicando os 350 em algo que renda 10% ao ano, eu ficaria com +- 14.600 (10% liquido já descontando impostos!);
– Continuando as minhas operações eu ficaria com +- 15.000 (na simulação deixei os títulos rendendo 10% ano liquido e somei com as vendas de opções R$100/mês).

Na simulação das minhas operações usei o menor valor obtido. Bom o resultado é bem parelho, lógico que com as operações há o fator risco mas gostei do resultado. O que você acha Zé?

Uma diferença fundamental

Se você perceber, existe uma diferença muito importante entre os dados apresentados pelo Marco e os meus. A taxa de juros …

Pelo valor que você apresentou, parcelas de R$350, você precisaria obter um rendimento de 4,12% ao mês para conseguir pagar a parcela sem precisar mexer no “bolo original”. No meu caso, eu precisava de 2,5% ! Para muita gente pode parecer pouca coisa … Mas se olhar com cuidado, é “quase” (forçando um pouco a barra, eu sei) o dobro !!

E isso faz muita diferença …

Eu acho que tem um erro na tua simulação … Especialmente na segunda simulação. Se você vem obtendo um valor menor do que a parcela, no final do financiamento não deveria ter um valor menor do que os R$8.500 originais ? Se no primeiro mês precisa pegar R$150 do “bolo original”, ele não cairia para R$8.350 no mês seguinte ? E para R$8.200 no outro ? E para R$8.050 no próximo … e assim sucessivamente ? Isso “descontando” o fato de que você não obteria mais os R$200 originais, afinal de contas o valor que poderia ser trabalhado no mês seguinte seria menor do que no mês anterior.

Uma coisa é muito importante nesta simulação: desconsidere dinheiro extra nas contas. Você só pode trabalhar (fazer as contas) com o dinheiro que tinha no começo. Se colocar dinheiro de fora complicará tudo e provavelmente mascarará algum erro. O que provavelmente “dará força para a estratégia”.

A comparação ideal é a seguinte: se você usasse os seus R$8.500, e não o financiamento, teria zero ao final dos 36 meses. Afinal de contas, você “não teria mais dinheiro para operar” e o resultado disso é rendimento zero no final do período. Já para o caso de usar o financiamento e pagar as parcelas com o dinheiro obtido, e caso preciso beliscar o “bolo original”, você teria teria em seu bolso um determinado valor.

No caso de obter um rendimento superior ao valor que precisa pagar mensalmente, terá o “bolo original” e quem sabe alguma coisa a mais. Se precisar beliscar algumas vezes, ou um pouco, o “bolo original”, terá algum dinheiro no bolo. Possivelmente um pouco menos do que quando começou, mas ainda assim alguma quantia no bolso.

No teu caso, você teria no final do período (mesmo se precisar desembolsar algo todos os meses) um valor em conta. Acredito que algo próximo a R$1.500 ~ R$2.000

Nada mau, não é mesmo ? 😉

O ideal

Lógico que o ideal é que o valor obtido nas operações supere o valor da prestação. Acredito que o teu erro tenha sido um financiamento mais curto. Talvez, se tivesse sido feito um de 48 parcelas, a prestação mensal seria menor e mais próxima do que você obtém em Bolsa. Não importa se “gastaria mais”, o que importa é que precisaria beliscar menos o “bolo original”.

Muitas vezes a confusão reside justamente nisso: “se eu alongar o financiamento, acabarei pagando mais no final das contas”. Mas não, nessa situação a coisa é um pouco diferente. Mesmo gastando um pouco mais (pois o valor das 36 somadas é inferior ao das 48), você terminaria com mais dinheiro. A mordida do “bolo original” é menor o que faz que o ganho final seja maior. 🙂

Como dito, acredito que no final do processo você obtenha um ganho interessante. Mas com um pequeno ajuste poderia ter sido um pouco maior.

Um detalhe: não caia na armadilha de aumentar o rendimento das operações para melhorar o desempenho. Às vezes o nível de risco para aumentar o rendimento em 10%, 20% é tão grande que pode pôr tudo a perder …

Boa sorte ! 😀