Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Quem exerce uma opção, exerce por qual motivo ?

Pergunta:

Boa tarde, zé, tira uma dúvida pra mim: se eu compro petrus a 18,00 e vendo opção ”petrus a 20,00” por 0,40, serei exercido no vencimento somente se a ação chegar a R$ 20,40,certo? Pois a pessoa que pagou 0,40 pela opção e não haverá ganho se ele compra-la por R$ 20,00,certo?

Desde já agradeço!

Resposta:

Bom dia Sandro,

Não. 🙂

Não é bem assim que a coisa funciona … Vamos ver se consigo esmiuçar um pouco melhor a ideia. 😉

1º – O “contrato” criado a partir do momento em que você vende uma opção não funciona exatamente da forma que imaginemos que funcione. Ao vender uma opção para alguém, não é com aquela pessoa que você cria o vínculo e a obrigação de entregar o papel no valor acertado (no caso da CALL). A sua obrigação é com o sistema.

Pense da seguinte forma: você vendeu para alguém por 40¢. A opção se valoriza e ela resolve vender para outra pessoa por 60¢. E vai sendo assim, a cada negócio realizado “com aquele” papel. O detalhe é que não existe um rastreio do que acontece com aquele papel em específico.

É criado um sistema de controle onde tudo é contabilizado, onde o total de vendas é registrado, bem como a quantidade de vendedores e de compradores. É um daqueles dados que costumo olhar no meu dia a dia, lembra ?

A partir do momento que você faz uma venda, você é registrado como sendo alguém que terá uma obrigação caso alguém exerça a opção vendida.

Quem ? Não sabemos. Quem decide “quem casa com quem” é o próprio sistema, de forma aleatória. Sempre que ocorre uma solicitação de exercício de uma opção, o sistema vai lá, olha quem está cadastrado como vendedor daquela opção, escolhe um dos cadastrados, e envia a ordem de exercício.

Existe uma ordem de prioridade: quem vendeu de forma coberta primeiro, para somente depois ir para cima de quem vendeu sem ter o ativo “mãe” na carteira. Uma forma de impedir uma escalada nas cotações do ativo de uma maneira artificial.

Sabedores disso, descartamos a ideia do “a pessoa que comprou a minha opção a 40¢ só vai exercer se estiver R$20,40”. Correto ?

2º – E se foi quem comprou por 5¢ ?

Então … Pode ser que no dia do exercício, estando nos R$20, uma pessoa que comprou por 5 centavos exerça seu direito de comprar o papel por R$20. Mesmo perdendo 5¢.

Ele acredita que o papel se valorizará ao menos essa diferença “no curto prazo”, para poder desmontar a operação.

Como a opção não pode mais ser negociada no pregão da segunda-feira, onde o exercício de opções ocorre, a única alternativa que ela tem é exercer para não perder o valor investido. Ao menos essa é a esperança dela na hora em que passa a ordem de exercício. 😉

Claro … Pode dar certo, como pode não dar. Esse é o motivo para muitas vezes vermos o papel corrigir após o término do exercício. Muita gente que exerceu nessas condições, apertado entre o preço de exercício e o valor da opção comprada, se desfaz da forma mais rápida possível do papel que tem em mãos.

Dificilmente veremos um não exercício das opções quando o valor do ativo mãe está acima (não importando quanto acima) do strike da opção em questão.

3º – E se quem te exerceu foi alguém que fez uma trava com uma venda de uma opção com strike nos R$19 ?

Sim, é possível que isso ocorra.

A pessoa vendeu a petrus 19, e travou a operação com a compra de uma petrus 20. Isso limita o prejuízo dela em R$1. Como a operação ficou “viva” até o dia do exercício, ela será exercida na petrus 19 e para limitar a perda exercerá a compra de petrus 20 para garantir o limite da trava.

Ok … até poderia comprar o próprio papel (a petrus) no mercado. Mas normalmente faz o exercício da opção comprada para “facilitar” as coisas. Ou até mesmo por ordem de custos envolvidos na operação. Algumas corretoras cobram menos pela operação que exerce a petrus 20 comprada anteriormente, do que cobra quando a pessoa compra petrus, por R$20, no mercado. 🙂

Resumo da ópera

Não temos como saber o que pensa/precisa quem tem uma opção de compra em mãos na hora do exercício.

Quando o strike dela é inferior (ou igual em alguns casos) ao preço praticado pelo mercado na hora do exercício de opções, a opção comprada será exercida e ponto final. 😉

Se você não quiser entregar as suas (partindo do princípio que foi uma venda coberta), você até poderia comprar no mercado por um preço inferior aos R$20,40 citados por ti, que ainda terá lucro. Você tem os 40¢ que ganhou com a venda para trabalhar nesse momento. 😀

Compra por R$20,10 (por exemplo) e entrega por R$20,00. Como ganhou 40¢ na venda da petrus 20, o seu lucro final ainda foi de 30¢.

Espero ter lhe ajudado ! 🙂

Abraços !