Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Rentabilizando uma carteira de Longo Prazo

Na semana passada foi publicado um texto onde eu fazia uma comparação entre o investimento de aluguel, para imóveis e para ações. Mesmo já sendo um tema falado por diversas vezes aqui no site, o aluguel de ações é novidade para muitos. E não é de se estranhar … afinal na maioria das vezes o que é realmente bom é escondido da grande maioria. 😉

E como a principal função do www.ClubedoPaiRico.com.br é trazer Educação Financeira a seus leitores, apresentando as mais diversas formas práticas e rentáveis formas de investimento, nada mais justo do que tentar “lembra-los” das formas existentes para melhorar a rentabilidade de uma carteira de ações de Longo Prazo. (tudo bem … não é obrigatório que seja de longo prazo, mas este é o alvo principal)

Bom, digamos que você já fez sua decisão sobre qual a melhor forma de operar, e a opção vencedora foi a de investir para o longo prazo: Você compra as ações, um pouco a cada mês, pensando para um horizonte lááá na frente. Com isso você pretende obter ganho através da Valorização do Papel + seus Dividendos/Juros sobre Capital Próprio. Correto ? E que tal aumentar um pouco essa lista ? O que acha de incluir nela Aluguel de Ações + Lançamento de Opções ?

O Aluguel de Ações

Como você pôde ver no link indicado no início deste texto (se não viu ainda, dê uma olhada), a opção de usar o aluguel de ações como um valorizador extra do seu capital investido, de preferência para o longo prazo, é uma ótima oportunidade. Como foi dito o valor a ser recebido na forma de aluguel varia muito de ação para ação, umas oferecendo um percentual maior, outras menor, porém a média da grande maioria é na faixa dos 6% ao ano.

Um outro ponto que varia bastante é a oferta e a demanda de papel para alugar. Existem papeis que tem uma altíssima demanda (principalmente os carro chefe da bovespa), e outros que não tem demanda alguma. Dificilmente você irá comprar uma ação pensando única e exclusivamente na operação de aluguel, portanto não precisamos ficar pensando nas melhores formas de aumentar a rentabilidade. 😀

Vale lembrar que mesmo alugando, todos os direitos do papel continuam sendo seus. Os dividendos, os JCPs, as subscrições … você continua sendo “dono” de tudo isso.

Digamos que ganhar com o aluguel de ações é uma fonte de renda extra, molezinha molezinha. 😉

Posso dizer que você dificilmente (para não dizer impossível) conseguirá permanecer com suas ações alugadas nos 365 dias do ano. Poder acontecer até pode, mas é difícil, hehehe. Encare o rendimento obtido com o aluguel exatamente como falei uma fonte de renda extra para suas ações.

Como fazer para utilizar essa forma de rentabilização da carteira ? Entre em contato com a sua corretora e solicite maiores informações.

Lançamento de Opções

Uma outra forma muito interessante para obter outro acréscimo em sua valorização é o lançamento de opções. Infelizmente o investimento em opções foi direcionado por muitos para uma forma de “bingo”, onde você compra “um pózinho” para correr o risco de ganhar um bom dinheiro depois. Sim, é possível … mas para isso você tem que ser um ótimo analista técnico/grafista para obter um bom desempenho com o passar dos anos. Se conheço alguém que ganha regularmente comprando opções ? Não. Se conheço alguém que tenha um um resultado positivo após ganhar-perder-ganhar-perder-ganhar-perder ? Sim … mas a grande maioria acaba perdendo mais do que ganhou …

Não entrarei em detalhes sobre o funcionamento, o que são, para o que realmente servem … este será o tema de um próximo post. Aqui farei apenas a apresentação de uma estratégia que poderá ser utilizada e que poderá trazer um ótimo retorno no longo prazo.

Como funciona ? Tendo a ação em sua carteira, você pode lançar opções dela. E o que você ganha com isso ? Um prêmio, que nada mais é do que o valor da opção. Você vende uma opção (as mais negociadas são as de compra, que te geram a obrigatoriedade de entregar suas ações no momento do exercício) escolhendo qual a data de vencimento e qual o strike da mesma.

Bom, eu não ia falar … mas estou sentindo que é necessário para compreender um pouco melhor a ideia apresentada.

Strike = Valor pelo qual a ação será entregue a pessoa que exerceu a opção que você vendeu. Por exemplo, se você tem Telemar e vende a opção TNLPJ44, o campo “44” é o indicador do strike. Neste caso o strike desta opção é R$ 44,00, com isso você receberá R$ 44,00 no caso de ser exercido. Mas fiquem atentos ao fato de que o número não quer dizer necessariamente o strike … a melhor forma de saber qual é o strike de uma opção é acessando o site da CLBC para dar uma olhada nas séries já autorizadas para negociação.

Data de Vencimento = É quando será o exercício da opção. Quem nos mostra isso é a letra existente após o código da ação, no caso o “J”. Cada mês tem uma letra:

A = Janeiro

B = Fevereiro

C = Março

D = Abril

Lembrando que este é o código para opções de compra.

Continuando nosso exemplo, fiz a escolha da J44 porque “acredito” que ela não será exercida no vencimento J, que será no dia 15 (o exercício é sempre na 3ª segunda-feira do mês), e meu preço médio é de R$ 41,00. Lanço uma série um pouco mais longe do meu preço médio, e principalmente da cotação atual, para que não corra o risco de ser exercido. Vendendo agora (no momento em que escrevo este texto) receberei R$ 0,59 por opção vendida.

O que aconteceu ? Caso não seja exercido, receberei 1,5% por esta venda, que se juntará a todos os outros créditos que a minha ação já recebeu até agora. 1,5% por pouco mais de uma semana ! Dependendo de quão próximo do início do vencimento o lançamento (venda) for feito, maior será este rendimento.

Neste caso a intenção é justamente não ser exercido, com isso você poderá ir aproveitando a alta do papel, embolsando os dividendos/JCP e mais este “extra”.

Uma observação

Infelizmente nem tudo é perfeito … por quê ?

Porque estas duas ferramentas não podem ser usadas ao mesmo tempo … só por isso. Você tem que escolher, ou uma, ou outra. Como falei no texto sobre o aluguel, no momento em que você aluga o papel “deixa de ser seu”. Somente o papel, todos os direitos sobre ele continuam sendo seu, mas o papel mesmo não. Portanto você não poderá vende-lo enquanto estiver alugando bem como não poderá usa-los na cobertura no lançamento de opções.

Caberá a você escolher entre as duas possibilidades, ver qual a que melhor se encaixa em seu perfil, e partir para uma graninha extra para suas ações.

Abraços !