Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

8 pessoas possuem mais dinheiro que a metade mais pobre da população mundial

Ontem vimos uma notícia pipocar em todos os cantos e ganhar os holofotes devido à força de seu conteúdo: estudo divulgado pela ONG britânica Oxfam afirma que apenas 8 pessoas acumulam o mesmo patrimônio que as 3,6 bilhões mais pobres.

Sim, você não leu errado … O estudo afirma que apenas 8 pessoas têm em seu poder a mesma quantidade de dinheiro que a metade mais pobre da população mundial. Isso sim que é desigualdade social … Não é mesmo ? 🙁

Se para muita gente é difícil imaginar quantias tão altas de dinheiro, na casa dos bilhões como exemplo, imagine então comparar 8 com 3.600.000.000 pessoas … Consegue ?

São, aproximadamente, U$427 bilhões nas mãos (ou seria mais correto dizer nas contas ?) de apenas 8 pessoas.

Um absurdo …

Tô chocado ...

Foco errado !

Pronto, já passou o susto ? Já passou a revolta ? Que tal tentarmos enxergar esta notícia de um outro jeito … ?

Ok … É realmente algo desproporcional. Achar normal que uma quantia tão grande de dinheiro esteja centralizada em um grupo tão pequeno de pessoas está longe de ser … normal. É uma quantia enorme e que provavelmente veio por causa da maldade nos corações destas pessoas mérito pessoal.

Não concorda ? Dê uma olhada na lista destes 8 bandidos da sociedade mundial:

1. Bill Gates (EUA): cofundador da Microsoft – US$ 75 bilhões
2. Amancio Ortega (Espanha): fundador da Inditex, da Zara – US$ 67 bilhões
3. Warren Buffett (EIA): maior acionista da Berkshire Hathaway – US$ 60,8 bilhões
4. Carlos Slim Helu (México): dono do Grupo Carso – US$ 50 bilhões
5. Jeff Bezos (EUA): fundador e principal executivo da Amazon – US$ 45,2 bilhões
6. Mark Zuckerberg (EUA): cofundador e principal executivo do Facebook – US$ 44,6 bilhões
7. Larry Ellison (EUA): cofundador e principal executivo da Oracle – US$ 43,6 bilhões
8. Michael Bloomberg (EUA): cofundador da Bloomberg LP – US$ 40 bilhões

Excluindo Amancio Ortega, dono da Zara (que tem histórico de aproveitamento de mão de obra em condições próximas à escravidão …), todos os outros pertencentes da lista lá estão por terem desenvolvido algum negócio que trouxe enorme impacto à sociedade.

Dizer que Bill Gates, Jeff Bezos, Mark Zuckerberg, Larry Ellison e Michael Bloomberg trouxeram perdas à população mundial graças aos produtos desenvolvidos por suas empresas (oi windows … oi facebook …), ou que Buffett impediu que alguém tivesse chances graças aos seus ganhos em bolsa, ou que as empresas de telecomunicações do Slim tiraram a comida do prato de algumas crianças … é querer forçar a barra.

Continue lendo …

Zé, você não entende quem tem pouco dinheiro para investir …

Um site de Educação Financeira tem, em teoria, o propósito principal de levar informação e conhecimento ao maior número de pessoas possível. Sem priorizar grupo social ou nível de renda. Desde dos que tenham milhões disponíveis para investir, até aqueles que não conseguem poupar um único centavo …

E não podia ser diferente. Para que as finanças de uma nação mudem, de verdade, uma série de fatores são necessários. Dentre eles (para não dizer o principal), a Educação Financeira. Mas uma Educação Financeira amplamente difundida. Que entregue aos envolvidos o conhecimento necessário para lhes ajudar a pensar por conta própria, que possam tirar todas as conclusões necessárias assim que as dúvidas surgirem. Nada de fórmulas prontas ou mágicas que permitam o sucesso com 100% de garantia.

Você conhece o Clube, não é assim que a coisa funciona por aqui. 😉

Sim, durante MUITO tempo foquei (talvez até mesmo exageradamente, minha culpa …) no tema Bolsa de Valores. Falei tanto sobre ela por ser minha área de atuação no mundo dos investimentos, por ser o ramo que mais intimidade tenho, por ser a modalidade que (acredito) tenho mais conhecimento acumulado. Em uma reflexão mais profunda, cheguei à conclusão que realmente estava deixando um pouco de lado o básico da Educação Financeira, e vi que isso fazia falta aos leitores do Clube. Reflexão feita, correção de rota efetuada. 🙂

Hoje cá estamos falando MUITO sobre EF 101 e o resultado disso vem sendo fantástico ! Vejo que realmente errei ao não oferecer – no volume adequado – este tipo de conteúdo aqui no Clube. Erro corrigido e em tentativa de redenção.

Mas você continua sem entender quem tem pouco dinheiro Zé …

Quem me chamou a atenção para esse fato foi o Paulo, em um comentário no post de ontem (Com R$30 é possível atingirmos R$1 milhão ?). Mas será que eu realmente deixo de lado quem tem pouco capital disponível para seus investimentos ? 🙁

Pensei … Pensei … Pensei … E cheguei a conclusão de que não, e que além de não deixar de lado, sou um dos poucos que realmente tenta dar a orientação necessária para este grupo (tão grande, infelizmente) de pessoas que precisam mudar suas vidas financeiras. E mudar para melhor. 😀

Continue lendo …

Nubank: teremos que fechar as portas se o BC confirmar a mudança !

Ontem foi dia de #MiMiMi ! Ontem foi dia de vermos uma empresa reclamar, espernear e xingar muito no twitter as propostas de mudança apresentadas pelo Banco Central na semana passada. Ontem foi dia de vermos o Nubank dizer que fechará suas portas caso as propostas venham a ser confirmadas.

O alvoroço foi grande. Muitos tomaram partido, alguns tomando as dores da startup, queridinha do mercado nacional de cartões de crédito, outros em defesa da cadeia produtiva como um todo. Outros apenas apelando ao bom senso …

A confusão está formada e a pergunta que nos resta é: até onde isso não passa de um grande blefe ?

Nubank vai fechar as portas !

Segundo a empresa, se a mudança proposta pelo governo for realmente implantada, a empresa precisará fechar as portas, pois não terá como arcar com os custos originados dela. Mas … que mudança é essa ? Uma antecipação da data de repasse do valor da venda ao lojista. Vou explicar melhor …

Hoje, no Brasil, a coisa funciona +- da seguinte maneira: os bancos oferecem um cartão de crédito a seus clientes, que poderá ser usado em praticamente todos os estabelecimentos comerciais do país. A comidade é total, clientes satisfeitos por não precisar efetuar o pagamento no ato, lojistas felizes por poderem atender um novo cliente.

Este cliente do banco, na maioria dos casos, precisa pagar uma anuidade ao banco pelo uso do cartão de crédito. Estes alegam que os custos envolvidos são grandes, a estrutura exige isso. Mas a coisa não funciona bem desse jeito. Basta entrarmos em contato, abrindo uma negociação em relação ao custo desta anuidade e pronto: ao menos um desconto você ganha.

Continue lendo …