Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

Tenho R$100 de sobra do meu salário todo mês, como investir e em que investir ?

Pergunta:

Tenho 100 de sobra do meu salário todo mês, como investir e em quer investir?
 

Resposta:

Bom dia Cleiton,

Existe uma infinidade de alternativas de investimento para quem tem R$100 disponíveis. De forma mensal então … 😉

Vou apresentar uma lista das que me vêm à mente, ok ?

Caderneta de Poupança: (sim, por quê não ?)

O investimento mais tradicional de todos … Que permite qualquer tamanho de investimento … Protegido pelo FGC … De fácil acesso, extrema liquidez, o investimento mais “papai com mamãe” que existe. 🙂

Hoje rende 70% da SELIC, aproximadamente 4,55% por ano. E como é isento de IR, é isso que você receberá.

Tesouro Direto:

O queridinho de 11 em cada 10 educadores financeiros, afinal com apenas R$30 é possível de se iniciar. Como já vimos em outra oportunidade, a coisa não é beeeem assim … Mas é assim. 😉

Existindo 3 alternativas:

Tesouro SELIC: a partir de R$90, entregando 100% da SELIC, mas com desconto de IR de acordo com a tabela.

Tesouro Prefixado: a partir de R$30, com rendimentos prefixados, entre 7,97% e 9,79% ao ano. Também conta com desconto de IR de acordo com a tabela.

Tesouro IPCA: a partir de R$30, com rendimentos entre 4,5% e 5,5% ao ano + a correção pelo IPCA. Também conta com desconto de IR de acordo com a tabela.

CDB:

Nos bancões você encontrará CDBs apenas para valores maiores … Se encontrar para R$100, será um que oferece algo perto de 80% do CDI (que é quase a mesma coisa que a SELIC), mais o desconto do IR.

Se for em um banco menor, encontrará CDBs oferecendo 100% do CDI, mais o desconto do IR, mais algum risco por conta do “tamanho do banco”.

Mas em ambos os casos, você é protegido pelo FGC. 🙂

Fundos de renda fixa:

Encontrará ? Sim. Mas com taxas de administração lá no alto. Coisa de 1%, 1,5% ao ano. Em um investimento que rende 6,5% isso é MUITA coisa ! Cai para 5% ao ano, mais o desconto do IR

Ações:

Sim !! Você pode investir em ações com um valor como R$100. Deverá partir para o mercado fracionário, de menor liquidez, mas com valor de “entrada” mais baixo. O problema aqui é o peso das taxas operacionais em cada aporte que for feito.

Deverá buscar uma corretora com uma taxa de corretagem mais baixa e que te ofereça isenção na custódia. 😉

Mas é renda variável … Não existe como você imaginar quanto virá a obter de rendimento.

FII:

Mesma coisa que as ações.

Hoje existem corretoras que já lhe oferecem corretagem grátis para que você possa operar com os Fundos de Investimento Imobiliário. Sensacional, não ? 😀

Mais algum ?

Certamente que sim ! Provavelmente dezenas de outras oportunidades … mas estas são algumas que me lembrei.

Agora … existe uma que a maioria simplesmente ignora. Uma que dá retorno certo e garantido. Uma que te oferece o menor nível de risco que se possa imaginar. Sabe qual é ?

A EDUCAÇÃO ! Sim, a educação te oferece acesso a todos estes investimentos que falei. Só falei porque parti em busca de informação e estudei sobre o tema. Se não tivesse, não saberia que eles existem e não poderia estar aqui falando sobre eles para você …

A educação transforma, por mais batida que a frase possa parecer. Ela é libertadora e gratificante.

Você pode partir em busca de estudo na web, existem infinitas fontes de informação na internet. Pode buscar em livros, pois com R$100 terá acesso alguns bons livros que te permitiriam conhecer melhor as oportunidades que existem.

Poderia fazer um de meus cursos, por exemplo. Gostaria de aprender sobre Bolsa ? O Minha 1x na Bolsa está disponível por parcelas mensais de R$47 ! O Double PUT Double CALL, por parcelas de R$77 !!

Ah, mas se eu usar esse dinheiro para o meu estudo, e não colocá-lo diretamente em investimentos, estarei deixando de obter o rendimento que ele poderia ter durante aquele período …

Lembra, será um investimento em educação. Você investirá a quantia hoje, mas em pouco tempo estará sabendo mais sobre outras oportunidades de investimento que te poderão trazer um rendimento muito superior às alternativas que tem disponíveis hoje. É uma das trocas mais justas que existe.

Justa e indicada. 😉

Quer deixar “pra depois” ? Deixe … Mas em algum momento você precisará destinar parte do seu capital ao investimento em conhecimento. E saiba que quando você fizer isso, dirá: “Por que eu não fiz isso antes ??!”

Invista. Existem inúmeras possibilidades disponíveis. Mas não se esqueça de investir em educação e conhecimento também. É isso que fará com que você cresça e atinja níveis nunca antes imaginados. 😀

Se você acha que a educação é cara, é porque não imagina o preço a ser pago pela ignorância …

Derek Bok

Espero ter te ajudado ! 🙂

Abraços !

Colchão de Segurança para funcionários públicos ? SIM !!

Pergunta:

Bom dia!

Em primeiro lugar, agradeço pelas inestimáveis orientações disponibilizadas por você.

Sou servidor público no final da carreira, e devo me aposentar com vencimentos integrais. Tendo em vista que eu não vou ser afetado por cessação transitória de remuneração, não é necessário que eu reserve os famosos 6 ou 12 meses de despesas para um eventual período de desemprego. Meu colchão de liquidez, portanto, estaria vinculado exclusivamente a possíveis despesas extraordinárias e relevantes (a necessidade de uma cirurgia não coberta pelo convênio, por exemplo).

Pergunto: há padrões para definição do montante adequado ao colchão de liquidez em situações semelhantes à minha, ou seja, nas quais não há o risco do desemprego (ou, mais precisamente, da não-remuneração)?

Obrigado, grande abraço, e continue com esse excelente trabalho!

Resposta:

Bom dia Reinaldo,

Muito obrigado ! Quanto mais pessoas são “afetadas” pelo conteúdo disponível aqui no Clube, mais reforça a importância do trabalho aqui realizado. 😀

Olha … Mesmo depois do que vimos acontecer no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, onde inúmeros servidores estão com seus salários atrasados, você continua acreditando que não existe risco algum de uma interrupção no seu fluxo de caixa originado do seu trabalho ?

Com a situação que se encontram os caixas estaduais e municipais, as chances de vermos isso crescendo só aumenta. Acredito que será mais fácil vermos a lista dos estados com problemas de pagamento aumentar, do que o problema ser sanado.

Pior … O que provavelmente veremos acontecer é uma piora na situação dos aposentados. 🙁

Acredito que aquela tradicional tranquilidade que os servidores tinham, em relação ao recebimento em dia de seus salários, diminuiu bastante nos últimos anos. Não ?

Então eu digo que SIM, eu indico que você mantenha um colchão de segurança para um possível problema de pagamento de seu salário. Acredito que não importa se existe a chance de ser demitido ou não, o problema é a interrupção dos pagamentos que pode acontecer.

Sugiro que você tenha no mínimo 6 meses de suas despesas no colchão. Seja para ficar tranquilo em relação a um possível “calote” do governo, seja por conta de alguma emergência inesperada.

Pense comigo: não existe nenhum motivo para que você não crie o seu colchão de segurança, mesmo sendo servidor público. Ele poderá ser usado para sua finalidade padrão. Se não for, será uma grana que você terá guardada, investida – SIM !!, e que poderá ser usada no futuro. Seja por você ou seus herdeiros.

O colchão de segurança não é algo em que você coloca dinheiro a fundo perdido. O dinheiro é SEU ! Você poderá usá-lo de uma forma ou de outra. Afinal, as emergências afetam a todos nós, sejamos da iniciativa privada ou do setor público.

Por exemplo … Quer encarar o colchão de uma forma diferente e que talvez venha a fazer sentido para o seu caso ? Encare-o como um seguro de vida. Se você não vier a precisar dele em vida, poderá ser usado por sua família no futuro.

Mas, de novo: eu não enxergo mais a garantia de salário em dia dos funcionários públicos existindo como funcionou até pouco tempo. Especialmente para os aposentados … 🙁

Vai por mim, é o melhor a ser feito. 😉

Espero ter te ajudado !! 😀

Abraços !

Qual é a prioridade para o Colchão de Segurança ?

Pergunta:

Bom dia zé, Tenho 35 anos e trabalho pelo regime da CLT, o que significa instabilidade. algum tempo tenho começado a estudar, pesquisar mais sobre finanças, ter uma educação financeiro. (a necessidade surgiu da minha completa desorganização financeira e da instabilidade de trabalha em empresa privada) mas mais recentemente tenho despertado mais sobre essa questão. e pesquisando na internet descobri seu site (você não imagina o quão feliz eu estou, pois de todos que já vi, aqui eu percebo um conteúdo com mais clareza e mais completo, com uma intenção sincera de ajudar os iniciantes). Em fim tenho uma pergunta a fazer mas primeiramente quero deixar minha imensa gratidão por disponibilizar conteúdo de extrema importância. finalizando, estou devorando cada artigo pela ordem “colchão de segurança” e estou muito motivado para começar criar o meu Colchão de segurança. Pergunta. vou começar tirando 100 do meu salário, qual a melhor opção para aplicar? poupança ou tem alguma aplicação do TD que tenha facilidade de sacar em situações de emergência e que rende mais que a poupança? OBS.: desculpe-me pelo textão rsrs

Resposta:

Bom dia Flávio,

Muito obrigado ! A cada mensagem de apoio, agradecimento e parabenização que recebo, fico mais certo sobre a decisão que tomei há 15 anos, ao criar o Clube. 🙂

Você nem imagina quanta pressão já houve para que eu desistisse de tudo. Quantas vezes ouvi “Larga isso !! Só te dá trabalho e não traz retorno algum …” de pessoas próximas. Mas ao receber mensagens como a tua, vejo que agi da forma correta ao levar o trabalho adiante. Ao me entregar e retribuir à sociedade da minha maneira. 😉

Sobre a tua dúvida, há alguns dias falei sobre o assunto “qual é a melhor opção” no post “Qual é a melhor alternativa de investimento disponível ?“. Mas nesse caso específico, acho que vale a pena pontuar alguns outros itens que devem ser levados em consideração pelo investidor. (e por que não priorizados ?)

Sim, o Colchão de Segurança exige detalhes específicos que difere este “investimento” dos demais.

Antes de mais nada: o Colchão de Segurança não é um investimento propriamente dito. Por mais assustador que isso possa parecer, ao destinarmos algum dinheiro a ele não estaremos pensando em quanto obteremos de retorno. O colchão de segurança tem um proposta específica: trazer segurança. Portanto não devemos encará-lo como investimento, mas sim como um seguro …

Um seguro onde não “rasgamos” o dinheiro a cada ano, como acontece com o do seu carro ou da sua residência. É um seguro que você vai acumulando o dinheiro. Vai acumulando e só irá usá-lo se for realmente necessário. 😉

Por não ser um “investimento”, a rentabilidade será um dos últimos itens da lista. Antes disso temos, como dito, outras prioridades.

Se é um seguro, o dinheiro precisará estar em um local … seguro. Portanto investimentos mais arriscados, ou até mesmo os mais simples e seguros do tipo renda variável, devem ser descartados. Você precisa ter a certeza de que ele estará lá quando você precisar.

Se é um seguro, o dinheiro precisará estar disponível quando for necessário. Portanto investimentos que tenham algum prazo estabelecido para resgate estão descartados. Você precisa de algo que seja líquido, muito líquido.

E como você já deva imaginar, para que tenhamos a dupla dinâmica em ação, o rendimento fica para escanteio.

Alternativas para o colchão de segurança que atendam as nossas necessidades: Caderneta de Poupança, Tesouro SELIC e CDB (mas só se pagar acima de 90% do CDI …).

Infelizmente não temos como fugir destas alternativas, são somente elas que oferecem o que queremos.

#1 Caderneta de poupança

Entrega 70% da SELIC, mas é isenta de IR, o que eleva para algo próximo a 90% da SELIC/CDI. Oferece resgate imediado, D+0.

#2 Tesouro SELIC

Entrega 100% da SELIC, mas tem IR. Se o dinheiro for necessário com “pressa”, pode significar um IR de até 22,5% do lucro. Além disso existe a taxa de custódia de 0,3% da CBLC. Isso se a sua corretora também não cobrar a parte dela …

Oferece resgate em D+1. Ou seja, pede hoje e recebe amanhã.

#3 CDB

O rendimento varia de banco para banco. O ideal é que seja um que ofereça no mínimo 90% do CDI. E é no mínimo mesmo, hehehe. 😉

Além disso o investimento em CDB também tem IR, e ele segue a mesma tabela do Tesouro Direto.

Em relação ao resgate, variará de acordo com o banco onde você fizer o CDB. No meu é D+0 … 🙂

#4 Outros ?

Você pode estar se perguntando se fundos de renda fixa podem ser usados … e eu digo que talvez não seja a melhor coisa a ser feita.

Motivo ? As taxas de administração para fundos que aceitam valores menores costuma ser MUITO elevada. Então além do IR você terá uma bela mordida da instituição financeira.

Tesouro ou Poupança ?

Falei sobre isso no post “O Tesouro Direto é realmente tão mais vantajoso que a Poupança ?“, portanto sugiro que você leia ele. 🙂

Acredito que seria isso … No colchão a prioridade foge do retorno em si. Segurança e Liquidez são a coisa mais importante a ser buscada. 😉

Espero ter te ajudado.

Abraços ! 🙂

Qual é a melhor alternativa de investimento disponível ?

Volta e meia recebo uma dúvida “padrão”, onde mudam apenas os valores envolvidos. Mas no geral ela é assim:

Boa Tarde, eu tenho 80 mil para começar aplicar. Gostaria de saber qual a melhor opção, e sé possível ter um retorno mensal??

Pergunta perfeitamente normal e natural de ser feita em um momento de mudanças como o que vivemos atualmente. (essa foi enviada pela Larissa)

Com a queda na taxa de juros (leia !), e o desaparecimento do rendimento “mágico” de 1% ao mês, as pessoas começam a partir em busca de algo diferente do que estavam habituadas.

Qual seria a melhor alternativa de investimento disponível ? Qual a mais segura ? Que me permite mobilidade, ofereça liquidez e renda constante. Você também tem essa dúvida ?

E se eu te disser que … não existe uma resposta pra essa pergunta ? 🙄

Sim … não existe. Pois não existe a melhor alternativa. O que existem são necessidades e possibilidades, e sabedores delas é que podemos olhar o que existe e decidir o que melhor se enquadraria no momento atual.

Isso: momento atual. Afinal de contas suas necessidades com 20 anos de idade são diferentes das que você tem aos 40, ou aos 60. Não é mesmo ?

Por exemplo … eu poderia dizer que a poupança rendeu 0,80% nestes 3 primeiros meses do ano. Que o Tesouro SELIC rendeu 1,54% de 1 de janeiro até hoje. Que o Ibovespa subiu 9,78% no mesmo período. Ou então que eu já consegui 19,89% em 2018 com o método Double PUT Double CALL. Quer mais ? O dólar se valorizou 0,24% e o ouro 6,06%. Poderíamos incluir aqui também imóveis, Tesouro IPCA, Tesouro Prefixado … e acredito que você já esteja começando a entender o que quero falar.

Só o rendimento não quer dizer muita coisa. A informação que o rendimento apresenta é importante, mas não é o ponto mais importante a ser levado em consideração.

Pense na escolha entre o Tesouro SELIC, Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA. Considere que você tem a disponibilidade de esperar as datas de vencimento do título escolhido, que não precisará resgatar antes do prazo (garantindo com isso o rendimento integral dele). O que te faria escolher entre os 3 ? Apenas o rendimento direto ? Claro que não !

Quem escolhe o Tesouro SELIC já sabe que o rendimento dele irá acompanhar as flutuações da taxa, decidida pelo BC. Dependendo da situação, uma taxa é aumentada ou diminuída. A expectativa do momento é que fiquemos na casa dos 6% ao ano por pelo menos alguns meses, quem sabe um pouco mais de um ano.

Quem escolhe o Tesouro IPCA já sabe que irá se proteger do dragão da inflação. Que não importa o que ocorra um determinado rendimento real lhe será entregue no vencimento do título. Um rendimento real e já conhecido.

Quem escolhe o Tesouro Prefixado já sabe exatamente qual será o retorno obtido durante o período que tiver o título em mãos. Não importa o que ocorra, receberá aquele rendimento no vencimento do título e ponto final.

Agora, se não puder aguardar o vencimento, só o SELIC poderia ser usado sem medo de perder parte do capital originalmente investido.

Bolsa, apresenta volatilidade e um certo nível de risco. Claro … quanto mais informação e estudo o investidor tiver, menor será esse risco. Imóveis, investimento tradicional, mas que apresenta extrema falta de liquidez (a não ser que você invista via FIIs, lembra ?). Ouro, famosa reserva de valor. Mais um seguro, uma proteção, do que um investimento propriamente dito.

Já tem um colchão de segurança formado ? É dinheiro para daqui 10 anos ? 30 anos ? Aposentadoria ? Para pagar a universidade de seu filho ?

Consegue enxergar além da própria árvore ? Consegue perceber que é preciso se conhecer um pouco melhor a floresta para que uma decisão seja tomada ?

Para responder a pergunta do começo do post eu poderia dizer: coloque uma parte em Tesouro IPCA, que te protegerá de alguma surpresa da inflação e um bom rendimento real; e outra na Bolsa, com uma dose de risco e com a possibilidade de turbinar o retorno; um pouco em ouro para se proteger … Mas sem saber a sua real condição, a sua real necessidade – seja de rendimento ou de liquidez, fica impossível entregar uma resposta padrão. 🙁

Gosto muito de trazer discussões para vocês. Lembra da mais recente sobre a “briga” Tesouro VS Poupança ? Eu não tenho como chegar e dizer que o Tesouro Direto é a melhor alternativa. Qual dos 3 tipos de título estou me referindo ? Qual é a necessidade de quem vai aplicar ? Bem como dizer que “com R$30 você já começa a investir” não é o mais correto … pois isso só serve para o Prefixado. O IPCA é R$40 e o SELIC é R$90 o valor mínimo de investimento …

A decisão entre “quem é a melhor alternativa” passa obrigatoriamente pela educação, pela busca de informação e conhecimento de cada um. Se você não fizer isso, precisará depender para todo o sempre de alguém que lhe diga qual é a “melhor” opção … E eu te pergunto: a melhor para quem ?

Com isso em mente eu te pergunto: você gostaria de um curso voltado ao investidor iniciante que apresentasse TODAS as orientações necessárias para que a melhor decisão, para aquele momento e situação, fosse tomada ? Um curso com o padrão Clube do Pai Rico de qualidade, pensando na realidade das coisas e apresentado de uma forma simples e eficaz. Se a sua resposta for SIM deixe um comentário aqui no post me dizendo isso ! 🙂

“Dobrar seu patrimônio não vai fazer você mais feliz”, afirma Warren Buffett. Será ?

Será ?

Confesso que essa afirmação me fez pensar mais do que já penso sobre o tema. Mas será que dobrar o patrimônio não seria motivo de felicidade para uma pessoa comum ?

Ok … Para um senhor de 87 anos, que tem a vida plenamente formada (casa própria, filhos bem criados, aposentadoria garantida) e todo o dinheiro do mundo (quase que literalmente), dobrar o patrimônio talvez não venha a ser algo que tenha algum poder “transformador”. Não seja algo que deixe esta pessoa realmente feliz.

Mas … e para alguém que tem 25 anos ? Ou para alguém com 35 ? 45 ? 60 ? Será que dobrar o patrimônio não seria algo que pudesse ser considerado um “evento feliz” na vida dela ?

Pense em alguém que está começando a vida … Que está na batalha diária. Que tenta começar sua formação de patrimônio. Que já pensa no futuro. Que vem fazendo a lição de casa … Será que dobrar o patrimônio não seria algo que pudesse lhe deixar feliz ?

Dobrar o patrimônio, com a atual taxa de juros, seria algo que a renda fixa poderia proporcionar em apenas 10 anos ! Ou seja, essa pessoa ganharia “10 anos” na corrida. (se levarmos em conta o rendimento real, descontando a inflação, esses 10 anos saltariam para uns 20 ou 30 rapidinho …)

Ou alguém que está prestes a se aposentar, com um capital acumulado para lhe proporcionar uma velhice “normal” … Dobrar o patrimônio poderia ser a diferença entre passar o resto dos seus dias em casa, vendo TV, ou viajar pelo mundo, conhecendo lugares e culturas que até então habitavam apenas o mundo dos “desejos” daquela pessoa.

A conclusão que chego ao pensar sobre o assunto é que isso é algo absurdamente relativo. Até mesmo porque o conceito de felicidade por si só já é algo completamente relativo …

Será que o jovem Buffett, ao constatar a sua primeira “dobra” não tenha se sentido feliz com o ocorrido ? Será que ao conquistar a sua primeira “dobra” ele não pode constatar que a sua estratégia era bem fundamentada e que sua dedicação estava sendo correspondida ?

Ok … Digamos que dobrar o patrimônio não seja algo que possa trazer felicidade para uma pessoa. Façamos uma nova simulação neste momento, meio que invertendo a situação.

Uma pessoa perde 50% de seu patrimônio, esse evento é capaz de gerar tristeza para ela ? Ou não … é algo que passará batido e não trará nenhum tipo de emoção para ela ?

De novo … Talvez, para um senhor que tenha em seu poder “todo o dinheiro do mundo”, perder 50% dele, não seja algo tão assustador, preocupante ou que lhe faça ficar triste (tenho cá minhas dúvidas …). Afinal de contas o que resta é capaz de proporcionar a ele uma vida que muitos apenas sonhariam em seus sonhos ser possível.

Mas e para aquele senhor do exemplo anterior, prestes a se aposentar … Perder 50% do que possui é a diferença entre uma aposentadoria “normal” de algo que certamente não será a experiência mais agradável do mundo, longe de ser um momento tranquilo na vida dele. Concorda ?

Pois … se uma perda de 50% é capaz de gerar tristeza em uma pessoa, por que um ganho de 100% não seria capaz de deixar ela mais feliz ?

O que eu acho ?

Sim, eu acho que o dinheiro traz felicidade. Sim, vou contra o ditado popular que “prega” o contrário.

Pergunte a um pai de família, com problemas financeiros, que não enxerga mais para onde correr, nem sabe mais o que fazer, se um pouco de dinheiro não seria motivo de felicidade pra ele ?

De novo … é tudo relativo !! Para quem tem dinheiro, não enfrenta nenhuma dificuldade, tem acesso a tudo o que o dinheiro pode comprar e proporcionar, dinheiro “a mais” pode não trazer nem um único pingo de felicidade. Já para quem precisa dele, mais do que “tudo” … pode ser a diferença entre o pão na mesa e a barriga roncando. 🙁

Portanto sim, eu acho que dobrar o capital é algo que pode trazer uma dose extra de alegria para uma pessoa. Se não fosse assim, qual seria o motivo para eu comemorar cada operação bem-sucedida que eu tenho com o Double PUT Double CALL ? Qual seria o motivo de meus alunos estarem comemorando a cada novo resultado positivo ?

Você já viveu a experiência de dobrar seu capital ? Em um período de tempo mais curto ? Te garanto que isso é algo fantástico ! É o que disse antes: você se sente retribuído pelos anos de dedicação e esforço. 😉

Mas me diga, o que você pensa sobre isso ? Qual é a sua opinião ? Traz felicidade ou não ?