Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

A controversa estratégia que envolve o uso de opções para se proteger das quedas

Pergunta:

Uma certa consultoria independente tem recomendado o uso de compra de puts como hedge para a carteira de investimentos e fiquei curioso sobre o assunto.

A ideia é comprar opções de venda bem fora do dinheiro, com vencimento para mais de 4 meses, que vão estar com um valor de negociação baixo, na casa de centavos e caso ocorra algum evento negativo inesperado estas opções valorizariam muito, compensando um possível prejuízo em sua carteira. Conhece este tipo de operação? Ela é realmente viável? Mesmo aqui no Brasil em que há pouca negociação de opções?

Resposta:

Bom dia Israel,

Sim, a sua descrição em relação ao funcionamento da estratégia está correta e é exatamente este: você tem uma carteira de ações, que visa obter lucro no longo prazo ao pressupor que estejamos navegando em uma tendência de alta e que já conta com um desempenho bem interessante nos últimos tempos. Você vem surfando a onda até então disponível, mas começa a aventar a possibilidade de que ela, talvez, esteja perto do fim.

O que fazer ? Vender a carteira e embolsar o lucro até então auferido, na expectativa de que a correção realmente ocorra e que você possa vir a recomprar suas ações por um preço mais baixo ? Mas e se a correção “esperada” não ocorrer …?

A ideia por detrás da estratégia apresentada pela Empiricus foi justamente a de oferecer uma alternativa que possa proteger sua carteira contra uma possível queda mais acentuada das cotações, mas sem afastá-lo do mercado e permitindo aproveitar a maré enquanto ela ai estiver.

Claro … tudo tem um custo. Tudo tem seus prós … Tudo tem seus contras …

Antes de mais nada, a estratégia sugerida por eles nada mais é do que um exemplo de uso da estratégia Barbell sugerida por Nassim Taleb (autor de A lógica do Cisne Negro e Antifrágil). Indico que você leia o post “O que seria o barbell de Taleb ?” onde tendo detalhar, simplificadamente, a lógica, o funcionamento dela.

Mas o resumo resumido seria: a estratégia tira proveito de eventos raros e de maior proporção.

No caso da estratégia sugerida pela Empiricus, você deveria destinar parte do ganho obtido nos últimos meses para a compra de opções de venda (PUT). Elas se beneficiam (se valorizam) com movimentos baixistas e quanto maior for a queda, maior será o lucro obtido nesta compra.

Detalhe importante: P-A-R-T-E do lucro obtido até então. Foi sugerido que a alocação máxima na estratégia fosse equivalente a 2% ou 3% da carteira. Sim, apenas 2% ou 3% de todo o seu patrimônio alocado em seus investimentos. Sim, 3 ou 4 meses de rendimento de sua aplicação básica na renda fixa … 🙂

A ideia, como você nos apresentou, é comprar opções do tipo PUT de determinadas ações (em sua maioria foram sugeridas das ações mais líquidas da Bovespa) de um vencimento futuro, 4 ou 5 meses seria um bom alvo, com um strike (alvo, valor de exercício ou como preferir chamar …) relativamente distante da cotação atual, visando obter um belo lucro no caso de um evento mais profundo do mercado. A única “correção” que faço da sua descrição é em relação ao preço de compra. Em alguns casos foram sugeridas opções de poucos centavos. Em outros, de poucos reais … Tudo depende de uma série de fatores. 😉

O fator principal era o tempo e o strike.

E no que deu … ?

Muita gente olhou atravessado para a sugestão dada por eles. Afinal de contas, o investidor precisaria abrir mão de uma parte do lucro e “apostar” na ideia. Mas a pior parte … precisaria comprar opções. Opções … ? Coisa do DEMOOOOOO …

O problema é que a maioria dos que reclamaram da estratégia não percebeu que:

1) Se o mercado realmente caísse e visitássemos as profundezas, estas opções se valorizariam bastante e o lucro obtido compensaria a perda apresentada pelo restante da carteira;

2) Se o mercado mantivesse o movimento altista, as ações presentes na carteira manteriam seu ritmo de valorização e o valor investido nas PUTs seria recuperado pela alta;

3) Se o mercado ficasse praticamente na mesma, o investidor perderia apenas um dedo (o mindinho da mão esquerda), mas estaria protegido contra movimentos mais robustos do mercado …

Sim, só temos vantagem ao apostar em tal estratégia.

Mas … aqui no Brasil ? Como !?

E é aqui onde mora o maior problema de adotarmos tal estratégia … O mercado brasileiro ainda não apresenta a liquidez necessária para adotarmos tal estratégia em tempo integral. 🙁

Falei há poucos dias sobre o problema da liquidez no mercado de PUT aqui no Brasil, apontei como descobrirmos onde e no que investir. Lembra ? Se não, leia aqui: Quais são as empresas que oferecem liquidez nas opções de venda (PUT) ? Como adotar uma estratégia que precisa de uma liquidez “fora do comum” ?

No caso em questão, o da sugestão da Empiricus, houve todo um movimento de bastidores. Foi acertado com grandes corretoras que elas ofereceriam a liquidez necessária para a montagem da estratégia. Sem este acordo, seria completamente impossível de vermos as coisas funcionando como funcionaram.

Sim, sem o apoio das corretoras envolvidas, ao primeiro sinal de compra emitido pela Empiricus, as opções indicadas apresentariam valorizações absurdas e que certamente teriam um mercado que não atenderia a demanda. Me surpreendi ao ver que tudo correu de forma tranquila e racional. 😀

Sem o apoio das corretoras envolvidas … como fazer ? Talvez, para uma meia dúzia de gatos pingados, tenhamos a liquidez necessária nos vencimentos, strikes e opções desejadas. Mas para movimentos de grande porte, com uma demanda do tipo que vimos … NEM A PAU JUVENAL !! 😯

Se o mercado de opções de venda (PUT) ainda é incipiente aqui no Brasil, imagine pensarmos em uma oferta de grande porte e vencimentos futuros e com strikes mais distantes … 🙁

No futuro … quem sabe. Quem sabe … 🙄

Mas … e deu certo ?

Sim ! E nem foi preciso esperarmos um período mais longo. A sorte bateu na porta dos que seguiram a estratégia e o lucro auferido mais do que compensou o “risco”. 😉

Por exemplo … uma das opções indicadas era da BRF (antiga Brasil Foods) … Não preciso dizer mais nada, não é mesmo ? O Cisne Negro cantou mais alto e, num evento realmente condizente com as características de tal título, vimos as opções indicadas valorizarem 200% …

E como o mercado, como um todo, apresentou uma bela correção, as outras sugestões também apresentaram bom resultado. Opções da PETR4, por exemplo, chegaram perto de apresentar valorização de 100% em relação ao preço sugerido de compra. 🙂

Essa é a “mágica” das opções, é por isso que eu insisto tanto para que você aprofunde seus estudos em relação ao tema. As estratégias, as possibilidades, as portas que elas podem te abrir são tantas e tão grandes … Só quem vive este universo para realmente entender o que elas significam.

Apresentar uma estratégia (e criar as condições necessárias …) como essa é o tipo de incentivo que pode servir de “fagulha” para o crescimento de um mercado tão necessário quanto este.

Aproveito, mais uma vez, para lhe indicar o vídeo onde sugiro a leitura de 3 ótimos livros sobre o tema.

 

 

Aprofunde-se. Conheça-as. O retorno, e suas consequências, será fantástico ! 🙂