Clube do Pai Rico
Adquira o seu agora mesmo!

STOP automático é 100% de certeza de tranquilidade ?

Pergunta:

Boa noite.

Parabéns, muito bom o site.

Gostaria de tirar uma duvida com relação a compra de ações Day Trade.
Por exemplo, se eu agendar uma compra no dia anterior para o dia seguinte no valor de R$ 10.000,00 em um determinado ativo.
O valor esta em R$ 10,00, eu faria uma compra de 1000 ações.
Programo um start de compra de R$ 0,02 acima do valor de fechamento do dia atual, R$ 10,02 para o dia seguinte e a venda até encerrar o pregão e um stop loss de R$ 0,02 abaixo do meu valor de compra, R$ 9,98
O meu risco total seria de R$ 20,00 e mais a corretagem correto ?
Ou, pode acontecer do stop loss falhar ? Se houver um gap corro risco também ?

Obrigado.

Willian

Resposta:

Bom dia Willian,

Pelo o que entendi você gostaria de “automatizar” o processo de operação de um daytrade. Isso ?

Sinceramente ? Tem tanta coisa que pode dar errado … 🙁

Principal motivo: STOP muito curto … Mas vamos lá. 😉

Ao indicar ao sistema uma compra de 1.000 ações com o preço acima dos R$10,02, você corre o risco de entrar a qualquer preço. (literalmente falando) Alguns sistemas permitem que seja inserido um valor limite para essa entrada, mas eu não sei lhe dizer se é um padrão …

Já pensou você deixar esta ordem de compra e no dia seguinte o papel abre rasgando em alta, aos R$10,50 (por exemplo) ? Só que imediatamente após a abertura some a ponta compradora e a melhor oferta fica somente nos R$10,30 … O seu STOP estaria lá nos R$10,48, lembra ?

Alguém que havia comprado no dia anterior, por R$10,00, acha que o R$10,30 oferecido lhe satisfaz e vende por esse preço. Neste momento o sistema reconhece que é hora de seu STOP entrar em ação.

Ele colocará uma ordem de venda por R$10,48 ou venderá no comprador ? Admitindo que ainda existe disponibilidade de compra pelos R$10,30 … você aceitaria vender por este preço ? 20¢ (R$200) de prejuízo mais corretagem.

Mas, e se da mesma forma que ao sumir o comprador na abertura, a próxima ordem de compra estiver apenas nos R$10,10 ? O sistema de STOP vai lá e vende sua posição e você assume um prejuízo de 40¢ (R$400) mais corretagem.

Ou ainda pior … ele deixa a sua ordem de venda lááá nos R$10,48 e o papel inicia um processo de correção e fecha aos R$9,75 …

Como seria ? 🙄

Claro … Estou traçando um cenário hipotético, hecatômbico, em uma ação com pouca liquidez. Mas que é algo perfeitamente possível de vermos acontecendo. 🙁

Operar no daytrade é algo que exige atenção do investidor. Dedicação total e olho grudado na tela. 🙂

Claro … Quem opera daytrade dificilmente o fará em uma ação com baixa liquidez, você diria. Eu digo que já vi MUITA gente operando micos, com pouca liquidez, visando o daytrade.

Em uma ação com mais liquidez isso dificilmente aconteceria. Os saltos dentro do pregão são raros e quase inexistentes. Q-U-A-S-E … Talvez não na intensidade que apresentei, mas possíveis.

Outro detalhe é em relação ao tamanho do STOP. Para se operar no daytrade, com um STOP tão curto, é necessário que o ativo seja muito, mas MUITO líquido mesmo. Tipo dólar ou índice futuro do Ibovespa. Eu não consigo pensar em outro além deles.

E olha … mesmo com eles é algo curto demais. A chance de ver o STOP sendo acionado por qualquer “espirro” é enorme.

Minha sugestão: quer operar de forma mais automática ? Esqueça o daytrade e parta para operações um pouco mais longas. Operações de alguns dias … algumas semanas … Além disso, pense em usar um padrão de STOP um pouco maior, para evitar que ele seja acionado a todo momento. Com esse aumento no STOP perderá um pouco mais a cada erro, mas se fizer a coisa do jeito certo, evitará que seja acionado a toda hora e que crie inúmeras oportunidades de acionamento.

Espero ter lhe ajudado ! 🙂

Abraços !

 

ps: Adotar o uso de um STOP mais “gordo”, em uma operação que fuja do daytrade, é garantia de que tudo dará certo ? Infelizmente não …

Da mesma forma que o GAP da abertura, ilustrado no post, criaria uma distorção e poderia trazer “problemas”, um GAP de abertura para baixo também poderia morder o seu bolso de forma mais forte que a esperada. Digamos que fosse de 10¢, mas se abrir abaixo disso … ele seria acionado e a perda seria maior do que a imaginada/programada.

O STOP é uma ferramenta que nos traz mais segurança, mas infelizmente ela não tem como nos garantir 100% da que gostaríamos de ter. 😉

(sim, usei exemplos extremos … mas que considero como sendo importantes de serem apresentados)

Posso viver somente dos rendimentos mensais do meu Fundo de Ações ?

Pergunta:

Boa tarde, gostaria de saber se a mesma logica usada para rendimentos mensais desse link “Posso viver somente dos rendimentos mensais do meu CDB ?” funciona para fundos de ações por exemplo?

desde ja obrigado

Resposta:

Bom dia Marcos,

Uma reposta simples e direta: SIM !!

Você poderá viver dos rendimentos de qualquer tipo de investimento que você tenha. Ponto Final.

Mas só tem um problema neste caso … Qual vai ser o rendimento que você usará como base para saber qual deverá ser o capital necessário para rentabilizar e com isso ter o capital necessário para pagar suas contas ?

*** cri cri cri ***

É … Impossível de respondermos a essa pergunta. 🙁

Ao contrário do que acontece num investimento de renda fixa, como é o caso do CDB, os investimentos em renda variável são … variáveis. Por mais incrível que isso possa lhe parecer.

E justamente por ser variável, como imaginar o que pode vir no mês que vem ? Ou ainda melhor: virá algo no mês que vem ? 🙄

No caso do CDB, do Tesouro Direto, de um fundo de renda fixa, entre outros, você já sabe no momento da contratação qual será o rendimento que aquele investimento apresentará. Poderá ser expresso em termos relativos ou absolutos. Traduzindo: poderá ser um determinado percentual do CDI (ex: 100% do CDI ao ano) ou o rendimento propriamente dito (ex: 8,25% ao ano).

No caso de um fundo de ações, você não tem a mínima ideia do que poderá vir a acontecer. Se for um fundo passivo (que simplesmente espelha um índice) você espera que ele apresente um retorno parecido com o do índice. Mas qual será esse retorno ? Num fundo de gestão ativa (onde o administrador do fundo realiza operações de compra e venda, na tentativa de obter lucro com estas operações), dependerá da destreza de quem gerencia o portfólio.

Em nenhum dos casos você tem como imaginar o que vai acontecer …

Então, voltando ao começo … Sim, é possível de adotarmos a mesma lógica apresentada no texto onde falo sobre usar a rentabilidade do CDB. O problema é que você não tem como prever qual será a renda gerada pelo investimento e viverá uma eterna batalha de indecisão. O rendimento gerado será o suficiente para pagar suas contas ?

O que muita gente faz nestes casos ? Junta um capital “gigantesco”, para que a mínima variação positiva (com consequente geração de caixa para o investidor) seja suficiente para pagar suas contas. O rendimento foi maior do que o necessário ? Ótimo ! A diferença permanecerá no fundo, rendendo, para que seja usado num mês em que o rendimento não seja suficiente para pagar as contas.

Mas o problema é esse: não saber o que será disponibilizado para ser usado. Não saber o quanto renderá. Não saber quais números usar como base para suas contas …

Num fundo de gestão ativa você até pode usar os números anteriores como base, para ter uma ideia do rendimento médio daquele fundo. Mas sabendo que rendimento passado não é garantia de rendimento futuro … Ok ?

Num fundo de gestão passiva você não tem nenhum número para tomar como base e é um mistério total …

Esse é um dos motivos para que eu insista tanto no gerenciamento ativo e pessoal de sua carteira de ações. Você precisará dedicar uma parcela tão pequena do seu tempo na administração, que não existe justificativa para entregá-la na mão de terceiros … 🙁

Ok … A etapa de estudos tomará um pouco mais de tempo. Mas te garanto que o investimento nessa preparação mais do que compensa o esforço.

Por exemplo, no Double PUT Double CALL, os alunos passam a conhecer uma estratégia de investimento em Bolsa, usando opções (e aprenderão no curso tudo o que for necessário para se investir com elas da forma correta), e estão aptos a usar essa estratégia em apenas 6 semanas. Para usar o método será necessário dedicar 24h do seu dia para o acompanhamento do mercado ? Não !! Apenas alguns poucos períodos de 1 ou 2 minutos diários são mais do que suficientes para gerir seus investimentos através da estratégia apresentada.

E o melhor é que a partir do momento que você assume às rédeas da situação, você passa a ter um pouco mais de controle sobre a parte do rendimento e objetivos a serem alcançados com o investimento. 😉

Portanto, voltando à sua pergunta: Sim, é possível usar fundos de investimento em ações … Mas é algo tão, mas tããão incerto … que você precisaria de um valor bem grande para levar essa ideia adiante. Se pretende fazer isso, dê preferência pelo gerenciamento direto, onde você cuida do investimento em ações diretamente e passa a ter um pouco mais de controle sobre a situação.

Espero que tenha lhe ajudado. 🙂

Abraços !

Qual o valor mínimo para começar a investir no Tesouro Direto ?

Pergunta:

Olá, boa tarde!

Eu me chamo Paulo Vitor e acompanho os posts no site “clube do pai rico” e tenho me interessado bastante em investir no tesouro… Mas ainda não entendi como funciona esse investimento. Poderia me explicar, por favor? Como faço para iniciar esse investimento? Qual o valor mínimo a ser investido?

Desde já agradeço pela atenção. Grande abraço.

Resposta:

Bom dia Paulo,

O Tesouro Direto é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores destinos para o seu dinheiro quando pensamos em uma aplicação segura do tipo renda fixa. Segura e que ofereça um rendimento aceitável. 😉

Muitos se interessam por esse tipo de investimento ao saber que ele é acessível a todos e que tem um valor relativamente baixo para se começar. Ouvimos por todos os cantos alardearem que para começar no Tesouro Direto é preciso apenas R$30, e você provavelmente tenha ouvido isso.

Essa seria uma “meia verdade”, pois com o valor de R$30 é possível sim de iniciarmos um investimento em TD. O problema é que esse valor é para um título específico …

Com R$30 você pode investir no Tesouro Prefixado, e apenas nele. Se você quiser comprar um atrelado ao IPCA, o Tesouro IPCA, precisará de algo mais próximo de R$35. Se for no Tesouro SELIC, que é o mais tradicional de todos, precisará de aproximadamente R$90 …

Ok … Para o IPCA é praticamente a mesma coisa. Mas para o SELIC, o valor mínimo é 3x superior ao alardeado !

O grande problema nessa história é que tanto o Tesouro IPCA, quanto o Tesouro Prefixado, têm um comportamento de “renda variável” dependendo das condições do mercado. É, diferentemente do Tesouro SELIC, que lhe entregará o valor que a taxa de juros básica estiver pagando naquele momento, os outros dois títulos podem lhe entregar um retorno negativo de acordo com a situação.

Para estes dois títulos, os mais baratos, você precisa ter em mente que o ideal é deixar o dinheiro parado neles até a data de vencimento. Somente desta forma poderá garantir o rendimento prometido no momento da aplicação inicial. Antes disso, dependerá das condições de mercado …

Somente o mais caro é que lhe garante a manutenção do valor original e a entrega de um rendimento garantido.

Então, o valor mínimo varia entre R$30 e R$90.

Sobre onde conseguir informação sobre o investimento, indico a leitura do post “Novidades no Tesouro Direto prometem facilitar ainda mais o seu uso” onde existem 3 apostilas desenvolvidas pelo Tesouro, sobre o investimento. Separadas em básico, intermediário e avançado, as apostilas atendem a todos os interessados. 😉

Para quem vai começar, de verdade, acredito que o ideal seja o Tesouro SELIC, justamente por ser o mais próximo que temos de um investimento como o da poupança. Aquela senhora tão injustiçada …

Espero ter lhe ajudado ! 🙂

Abraços !

Fluxo constante de capital com proteção do valor original. Onde investir ?

Pergunta:

Bom dia.

Estou vendendo um imóvel e vai sobrar para investimento aproximadamente R$200.000,00, estou com interesse em colocar todo esse valor em CDB ou LCI/LCA, vou deixar esse valor investido por algo em torno de 3 anos e gostaria de fazer saques mensais do rendimento, a partir de 3 meses após o investimento.

Qual o valor aproximado eu conseguiria ter de rendimento para saques mensais, sem sofrer uma queda no valor que eu investi?

Abraços e obrigado desde já.

Resposta:

Bom dia André,

Pergunta difícil de ser respondida com uma única resposta “correta” … 🙁

Motivo: os investimento apresentam os mais variados níveis de rendimento e cada caso é um caso.

Por exemplo, existem CDBs que te oferecem liquidez diária, ou seja, você poderá efetuar o resgate de parte da aplicação (o rendimento, por exemplo) a qualquer momento. Outros permitem que você o faça apenas na data de vencimento da aplicação. Com LCI/LCA a coisa é ainda mais complicada … A grande maioria deles é do tipo que só permite o resgate no vencimento.

A principal diferença entre os investimentos que te permitem resgate a qualquer momento, dos que só permitem no vencimento, é em termos da rentabilidade oferecida. Sendo os que te “prendem” os que apresentam os melhores rendimentos.

Além disso, outro ponto importante a ser levado em consideração: você usará o rendimento integral ? Ou limitará o resgate à parte “real” do rendimento ? Ou seja, deixará intacto o valor correspondente à correção da inflação ? Se você retirar todo o rendimento, correrá o risco de ter um valor em mãos, no futuro, bem diferente do que você tem hoje …

Em casos semelhantes ao teu, a maioria das pessoas dá preferência pelo uso do Tesouro Direto. Mais especificamente ao Tesouro IPCA. Ainda mais especificamente, ao Tesouro IPCA com juros semestrais. Ainda mais específico ? Usam Tesouro IPCA com juros semestrais, com metade do valor num título que vença num ano par e a outra metade num ano ímpar. 🙂

Desta forma garantem um fluxo trimestral de dinheiro, referente à rentabilidade do título. 😉

Hoje o Tesouro IPCA paga, em média, IPCA + 5,3% (ao ano). Isso dá, aproximadamente, 0,4% ao mês de rendimento real. Ou seja … para um valor inicial de R$200 mil, você teria uma “renda mensal” de R$800,00.

Mas no final teria os R$200 mil integrais, corrigidos pela inflação. Desta forma garantiria que o poder de compra seria mantido. 🙂

O “problema” … Hoje temos disponíveis apenas títulos (com esta característica) com vencimentos em: 2026, 2035 e 2050. Um “pouco além” do teu horizonte inicial de 3 anos.

E você está lembrado de como estes títulos se comportam antes do vencimento. Não é mesmo ?

Como dito, esta é a forma que vejo muitas pessoas agindo em situação semelhante à sua. Têm em mãos um investimento que lhes garante um rendimento real, protegendo o capital contra a desvalorização da inflação, criando um fluxo contínuo de capital. Se é o mais indicado para você por conta das limitações apresentadas ? Somente você que poderá responder … 😉

Espero ter lhe ajudado ! 🙂

Abraços !

Onde investir pequeno para o Colchão de Segurança ?

Pergunta:

Boa tarde Zé,

Uma honra poder ler suas matérias e ter a chance de poder aprimorar meus conhecimentos quanto a gestão financeira. Estou começando, no estilo formiga operária, a fazer meu resguardo próprio financeiro e literalmente começando a aprender como sair de baixo das asas dos pais, da melhor maneira possível… dando a cara a bater. Após assinar a newsletter do fórum comecei a me interessar mais pelos tópicos de economia e finanças. Sou filho de pais que possuem um faturamento mensal que dá para sobreviver nos dias de hoje, recebem pouco, bem como boa parte da população, mas o suficiente para termos uma vida \”saudável\”. Minha questão se faz no quesito para investimentos pequenos, já que comecei a me reeducar financeiramente para ter um condições de resguardar um % do salário (como tantas vezes instruído nos tópicos) e comecei a fazer meu \”colchão\”. Ainda tenho dúvidas para entender onde melhor deixar este dinheiro rendendo por menor que seja sua quantia. Recentemente (4 meses) fiz uma aplicação no CDB Plus do Itaú e tenho a impressão de não estar rendendo tanto quanto poderia em outras aplicações, este investimento de médio/longo prazo se faz vantajoso somente a partir de determinado período ou no meu caso compensa mais passar este investimento para outro tipo de carteira? Peço desculpas caso tenha usado alguma expressão errada. Como citei anteriormente ainda estou aprendendo a lidar com o assunto, assim como a linguística financeira.

Grato pela sua atenção,

Um abraço.

Viktor D. Luz

Resposta:

Bom dia Victor,

Um dos passos mais importantes da sua vida ! Parabéns !! 🙂

Tanto por “sair das asas dos pais” quanto por iniciar a formação do seu colchão de segurança. 😉

As alternativas disponíveis para quem vai começar devagar … um passo de cada vez … sem ter um orçamento “daqueles” são realmente mais escassas … Que rendam melhor então, praticamente uma raridade.

Por exemplo, o CDB que você escolheu, lhe renderá quanto ? Ele é PRE ou PÓS fixado ?

Normalmente os que são oferecidos pelos grandes bancos apresentam um retorno não tão interessante quanto gostaríamos que apresentasse … 🙁

Você chegou a cogitar/comparar com o investimento no Tesouro Direto ?

Se sim, olhou somente para o Tesouro SELIC. Correto ? Afinal de contas é somente nele que podemos aplicar a grana do colchão de segurança … O IPCA e o Prefixado apresentam um comportamento de renda variável e não são a melhor alternativa para quem precisa que o dinheiro esteja protegido deste tipo de coisa …

Não parece ser o seu caso, mas para quantias menores até mesmo a poupança pode ser uma alternativa para o colchão de segurança. Uma espécie de trampolim para investimentos mais interessantes. Mas uma ótima forma de guardar enquanto vai acumulando o capital necessário para as outras alternativas. Falei sobre isso no post “Contrariando a tudo e a todos, eu digo: USE a poupança !

O mais importante de tudo você parece já ter compreendido: comece pequeno, em alternativas que permitam que você invista a quantia que possui, mesmo que não apresente o melhor resultado do mundo … (mas sempre procurando entre as alternativas disponíveis aquela que mais lhe agrada para o tamanho do seu bolso)

Você começa pequeno, devagar, e conforme o bolo vai crescendo, parte rumo às alternativas mais atraentes, mais interessantes. 😉

Para o colchão de segurança o mais indicado é ficar nos investimentos de renda fixa. Lembre-se que liquidez e estabilidade são os itens mais importantes da equação neste momento.

Mas nada impede que você compare “entre os iguais” … 😀

Com o passar do tempo, e da carga de conhecimento adquirido, você vai percebendo que as decisões se tornam mais fáceis. As comparações mais simples e diretas. E os resultados melhores. É este o poder que a Educação tem sobre nós. 😉

Continue na trilha atual. Forme seu colchão de segurança com cuidado e atenção. Na hora que ele estiver completo, comece a analisar outras alternativas de investimento que renda mais (e que consequentemente terão um pouco mais de risco) para o dinheiro que ficará de fora dele.

Como você percebeu, indiquei uma série de textos nesta resposta. Indico que você os leia. Certamente lhe serão úteis. 🙂

Espero que tenha lhe ajudado. 😀

Abraços !