Clube do Pai Rico
Solicite o seu agora mesmo!

Quer comprar ações com desconto ?

Sim, isso mesmo que você leu: Quer comprar ações com desconto? Por um preço mais baixo do que o ofertado no mercado ? 1% ? 2% ? 5%? Qual é o tamanho do desconto que você deseja ?

Claro que estou falando sério ! Me diga por qual motivo eu estaria aqui inventando uma história sobre algo tão sério e tão … bom ? 🙂

Mas o melhor de tudo é que é uma coisa tão simples, ao alcance de todos … e tão benéfica ! Vai ver que é exatamente por isso que acabamos não ouvindo falar disso … 🙁

O “segredo”

A informação, a estratégia me foi apresentada durante a leitura do ótimo “Fique rico operando opções“, e tive aquela reação instantânea do tipo “como foi que não pensei nisso antes !!!”. Bem, acredito que um dos principais motivos para não ter pensado nisso foi por causa do tamanho do mercado que gera essa oportunidade. Por ser pequeno (até pouco tempo atrás), falar sobre ele era quase que “proibido”.

Está lembrado que no post onde faço meus comentários sobre o livro falo sobre esta possibilidade ? Sobre uma forma de comprar ações por um preço mais baixo do que os ofertados ? Pois bem … chegou a hora.

Antes de mais nada, acredito que esta ferramenta seja ideal para os que adotam a estratégia Buy & Hold, com aportes constantes à carteira de ações. Por causa da natureza da estratégia, onde o investidor compra ações constantemente, muitas vezes não importando a atual situação do mercado, o capital para a compra está disponível e um possível “adiamento” da compra acabaria não afetando o desempenho da carteira no longo prazo.

Entenda que como todas as estratégias de Bolsa, esta também envolve um certo risco. O risco de não poder comprar a ação pelo preço desejado … Mas acredito que este seja um risco justo e que no passar dos anos acabará trazendo belos frutos.

Como você já deve ter concluído esta estratégia de compra com desconto envolve o uso de opções … Mas não é preciso ter medo, elas não mordem. A não ser quer você as provoque. 😉

A estratégia em si

O conceito por trás da estratégia é incrivelmente simples, bastando que você escolha o preço que deseja pagar; “separar” o dinheiro para esta compra; vender a opção relacionada à essa escolha e pronto, agora é só colocar no forno, aguardar alguns dias ou semanas e pronto. 🙂

escolher o preço:

Você precisa definir um preço para esta compra, seja o preço atual, um preço mais baixo ou um mais alto do que ele. Sim, um preço mais alto … com desconto. É meio … “estranho” mas para algumas pessoas isso poderá fazer sentido.

Digamos que você deseje comprar 1.000 ações da Petrobras (PETR4) na faixa dos R$17,00. O fechamento de ontem foi em R$17,30, portanto o preço que você quer pagar fica um pouco abaixo do atual. Ou então que você queira pagar algo próximo à R$16,00, usarei estas duas possibilidades nos exemplos.

separar o dinheiro:

Esta é a parte mais fácil da estratégia, afinal você já precisaria destinar este dinheiro para a compra da ação no preço atual, correto ? Mas uma das melhores partes desta ideia é poder deixar este mesmo dinheiro na renda fixa enquanto aguarda a confirmação da compra com desconto.

Indico o uso de um CDB nesta estratégia, pois, como ela envolve a venda de opções, sua corretora pode exigir que você deposite um valor a título de garantia para a operação, a famosa margem. Existem ótimos CDBs que oferecem rendimentos muito próximos à 100% do CDI.

vender a opção:

Como dito você precisará operar no mercado de opções, mas não tenha medo, você não estará no olho do furacão que é o mercado de opções em muitas ocasiões. Você precisará vender uma opção do tipo PUT (opção de venda) – aquela que estamos habituados é a CALL (opção de compra), que se favorece conforme o mercado sobe -, portanto é hora de olhar as que estão disponíveis e ver se existe algum strike próximo do valor que você deseja pagar.

Indico o uso da própria página da B3 – B&MF Bovespa para ver a lista completa.

No caso estamos de olho na opção mais próxima dos R$17,00 e a mais próxima dos R$16,00. Para o vencimento atual (estamos em maio/14, portanto o próximo vencimento será em junho/14), na série R, temos a PETRR7, com strike nos R$16,16 e a PETRR18, com strike nos R$17,16. Elas atenderão as nossas necessidades. 😉

A PETRR7 fechou o último pregão valendo R$0,14 (pouco menos de 1% do valor da ação), enquanto a PETRR18 fechou em R$0,40 (quase 2,5% do valor da ação).

Nesta hora você precisa decidir qual será o valor desejado para a compra. Lembrando que para comprar próximo dos R$16,00 você precisará que o mercado caia até aquela região até o dia do vencimento. O mesmo acontece para o caso de você desejar pagar perto de R$17,00, só que o caminho até este preço é menor …

A principal característica de uma opção do tipo PUT é que ela só é exercida caso o preço de mercado da ação seja inferior ao strike da opção. E é somente desta forma que a operação será concluída. Infelizmente você ainda estará nas mãos do mercado, é o risco da operação que citei no início …

é hora de aguardar e ver se a “receita” ficou pronta:

Com a opção vendida precisaremos aguardar o vencimento da série para ver se o strike escolhido será exercido. Mas acredito que você já tenha identificado que, caso dê “errado”, você ainda ganha com a operação, não é mesmo ? 😉

Sim ! O valor obtido na venda da opção já é seu, quer aconteça o exercício ou não. O prêmio da venda já é seu. O prêmio e o rendimento obtido com a grana “reservada” no CDB. Sim, mesmo não sendo exatamente o desejado, caso dê errado você ainda ganha.

Claro … você corre o risco de ver a ação subir e “nunca mais” vê-la na mesma faixa de preços que estipulou a compra, mas acredito que quem esteja envolvido com a estratégia Buy & Hold já esteja mais do que familiarizado (e por que não acostumado ?) com esta mesma situação.

Ficou um pouco decepcionado … ? Não fique assim … Reflita por apenas um minuto e você verá que a estratég… isso mesmo, pode ser feita todos os meses ! Então em alguns você comprará a ação pelo preço desejado e em outros amargará a derrota, embolsando um rendimento pífio, na ordem dos 2% … 3% … 😯

Sim … 2% … 3% … basta “torcer” para dar errado e ter tido a “sorte” de escolher a opção correta para ser vendida. 😉

Tudo dependerá da sua estratégia, se você deseja rentabilizar a carteira, se deseja comprar por um preço mais baixo, se “souber” qual opção e quando vendê-la … Mas o básico pode ser feito de forma automática e sem muitos conhecimentos gráficos e operacionais.

Basta ter o dinheiro na conta, aguardando a compra, estar ciente de que pode não dar certo e a ação não será comprada, ou então que dê certo e que comprará a ação.

Tentei fazer este post da forma mais simples que pude, para facilitar a compreensão de todos (dos que já têm experiência com bolsa e com opções, aos que ainda não a têm), mas posso ter deixado passar algum detalhe … Peço que releia o texto caso tenha ficado com alguma dúvida e que fique a vontade para enviá-las, tentarei lhe ajudar no que for possível. 😀

Se precisar de alguma ajuda, para entender como funciona o mercado de Opções, conheça o Double PUT Double CALL, o meu curso de Opções. 😉

Candlestick – O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ?

Existem várias maneiras de olharmos o gráfico propriamente dito, em linha, em barras e o famoso/poderoso/salve salve Candlestick. Preciso dizer qual é o modelo escolhido por mim ? 🙂

Antes de saber da existência deste estilo de gráfico – quando comecei a operar, eu usava o tradicional gráfico em linha:

Mas … olhe para este gráfico, ele parece não passar informação “alguma” … fica tudo meio vago, mostrando somente o caminho percorrido pelas cotações em determinado período de tempo, concorda? E como eu não sabia nada de nada, e não precisava ter informação alguma de lugar algum, era mais do que o suficiente, eu só queria era saber das cotações, hehehe.

Continue lendo …

Venda coberta é muito mais do que vender e ser exercido

Muita gente ao ouvir sobre as tentações da venda coberta (afinal de contas, quem não quer uma fonte de fluxo de capital “infinito” e de alta rentabilidade ?) acaba achando que o negócio é fácil, simples e sem segredos. E é ai que acaba se decepcionando …

Ela pode ser fácil, simples e sem segredos ? Pode. Isso dá a garantia de que basta vender uma opção, coberta pela carteira, embolsar o lucro e sair para o abraço ? Olha … acho que não. 🙂

A venda pura e simples, na expectativa de ser exercido (isso é, você embolsa o valor da venda da opção, entrega a sua ação e recebe o valor acordado no momento da venda da opção), pode parecer ser um ótimo negócio, ainda mais se for uma venda ATM, a mais “gorda” de todas. Mas acredite, nem tudo são flores quando se trata de opções …

Numa passada de olho rápida é “óbvio” que a venda coberta ATM, torcendo pelo exercício, com recompra das ações após exercido, é o melhor dos mundos: risco zero e lucro alto (é possível de se obter até 5% ao mês desta forma …), mas o negócio não é bem assim …

Em um estudo muito interessante, Paulo Portinho – autor do livro “O Mercado de Ações em 25 Episódios(LEIA !!!) -, fez uma simulação sobre o comportamento de uma carteira formada por PETR4 ou VALE5 (as ações que possuem maior liquidez em bolsa, portanto ideais para estratégias envolvendo opções) adotando estas premissas: venda ATM, nos primeiros momentos do exercício, por um alto prêmio, torcendo pelo exercício, para recomprar as ações, para realizar nova venda e recomeçar o processo. O resultado ? Uma bela surpresa … a estratégia que em teoria é fantástica, e líquida e certa, se mostra uma estratégia “perdedora”.

Não, a venda coberta nestas condições apresentadas não te trará prejuízo, mas pelo estudo foi possível se notar que se você tivesse mantido as ações em carteira, pura e simplesmente, teria obtido um resultado mais interessante … 😯

É … a estratégia que tanto defendo, a venda coberta, se mostrou não sendo o “sonho” que “vendo” para vocês. E acreditem, MUITOS vieram “esfregar” o estudo na minha cara, usando como defesa para atacar o que falo que faço, e que me dá lucro. Conversando com o Paulo, apontei o que acredito ser o Calcanhar de Aquiles da simulação feita por ele: o estudo não leva em consideração uma peça fundamental … o investidor. Não leva em consideração se o investidor adota alguma estratégia diferente da compra no começo, a qualquer preço, em qualquer situação, ou se ele aguarda o momento “certo” para realizar esta venda.

Pense comigo: se você lança a qualquer momento, terá uma probabilidade “x” de ser exercido. Correto ? Mas e se você fica aguardando por alguma sinalização do mercado, daquelas que tanto espero, que me apresentam chances “um pouco maiores” de estar certo ? O número de vendas exercidas é muito menor ! (e isso influencia, e muito, no resultado final)

Pois bem, saibam que a venda coberta é muito mais do que vender e ser exercido. A venda coberta exige do investidor um “pouco” de estudo, uma preparação extra para que consiga ter uma leve vantagem sobre a média do mercado. Afinal de contas, 100% de acerto não existe em lugar nenhum …

Um outro problema para quem entra no mundo do lançamento de opções, o lado psicológico da coisa. Você determina que comprará a ação, lançará a opção dela, embolsará o lucro e comprará as mesmas ações logo após exercido. Certo ? Ok … Mas você estará preparado para vender uma opção de R$20,00, quando o seu preço médio de compra é de R$25,00 ? Acredite, esse ponto, esse minúsculo ponto, impede que muitos investidores levem o plano adiante. São os investidores que enquanto conseguem vender uma opção mais cara do que o seu valor médio de compra, dizem (e fazem) que a estratégia é perfeita. Mas quando a cotação começa a cair e o preço da ação começa a se distanciar do preço da ação em carteira … acabam “deixando de lado”.

Existem muitas formas de se ganhar dinheiro com a venda coberta, até mesmo a “vender a opção, deixar ser exercido e recomprar as ações”, fiz um post onde aponto 3 dessas formas, mas são apenas algumas delas …

Acredite: para se ganhar dinheiro de verdade com a venda coberta de opções, por um longo período, obtendo uma certa vantagem em relação ao mercado – e em especial ao Buy & Hold -, é preciso dedicação e estudo. É preciso estar preparado para um ou outro “acidente de percurso” durante a longa jornada, além de possíveis ajustes de estratégia … Mas, garanto, o resultado é maravilhoso. Justifica cada gota de suor que você precisou exalar durante o processo. 😉

Estude o funcionamento do mercado de opções – o meu curso, o Double PUT Double CALL, é uma ótima alternativa ! -, dedique-se ao estudo da análise técnica – é ela que lhe trará aquela leve vantagem que falei – e mantenha-se nos trilhos. 😀

Boa sorte !

Suporte e Resistência – O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ? (VI)

Como havia sido dito no texto da semana passada, esta semana marca o início da parte “técnica” propriamente dita do meu método operacional.

E como não poderia deixar de ser, acredito que como primeiro texto “técnico”, decidi começar com o conceito mais básico de todos os que regem minhas operações. Como se ganha dinheiro na bolsa ? Um doce para quem acertar … vai … pode chutar à vontade … tenho certeza que vai acertar. 🙂

A ideia mais simples de todas, para quem quer ganhar dinheiro com ações é: compre barato e venda caro. (ou vice versa)

Sim, o mais óbvio de todos os conselhos que você já ouviu até hoje sobre como ganhar dinheiro com ações … o mais óbvio e certamente o único que não existe outra alternativa. Claro ! Você só pode ganhar dinheiro negociando ações se conseguir vender por um preço mais alto do que o de compra ! Se você não fizer isso “invariavelmente” perderá dinheiro. (estou considerando negociação com ações pura, ok ? Sem nenhum outro instrumento em conjunto …)

Mas … e como eu faço para identificar (e especialmente diferenciar) o barato do caro ? Perguntando ao mercado !

O que é o mercado ?

Vamos, me responda, o que é o mercado ? O mercado de ações não é nada mais do que um conjunto de pessoas interessadas em comprar e vender ações ? E as cotações do mercado, não são um registro das atividades destas pessoas ? Não são as cotações que nos mostram se uma ação se valorizou ou se perdeu valor ? Se isso é verdade, então não devemos olhar para elas para ver onde está o barato e o caro ?

Certo … vamos pensar mais um pouco … em teoria, quando muitas pessoas compram uma ação é porque elas consideram que ela vai subir, correto ? Ou em outras palavras … compraram porque consideraram que a ação estava barata, e conseguiriam vender por um preço mais elevado. Correto ?

Ok … para quem opera olhando gráficos, poderá visualizar “facilmente” o momento onde este grupo de pessoas resolveu que era hora de comprar. O gráfico marca um fundo. (ou um topo caso esteja subindo e o grupo tenha considerado que era hora de vender, ou melhor dizendo: que estava caro)

Olhe a imagem abaixo, feita na última terça feira (dia 13/04) durante o pregão:

Olhando este gráfico – da PETR4, um gráfico diário – podemos ver a marcação de dois pontos importantes: Topo e Fundo. Olhando para o topo dele, podemos ver que inicialmente, na segunda barra, o mercado “pesou” e as cotações sofreram uma queda. Ok. É interessante notar que a queda não iniciou um processo de correção mais forte, pois apenas quatro barras depois as cotações já testavam mais uma vez aquele último topo. Percebeu o que aconteceu logo em seguida ?

Um suporte, ou resistência como o apresentado acima, é uma região onde os participantes do mercado costumam olhar o que os outros fazem/fizeram. Lembra … compre barato e venda caro ? Num primeiro momento os investidores acharam que estava caro, e as cotações cederam. Mas em seguida o mercado resolveu testar esta “teoria”. As cotações voltaram a subir, e o que aconteceu ? Muitas pessoas pensaram: ” Opa … calma lá … poucos dias atrás o mercado considerou que estava caro … e estava nessa região … acho melhor eu me desfazer da minha posição … vai que comece a cair novamente … ”

O mercado (e claro, as cotações …) é formado por um conjunto de opiniões, ele mostra o que os investidores acham a respeito das ações.

Suportes e Resistências

Suportes e Resistências nada mais são do que as regiões que marcam estes momentos. Um suporte marca o momento onde os investidores consideram barato e uma resistência marca o momento onde eles acharam que estava caro.

Muitos analistas cometem um erro “básico/sério/grave” … consideram como suporte e resistência o ponto onde o gráfico marcou um topo/fundo. Na realidade o ponto serve para que liguemos o modo “sinal amarelo”, mas o que vale mesmo é a região em torno deste ponto … Algumas vezes a ação respeita exatamente o ponto, mas não é obrigatório que seja assim. O que importa é que ela respeite a região de suporte/resistência.

Continuemos olhando exatamente o mesmo gráfico. Você vê como o topo foi marcado “exatamente” no mesmo ponto ? Você pode ver como a resistência foi confirmada exatamente no ponto que havia marcado o topo anterior ? E o suporte caracterizado pela barra verde no meio do gráfico ? Você consegue ver que ela marcou um funco, correto ? (depois dela as cotações subiram) Consegue ver que a região de suporte que ela forma está sendo testada pela última barra mostrado no gráfico ? Mas o mais importante, consegue ver que – diferentemente do que aconteceu na formação da resistência – o suporte não foi marcado pelo ponto (o fundo da barra verde) ? A última barra do gráfico chega a perfurar aquele ponto (que no caso era R$ 34,12 – indo até R$ 33,90) para somente depois iniciar a recuperação ?

O que vale são as regiões de suporte e de resistência. Ok ?

Além dos suportes e resistências formados pelos topos e fundos anteriores, existem outros tipos, como os formados pela extensão/retração de Fibonacci (que será assunto de um próximo post desta série) e os números “redondos”. Por exemplo, 69.000 pontos, 70.000 pontos … sendo que os mais “fortes” são os marcados pelas dezenas. Como suportes e resistências são formações “psicológicas” em relação ao caro/barato, nada mais justo do que números fortes também o serem.

Outro ponto a ser destacado: uma resistência hoje vira suporte “amanhã” – e vice-versa. Se ali foi um ponto onde houve briga para segurar, depois de ultrapassada, a região também sofrerá uma força, mas na direção contrária. Se hoje a dificuldade é de romper para cima, após o rompimento, numa correção a seguir, a região atuará como suporte das cotações.

E o que o Zé faz ?

Uma das coisas que olho é exatamente isso, vejo se as cotações estão em um suporte ou uma resistência. Eu dificilmente faço alguma coisa sem ser nestes pontos … no meio do caminho fico somente olhando pro gráfico, sem fazer nada … (normalmente … é claro, afinal este é somente um dos itens que olho)

Quando um suporte vai se aproximando, vou me preparando para iniciar uma operação de compra. Quando uma resistência se aproxima vou me preparando para iniciar uma venda. No meio do caminho não faço nada … fico só olhando … descansando para o próximo trade. 😉

Como disse, são alguns itens que olho na hora de decidir se entro numa operação ou não, tenho um checklist mental onde marco qual foi a sinalização de cada um dos itens. Este é o primeiro: A ação está cara ou barata ? Não será somente esta resposta que determinará se entro ou não na operação, lembre-se sempre disso … Ela serve principalmente para “chamar a minha atenção” para o ativo e me preparar para o tipo de operação que está por vir.

Abraços ! E acompanhem semanalmente a série. Aconselho a todos que assinem o Feed RSS e o Twitter, pois desta forma serão sempre avisados quando um novo texto for publicado.

Outros textos desta série:

Um resumão de tudo o que já passei

Não sabendo de nada, segui os outros …

A minha escolha: Análise Gráfica !

STOP !!

Um estranho no ninho

Ps: Este texto foi escrito no dia 13, no momento em que copiei o gráfico apresentado … O suporte mostrado funcionou ou não ?

Fibonacci – O que o Zé faz para ganhar dinheiro na Bolsa de Valores ? (X)

Num texto anterior, também pertencente a série “Como o Zé ganha na Bolsa“, falei um pouco sobre o conceito de Suportes e Resistências, e sobre como trabalho com eles. Naquele momento apresentei somente os Suportes e Resistências visíveis. Agora que tal falar um pouco sobre os “invisíveis” ? 🙂

Sim, algo meio estranho, mas real. Já ouviu falar de Fibonacci ? 😉

A razão Áurea

Leonardo Fibonacci, matemático Italiano que descobriu a sequência de números que leva seu nome, a sequência de Fibonacci. De fácil compreensão, ela é formada sempre da seguinte forma: O próximo número será a soma dos dois anteriores, sendo que a sequência é iniciada pelos números 0 e 1.

Até ai tudo bem … o grande “detalhe” desta sequência é que ela está presente em praticamente tudo que encontramos na natureza. 😯

Seja na projeção de quantos coelhos teremos depois de algumas gerações (um dos exemplos mais clássicos para demonstrar o seu funcionamento), ou na formação da casca do caracol, ou na organização das sementes de um girassol, ou na proporção entre alguns dos ossos do corpo humano … podemos encontrar a sequência propriamente dita, ou a relação entre seus números em praticamente tudo. O vídeo abaixo é um ótimo exemplo disso:

 

E já que está presente em tudo … por que não estaria presente na bolsa ? 🙂

Continue lendo …